Olho se­co: sai­ba por que es­ta­mos pis­can­do me­nos

Correio da Bahia - - Mais - Thais Bor­ges

O pri­mei­ro sin­to­ma veio há dois anos: olhos res­se­ca­dos. O em­pre­sá­rio e cor­re­tor de se­gu­ros Marcelo Ma­tos, 46 anos, tra­ba­lha di­a­ri­a­men­te com o ce­lu­lar e o com­pu­ta­dor – fo­ra o uso nas ho­ras li­vres. “Eu fi­co com ce­lu­lar o dia to­do e, se­gun­do meu of­tal­mo­lo­gis­ta, eu pis­co mui­to pou­co. Is­so di­fi­cul­ta a lu­bri­fi­ca­ção e sin­to es­se ar­dor”, ex­pli­ca. O pri­mei­ro di­ag­nós­ti­co foi há dois anos. De lá pa­ra cá, pas­sou a usar um co­lí­rio lu­bri­fi­can­te qua­tro ve­zes ao dia.

Na semana pas­sa­da, vol­tou a se con­sul­tar com o of­tal­mo­lo­gis­ta e a pres­cri­ção do me­di­ca­men­to con­ti­nu­ou. "Quan­do eu uti­li­zo, não sin­to na­da. Mas se eu es­que­cer, os olhos ar­dem bas­tan­te”. Marcelo não es­tá so­zi­nho – a si­tu­a­ção é mui­to fre­quen­te, de­vi­do ao au­men­to do uso de dis­po­si­ti­vos ele­trô­ni­cos. Uma pes­qui­sa da John­son & John­son Vi­si­on re­ve­lou que es­se uso tem fei­to com que as pes­so­as che­guem a pis­car cin­co ve­zes me­nos.

“O que acon­te­ce é que, quan­do vo­cê es­tá fo­ca­do em qual­quer ma­té­ria, vo­cê aca­ba pis­can­do me­nos. Vo­cê não lu­bri­fi­ca o olho e co­me­ça a ter um des­con­for­to, a ar­der. Mui­ta gen­te tem fa­la­do que che­ga um mo­men­to que em­ba­ça”, ex­pli­ca a of­tal­mo­lo­gis­ta Ta­ti­a­na Sou­to, da John­son & John­son Vi­si­on.

Em­bo­ra se­ja in­vo­lun­tá­rio, pis­car é essencial pa­ra que as

O ide­al é man­ter uma dis­tân­cia mí­ni­ma de 30 cen­tí­me­tros en­tre os olhos e a te­la de dis­po­si­ti­vos ele­trô­ni­cos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.