A chi­ban­ça foi boa

Correio da Bahia - - Front Page -

Ba­nho de pi­po­ca, aca­ra­jé pa­ra abrir os ca­mi­nhos, mú­si­ca que fez até a mo­ça do es­pe­ti­nho dan­çar e um cor­te­jo que, li­te­ral­men­te, pa­rou o trân­si­to. Quem pas­sou pe­lo Cam­po Gran­de na tar­de de on­tem, en­con­trou uma festa de ami­gos cu­ja cor­di­a­li­da­de era ní­ti­da. “Já com­pra­ram vos­sos li­vros, ‘re­bain’ de he­re­ges?”, di­zia um car­taz que re­su­mia o cli­ma bem hu­mo­ra­do em tor­no do even­to de lan­ça­men­to do li­vro de es­treia do jor­na­lis­ta bai­a­no Fran­ci­el Cruz, 48 anos.

O ca­ri­nho era re­cí­pro­co, se­ja por par­te de Fran­ci­el que as­su­miu que o pro­je­to saiu do pa­pel por­que “os ami­gos en­che­ram o sa­co”, se­ja por par­te dos ami­gos que não pou­pa­ram o an­fi­trião. “Ele in­fer­ni­za nos­sa vi­da. Faz uma ba­gun­ça na mi­nha ti­me­li­ne”, brin­cou a pro­du­to­ra mul­ti­mí­dia Ana Du­mas, 54, res­pon­sá­vel pe­la tri­lha so­no­ra do cor­te­jo que saiu do Cam­po Gran­de até o Ic­ba/Go­ethe- Ins­ti­tut, on­de acon­te­ceu a ses­são de au­tó­gra­fos do li­vro In­gre­sia (Edi­to­ra P55 | 258 pá­gi­nas | R$ 30).

Tor­ce­dor do Vi­tó­ria, o au­tor foi pro­vo­ca­do com o hi­no do Bahia, mas não dei­xou ba­ra­to e dis­se que a tri­lha era per­fei­ta pa­ra os tri­co­lo­res que qui­ses­sem “cho­rar ao pé do ca­bo­clo”. “Pu­bli­ca­men­te, Fran­ci­el tem es­se per­fil ir­re­ve­ren­te, é o ca­ra da chi­ban­ca, da ba­gun­ça. E é tu­do tão con­ser­va­dor e qu­a­dra­do, ho­je em dia, que to­do mun­do co­la pa­ra pre­ser­var e mul­ti­pli­car es­sa ener­gia de­le”, com­ple­tou Du­mas, que co­man­dou a festa com seu car­ri­nho de ca­fé mul­ti­mí­dia.

Pois foi es­se o cli­ma do cor­te­jo pu­xa­do por Fran­ci­el, que atra­ves­sou a rua com um ces­to de aca­ra­jé na ca­be­ça e pa­rou o trân­si­to do Cam­po Gran­de ao ar­ras­tar cer­ca de 200 pes­so­as com ele. “Que pre­se­pa­da!”, ria uma ami­ga. “Com Fran­ci­el, tu­do vi­ra co­mí­cio”, di­ver­tia-se ou­tra. “A li­te­ra­tu­ra é só pre­tex­to pa­ra a fo­lia”, ad­mi­tiu o pró­prio au­tor, ao COR­REIO.

Além de Fran­ci­el, a es­cri­to­ra Nú­bia Ben­to Ro­dri­gues, 50, tam­bém lan­çou o li­vro in­fan­to­ju­ve­nil Sí­tio Cai­po­ra. “Fiz um pu­xa­do no lan­ça­men­to de Fran­ci­el, por­que so­mos ami­gos e te­mos o es­ti­lo de hu­mor pa­re­ci­do, ape­sar de­le ser mui­to mais exi­bi­do”, gar­ga­lhou Nú­bia. “A gen­te jun­ta pa­lha­ça­das e quan­to mais pre­se­pa­da, me­lhor”, ga­ran­tiu.

A pró­pria pa­la­vra In­gre­sia faz re­fe­rên­cia ao ba­ru­lho que o au­tor propôs na sua es­treia li­te­rá­ria que mis­tu­ra hu­mor e iro­nia pa­ra abor­dar o co­ti­di­a­no e a bai­a­ni­da­de. “Mes­mo sen­do Vi­tó­ria, ele é um gran­de con­ta­dor de ‘cau­sos’. Con­ta ca­sos do dia a dia co­mo se fos­sem in­ven­ta­dos!”, des­ta­cou a ad­vo­ga­da e ami­ga Bethâ­nia Ro­dri­gues, 41, so­bre as 90 crônicas da obra que tem ore­lha as­si­na­da por Xi­co Sá, pre­fá­cio de Cláu­dio Le­al e pos­fá­cio de An­dré Se­ta­ro (1951-2014).

Ou­tro ami­go que bo­tou pi­lha pa­ra Fran­ci­el re­gis­trar sua in­for­ma­li­da­de, foi o jor­na­lis­ta Em­ma­nu­el Mir­dad, 37, co­or­de­na­dor- ge­ral da Festa Li­te­rá­ria In­ter­na­ci­o­nal de Ca­cho­ei­ra (Fli­ca). “Bo­tei pi­lha, né? En­chi o sa­co, por­que es­se ca­ra é um cro­nis­ta sen­sa­ci­o­nal. Dei­xar re­gis­tra­do em li­vro es­se lin­gua­jar pe­cu­li­ar, que é a lín­gua fa­la­da nas ru­as da Bahia, é mui­to im­por­tan­te”, jus­ti­fi­ca.

Fu­te­bol, po­lí­ti­ca e ou­tros te­mas apa­re­cem no li­vro que tem so­ta­que e não ne­ga su­as ori­gens. Além do hu­mor, o la­do so­ci­al tam­bém apa­re­ce nas crônicas de Fran­ci­el que “é uma fi­gu­ra úni­ca na Bahia”, se­gun­do o jor­na­lis­ta e cu­ra­dor da Fli­ca, Tom Correia, 48, res­pon­sá­vel pe­la edi­ção de In­gre­sia.

“As crônicas de­le me re­me­tem mui­to a uma mis­tu­ra psi­co­dé­li­ca de gran­des fi­gu­ras da Bahia: Wally Sa­lo­mão, Cuí­ca de San­to Ama­ro, Ar­man­do Oli­vei­ra, que é re­fe­rên­cia do fu­te­bol, Al­ber­ga­ria, An­dré Se­ta­ro... Fran­ci­el reú­ne o me­lhor do que es­sas fi­gu­ras re­pre­sen­tam”, elo­gia Tom. “As crônicas têm um viés de hu­mor, mas de aná­li­se crí­ti­ca do so­ci­al, da po­lí­ti­ca. É um mo­men­to que co­roa quem ele é”, com­ple­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.