NÊGO ROQUE

Correio da Bahia - - Vida - Lau­ra.fer­nan­des@re­de­bahia.com.br

Pa­ra além de ba­ti­zar o no­vo ál­bum do gru­po de rap bai­a­no OQu­a­dro, Nêgo Roque é o no­me de um su­jei­to mui­to co­mum na pe­ri­fe­ria. É aque­le que “es­tá no su­búr­bio, mas an­te­na­do com o mun­do”, que “es­tá fo­ra dos pa­drões, mas sa­be sua ori­gem”, ex­pli­ca um dos vo­ca­lis­tas da ban­da de Ilhéus, Nêgo Fre­e­za, 39 anos.

Exis­te um pa­drão de ne­gri­tu­de que “aca­ba cain­do no es­te­reó­ti­po” e Fre­e­za res­sal­ta que a ideia da ban­da em seu se­gun­do dis­co, lan­ça­do pe­la Na­tu­ra Mu­si­cal, é romper com es­se pa­drão. “Exis­tem ou­tras ne­gri­tu­des ali no su­búr­bio”, jus­ti­fi­ca. As­sim, o “nêgo roque” é o ne­gro que faz rock, além do rap, e que tem “ati­tu­de rock”, com­ple­ta o tam­bém vo­ca­lis­ta Jeff Ro­dri­guez, 39.

As­sim, mos­trar que o rock tam­bém faz par­te do rap é o que OQu­a­dro faz na tem­po­ra­da de shows que acon­te­ce de sex­ta a do­min­go, na Cai­xa Cul­tu­ral, no Cen­tro. O re­per­tó­rio pas­seia por mú­si­cas do no­vo ál­bum, além de in­cluir sin­gles e mú­si­cas do dis­co homô­ni­mo ao gru­po, de 2012. Ar­tis­tas lo­cais que exal­tam a cul­tu­ra ne­gra são os con­vi­da­dos dos shows: o gru­po de rap Opa­ni­jé (sex­ta), o mú­si­co Le­ti­e­res Lei­te (sá­ba­do) e o gru­po ÀTTØØXXÁ (do­min­go).

“A gen­te que­ria um ál­bum que saís­se do lu­gar co­mum, do es­te­reó­ti­po. Qu­an­do se fa­la de rap tem uma coi­sa meio en­ges­sa­da e qu­an­do se fa­la de rock, no Bra­sil, se re­me­te à coi­sa de ga­ra­gem, dos anos 80. Exis­te ou­tro rock. A ori­gem do rock é afri­ca­na e fa­lar dis­so, no rap, é até pre­con­cei­tu­o­so. Se cri­ou cer­ta re­sis­tên­cia do rap em re­la­ção ao rock”, cri­ti­ca Fre­e­za. “A gen­te quer to­mar de vol­ta es­sa ati­tu­de rock que o rap tem, de se por­tar no pal­co, de que­brar li­mi­tes”, com­ple­ta.

OU­TRO MUN­DO

Além do rock, a so­no­ri­da­de hí­bri­da do gru­po de rap tran­si­ta por zouk, soul e ele­trô­ni­ca, com re­fe­rên­ci­as que vão do ije­xá ao afro­be­at. Com par­ti­ci­pa­ção de Emi­ci­da, BNe­gão, Ra­o­ni Kna­lha, In­dee Sty­la, Pedro Itan e DJ Gug, o ál­bum

Ar­tis­ta OQu­a­dro

Pro­du­ção OQu­a­dro e Ra­fa Di­as

Lan­ça­men­to Na­tu­ra Mu­si­cal

Qu­an­do Sex­ta, às 20h; sá­ba­do, 17h e 20h; do­min­go, 19h

In­gres­so R$10|R$5 Nêgo Roque abor­da ques­tões so­ci­ais, além do con­cei­to de hu­ma­ni­da­de, ne­gri­tu­de, fé e mi­li­tân­cia.

Na mú­si­ca-tí­tu­lo, por exem­plo, que con­ta com par­ti­ci­pa­ção do rap­per ca­ri­o­ca BNe­gão, a gui­tar­ra anun­cia: “É Nêgo Roque/ Eu sei que tu­do é pre­to san­gue/ Meu san­to é ti­po afro­punk/Afri­ca is not a coun­try/ (...) Nas­ceu no gue­to, nêgo/ (...) Raí­zes, an­te­nas, é par­te do san­gue que pul­sa nas vei­as/Tá no DNA/Diás­po­ra/Áfri­ca, Bra­sil, Bahia, An­go­la/To­das as es­co­las/Ci­da­dão do mun­do eu sou”.

