PRIN­CI­PAIS GAR­GA­LOS DO AGRO­NE­GÓ­CIO BAI­A­NO

Correio da Bahia - - Mais -

ci­a­men­to de má­qui­nas.

Ou­tro des­ta­que foi o cres­ci­men­to das ven­das dos pro­du­tos de ener­gia re­no­vá­vel. For­ne­ce­dor de pla­cas so­la­res, o em­pre­sá­rio Antô­nio Alves Be­zer­ra, atin­giu a mar­ca dos 2 mi­lhões ven­di­dos em três di­as de co­mer­ci­a­li­za­ção. “A gen­te do­brou a nossa me­ta ini­ci­al", dis­se.

A mai­or ofer­ta de pro­du­tos com ma­tri­zes em fon­tes re­no­vá­veis não foi por aca­so. Nes­ta edi­ção a Bahia Farm con­so­li­dou os con­cei­tos de pro­du­ção agro­pe­cuá­ria sus­ten­tá­vel e pre­ser­va­ção am­bi­en­tal. Ade­mais, es­ta é uma das saí­das apon­ta­das pe­los es­pe­ci­a­lis­tas pa­ra os fre­quen­tes pro­ble­mas de for­ne­ci­men­to de ener­gia elé­tri­ca da re­gião.

A fei­ra man­te­ve ace­sa as dis­cus­sões so­bre os de­sa­fi­os dos agri­cul­to­res do Oes­te. Du­ran­te cin­co di­as fo­ram re­a­li­za­das pa­les­tras e se­mi­ná­ri­os so­bre te­mas va­ri­a­dos, o que con­tri­bui pa­ra que a Bahia Farm Show se fir­me como es­pa­ço aber­to pa­ra a bus­ca de so­lu­ções dos prin­ci­pais di­le­mas que atin­gem a úl­ti­ma fron­tei­ra agrí­co­la do Bra­sil. Con­tu­do, tão im­por­tan­te quan­to dis­cu­tir es­tes as­sun­tos, se faz ur­gen­te en­con­trar so­lu­ções pa­ra os obs­tá­cu­los re­cor­ren­tes que ain­da exis­tem na re­gião.

Os agri­cul­to­res rei­vin­di­cam dos po­de­res pú­bli­cos mais efi­ci­ên­cia e ini­ci­a­ti­va pa­ra re­sol­ver an­ti­gos en­tra­ves. O Pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção de Agri­cul­to­res e Ir­ri­gan­tes do Oes­te da Bahia (Ai­ba), Ce­les­ti­no Za­nel­la, co­bra mais ações dos go­ver­nos fe­de­ral, es­ta­du­al e mu­ni­ci­pal. “Já avan­ça­ram, mas um pon­to que nós pre­ci­sa­mos con­ver­sar, e nós es­ta­mos tra­ba­lhan­do em con­jun­to, é a ques­tão dos por­tos e lo­gís­ti­ca. Os go­ver­nos têm que se ajus­tar qu­an­do o as­sun­to é efi­ci­ên­cia de cus­tos”.

Za­nel­la de­fen­de que ações pon­tu­ais po­dem fa­zer gran­des efei­tos. Um dos pon­tos se­ria a cri­a­ção de uma ter­cei­ra pis­ta na BR-242 na al­tu­ra de Bar­rei­ras. “Não tem ca­bi­men­to os ca­mi­nhões se­rem for­ça­dos a tra­fe­gar a qua­se 10 km por ho­ra. A ou­tra é con­ven­cer o Por­to de Sal­va­dor a co­lo­car mais um píer de atra­ca­ção, e ao mes­mo tem­po me­lho­rar o Por­to de Ser­gi­pe, pa­ra que pos­sa­mos fa­zer par­te do es­co­a­men­to lá. É só uma ques­tão de pla­ne­ja­men­to e de ajus­te”.

