Sem ins­pi­ra­ção

Correio da Bahia - - Esporte - Bru­no Queiroz bru­no.queiroz@re­de­bahia.com.br

No úl­ti­mo jo­go do ano, Bra­sil ape­nas em­pa­ta sem gols com a In­gla­ter­ra

Fo­ram 11 jo­gos, se­te vi­tó­ri­as, três em­pa­tes e so­men­te uma der­ro­ta, num amis­to­so con­tra a Ar­gen­ti­na, por 1x0. O ano de 2017 pa­ra o Bra­sil foi es­pe­ci­al. Além de sa­cra­men­tar a va­ga pa­ra Co­pa do Mun­do da Rús­sia, em 2018, com o pri­mei­ro lu­gar nas Eli­mi­na­tó­ri­as da Amé­ri­ca do Sul, o ti­me apre­sen­tou, na mai­o­ria das par­ti­das, um fu­te­bol con­vin­cen­te.

On­tem, no en­tan­to, jus­ta­men­te no úl­ti­mo jo­go da tem­po­ra­da, a Se­le­ção não saiu do 0x0 com a des­fal­ca­da In­gla­ter­ra, no es­tá­dio de Wem­bley, em Londres. Ano que vem, acon­te­ce­rão mais dois amis­to­sos an­tes de Co­pa. Os ad­ver­sá­ri­os se­rão Rús­sia e Ale­ma­nha nos di­as 23 e 27 de mar­ço, res­pec­ti­va­men­te.

Se no triun­fo por 3x1 so­bre o Ja­pão Ti­te quis ob­ser­var al­guns jo­ga­do­res que não atu­a­ram tan­to co­mo ti­tu­la­res sob o seu co­man­do, di­an­te da In­gla­ter­ra o téc­ni­co do Bra­sil re­sol­veu co­lo­car for­ça má­xi­ma.

Em cam­po, a equi­pe ba­se des­de que o trei­na­dor as­su­miu fez um pri­mei­ro tem­po fra­co e, ape­sar da su­pre­ma­cia na pos­se de bo­la, su­pe­ri­or a 70%, pra­ti­ca­men­te não fi­na­li­zou. A In­gla­ter­ra se de­fen­dia com uma li­nha de cin­co, for­ma­da por três za­guei­ros e dois la­te­rais que pou­co apoi­a­vam.

As ten­ta­ti­vas em fu­rar o blo­queio pas­sa­vam prin­ci­pal­men­te pe­la in­di­vi­du­a­li­da­de de Ney­mar e Phi­lip­pe Cou­ti­nho. O ca­mi­sa 10 con­se­guiu en­cai­xar gran­de pas­se pa­ra Ga­bri­el Je­sus, que che­gou a dri­blar o goleiro Hart, mas o ata­can­te do Man­ches­ter City es­ta­va em po­si­ção de im­pe­di­men­to.

Ape­sar do bom po­si­ci­o­na­men­to de­fen­si­vo, a se­le­ção in­gle­sa não con­se­guia in­co­mo­dar. Rash­ford e Vardy eram os ho­mens mais adi­an­ta­dos e ca­re­ci­am de um mai­or apoio dos jo­ga­do­res de meio Di­er, Li­ver­mo­re e Lofts-Che­ek. O úl­ti­mo, in­clu­si­ve, deu lu­gar a Lin­gard após sen­tir uma le­são.

A in­ten­si­da­de que fal­tou ao Bra­sil na pri­mei­ra eta­pa fi­nal- men­te apa­re­ceu após o in­ter­va­lo. No pri­mei­ro mi­nu­to, Ney­mar to­cou pa­ra Ga­bri­el Je­sus, que dei­xou pa­ra Cou­ti­nho fi­na­li­zar qua­se cain­do. Hart de­fen­deu. O ti­me de Ti­te tro­ca­va pas­ses com mais ve­lo­ci­da­de, ten­tan­do en­vol­ver.

En­tre­tan­to, a or­ga­ni­za­ção de­fen­si­va dos in­gle­ses con­ti­nu­a­va pre­va­le­cen­do na mai­o­ria dos lan­ces. Ti­te até ten­tou dar um no­vo fô­le­go co­lo­can­do Fer­nan­di­nho, Wil­li­an e Fir­mi­no nos lu­ga­res de Re­na­to Au­gus­to, Cou­ti­nho e Ga­bri­el Je­sus, res­pec­ti­va­men­te. O ti­me me­lho­rou, cri­ou al­gu­mas chan­ces, po­rém pa­rou na atu­a­ção se­gu­ra de Hart. Di­an­te da efi­ci­ên­cia de­fen­si­va dos do­nos da ca­sa e da in­ca­pa­ci­da­de cri­a­ti­va do Bra­sil, o pla­car não po­de­ria sair do 0x0.

Es­tá­dio Wem­bley, em Londres Car­tão ama­re­lo Li­ver­mo­re (In­gla­ter­ra); Da­ni­el Al­ves (Bra­sil) Pú­bli­co 84.595 pes­so­as

Ár­bi­tro Ar­tur Ma­nu­el Ri­bei­ro So­a­res Di­as, au­xi­li­a­do por Rui Barbosa e Pau­lo Ale­xan­dre San­tos So­a­res (trio de Por­tu­gal)

Ga­bri­el Je­sus dis­pu­ta pe­lo al­to com o za­guei­ro John Sto­nes. Ata­can­te bra­si­lei­ro não te­ve uma boa atu­a­ção

Erik­sen: três gols na go­le­a­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.