A mú­si­ca Mui­ta On­da, por ou­tro la­do, ques­ti­o­na “con­cep­ções, vi­sões e pri­vi­lé­gi­os” em sua le­tra. Re­sul­ta­do do en­con­tro en­tre OQu­a­dro e o rap­per pau­lis­ta Emi­ci­da no pro­je­to Co­ne­xões So­no­ras, Mui­ta On­da é com­pos­ta por tre­chos com­ba­ti­vos co­mo “On­de al­go­rí­ti­mo na­zis­ta/Bo­ta pre­to em seu óbi­to diá­rio/Sou Mar­cus Gar­vin, Bob Mar­ley, Zum­bi, Mar­vin Gaye”.

Já a mú­si­ca Ain­da É Ce­do de­nun­cia as di­fi­cul­da­des en­fren­ta­das di­a­ri­a­men­te por um ne­gro na pe­ri­fe­ria. “Quan­to va­le o cor­po no chão ou na pri­são, na mi­ra do ca­vei­rão?/Fu­di­do de crack, tris­te­zas mil pra fa­mí­lia, au­di­ên­cia pro Bo­cão/O pre­ço de uma ba­la pra in­dús­tria bé­li­ca, o cho­ro de uma mãe evan­gé­li­ca, às mar­gens do mun­do, feio de­mais pro pa­drão, con­vo­ca­do pra fac­ção”, diz um trecho.

“Ain­da É Ce­do fa­la so­bre es­se mar­tí­rio que é ser ne­gro pe­ri­fé­ri­co, es­pe­ci­fi­ca­men­te na Bahia, on­de so­mos a mai­o­ria de­pois da Áfri­ca, mas so­fre­mos um ex­ter­mí­nio diá­rio”, de­nun­cia Jef Ro­dri­guez, au­tor da le­tra com Ricô. “Qu­an­do acon­te­ce uma tra­gé­dia na França, to­do mun­do se emo­ci­o­na, co­lo­ca no Fa­ce­bo­ok, mas a coi­sa do ‘ser ne­gro’ pa­re­ce que es­tá li­ga­do à mi­sé­ria, à tra­gé­dia. A gen­te não se emo­ci­o­na, pa­re­ce que já faz par­te. Até que pon­to ‘ain­da é ce­do?’”, ques­ti­o­na Jef.

Em Tra­ba­lho, por sua vez, Jef e Fre­e­za ques­ti­o­nam a ló­gi­ca ex­ces­si­va do tra­ba­lho com tre­chos co­mo “san­gue su­or e lá­gri­ma pra tem­pe­rar/Men­tes co­lo­ni­za­das tro­cam sua pró­pria raiz/Por um mal que nem plan­tou”. Vin­do de fa­mí­lia de tra­ba­lha­do­res ru­rais, da cul­tu­ra do ca­cau, Jef de­fen­de que a ex­ten­sa jor­na­da de tra­ba­lho “ti­ra o di­rei­to do ócio cri­a­ti­vo” e o “di­rei­to do po­vo”.

“Ho­je, com tu­do o que es­tá acon­te­cen­do, a ten­dên­cia é que is­so se le­gi­ti­me ain­da mais, por­que exis­te um es­pí­ri­to es­cra­va­gis­ta”, de­nun­cia. Es­sas e ou­tras ques­tões, res­sal­ta Jef, são abor­da­das no ál­bum Nêgo Roque que “é um dis­co com­ba­ti­vo sim, é uma for­ça, uma von­ta­de de gri­tar, é es­sa ati­tu­de rock”.

“A par­tir de um no­me co­mum, Nêgo Roque, a gen­te le­van­ta pau­tas que es­tão pre­sen­tes”, ex­pli­ca. “A gen­te pre­ci­sa ter uma no­va pers­pec­ti­va, por­que a his­tó­ria é con­ta­da por quem es­tá no po­der. Is­so vai fa­zer com que a gen­te co­me­ce a re­cons­truir nos­so olhar so­bre o mun­do. Tam­bém é pa­pel da ar­te fa­zer is­so e a gen­te cha­mou es­sa res­pon­sa pra gen­te”, ga­ran­te Jef.

OQu­a­dro é for­ma­do por Jahg­ga (per­cus­são), Ricô (bai­xo e voz), Jef Ro­dri­guez (voz), Vic Santana (ba­te­ria), DJ Man­gaio (pro­gra­ma­ções), Nêgo Fre­e­za (voz), Ro­dri­go DaLua (gui­tar­ra)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.