No­va con­tro­la­do­ra não pa­ga alu­guéis

Correio da Bahia - - Mais -

Mas qual a si­tu­a­ção da re­de de far­má­ci­as atu­al­men­te? Di­e­go Mon­te­ne­gro, ad­vo­ga­do es­pe­ci­a­lis­ta em re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al, ex­pli­ca, ten­do co­mo ba­se o pla­no de re­cu­pe­ra­ção apre­sen­ta­do no dia 28 de abril à 2ª Va­ra de Fa­lên­cia e Re­cu­pe­ra­ções Ju­di­ci­ais. A dí­vi­da tra­ba­lhis­ta da Bra­zil Phar­ma, sua con­tro­la­do­ra, já atin­giu a ci­fra de R$ 30,6 mi­lhões. Já com os 29 imó­veis do qual se de­cla­ra­va do­na, a Bra­zil Phar­ma diz que “não tem pa­go os alu­guéis”.

Na Ave­ni­da Se­te, en­con­tra­mos um dos ami­gos pró­xi­mos da fa­mí­lia Sant’Ana. Tran­qui­lo, in­ter­rom­pe a ida pa­ra uma par­ti­da de do­mi­nó com os ami­gos pa­ra nos ex­pli­car o pro­vá­vel des­ti­no dos imó­veis que, du­ran­te anos, fo­ram se­des da Sant’Ana. A fa­mí­lia, in­clu­si­ve, é do­na da mai­o­ria de­les. “Eu não con­si­go men­su­rar quan­tos são es­pa­ços pró­pri­os da fa­mí­lia. Mas es­se mes­mo, da Pi­e­da­de, é da fa­mí­lia. De­pois de fe­char, eles de­vem co­lo­car pa­ra alu­gar. E, por ser no cen­tro, de­ve alu­gar rá­pi­do”. A três quilô­me­tros da­li, na Gra­ça, uma pla­ca de ‘Alu­ga-se’ já foi fi­xa­da à por­ta da an­ti­ga far­má­cia, há tem­pos fe­cha­da.

O des­ti­no fi­nal da Sant’Ana é in­com­pre­en­di­do até por ele, des­de o iní­cio es­pec­ta­dor pró­xi­mo da história da re­de. “A gen­te só po­de con­cluir que foi al­gum er­ro de ges­tão. Quan­do era da fa­mí­lia, vía­mos a di­fe­ren­ça. A Bra­zil Phar­ma não pa­re­ce ter en­ten­di­do co­mo fun­ci­o­na a ad­mi­nis­tra­ção de far­má­cia”, opi­na.

Na fa­mí­lia, pa­re­ce ser um as­sun­to pou­co men­ci­o­na­do. “Tem tan­tos ou­tros ne­gó­ci­os fa­mi­li­a­res que es­tão em cri­se e nin­guém fa­la na­da. Não so­mos mais donos da Sant’Ana, não te­mos mui­to o que fa­lar”, res­pon­deu um pa­ren­te, sob ano­ni­ma­to.

A úni­ca pre­o­cu­pa­ção de Ze­zi­nho, re­la­tou um dos seus fi­lhos, é que to­dos os fun­ci­o­ná­ri­os de­mi­ti­dos se­jam pa­gos. Um dos co­nhe­ci­dos brin­ca: “Seu Jo­sé pas­sa­va por aqui tão cheio de si. A vi­da vai e re­ser­va is­so”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.