Já o vi­ce-pre­si­den­te da mes­ma en­ti­da­de, Luiz Pra­del­la, apon­ta as di­fi­cul­da­des com o for­ne­ci­men­to de ener­gia elé­tri­ca, es­tra­das e co­mu­ni­ca­ções. “Nós te­mos um tri­pé de ne­ces­si­da­des e de me­lho­ria. Sem es­tra­das a gen­te não che­ga, sem co­mu­ni­ca­ção a gen­te não fa­la com os cli­en­tes, e sem ener­gia nós não te­mos agroin­dús­tri­as pro­du­ti­vas”, fa­la. " O se­tor pro­du­ti­vo tem pa­go mui­to ca­ro por con­ta das fis­ca­li­za­ções abu­si­vas, por­que tem mui­ta coi­sa cor­re­ta sen­do fei­ta e que não es­tá sen­do le­va­da em con­si­de­ra­ção. As­sim como tem mui­ta coi­sa sen­do co­bra­da pe­la União sem dar o mí­ni­mo de con­di­ção do em­pre­en­de­dor exe­cu­tar”.

O vi­ce-pre­si­den­te da Ai­ba ci­ta o exem­plo da exi­gên­cia da no­ta fis­cal eletrônica. “Eles es­tão exi­gin­do a no­ta fis­cal eletrônica. Mas nós não te­mos es­ta in­ter­net nes­ta ve­lo­ci­da­de. Como tam­bém não te­mos ener­gia de qua­li­da­de pa­ra su­por­tar es­ta in­ter­net. En­tão es­tá meio des­com­pas­sa­do is­so”.

Es­tra­das A in­fra­es­tru­tu­ra pú­bli­ca não con­se­guiu an­dar na ve­lo­ci­da­de que o se­tor pri­va­do avan­çou. A re­gião ain­da tem mais de 7 mil quilô­me­tros de es­tra­das sem as­fal­to. São es­tra­das vi­ci­nais que in­ter­li­gam as pro­pri­e­da­des ru­rais às prin­ci­pais ro­do­vi­as de es­co­a­men­to da pro­du­ção agrí­co­la. Nos úl­ti­mos anos, os pró­pri­os pro­du­to­res ru­rais, in­te­gran­tes da Ai­ba, as­fal­ta­ram as es­tra­das. “Te­mos que man­ter as es­tra­das tra­fe­gá­veis e al­gu­mas ain­da va­mos as­fal­tar. Mui­tas fo­ram pa­vi­men­ta­das atra­vés do sis­te­ma de par­ce­ria en­tre pro­du­to­res, pre­fei­tu­ras ou atra­vés de pro­gra­mas pú­bli­cos de de­sen­vol­vi­men­to, como o Pro­de­a­gro”, diz Jú­lio Bu­sa­to, pre­si­den­te da Aba­pa.

Ener­gia Mais de 40 anos de­pois do ini­ci­a­dos os pro­je­tos de in­ten­si­fi­ca­ção do po­vo­a­men­to do cer­ra­do, as li­nhas de trans­mis­são de ener­gia elé­tri­ca con­ti­nu­am in­su­fi­ci­en­tes pa­ra aten­der a de­man­da. As os­ci­la­ções fre­quen­tes de tensão pre­ju­di­cam os mo­ra­do­res e a pro­du­ção agroin­dus­tri­al. Atu­al­men­te as li­nhas de trans­mis­são que abas­te­cem a re­gião pas­sam por Bom Je­sus da La­pa e es­tão so­bre­car­re­ga­das. A obra da ou­tra li­nha que es­ta­va sen­do cons­truí­da es­tá pa­ra­da. É a Li­nha de Trans­mis­são Be­lo Mon­te - Nor­des­te, que es­tá com a cons­tru­ção pa­ra­li­sa­da des­de que a em­pre­sa que ven­ceu a li­ci­ta­ção, a Aben­goa, te­ve a con­ces­são re­vo­ga­da por mo­ti­vo de fa­lên­cia.

Trans­por­te de car­gas

Com as obras fer­ro­viá­ri­as tam­bém pa­ra­das, o prin­ci­pal sis­te­ma de es­co­a­men­to da pro­du­ção con­ti­nua sen­do o ro­do­viá­rio, mais ca­ro e mais de­mo­ra­do de­vi­do às lon­gas dis­tân­ci­as até os por­tos. 55% da so­ja pro­du­zi­da no Oes­te da Bahia são ex­por­ta­das e es­co­a­das pelo Por­to de Co­te­gi­pe, em Sal­va­dor, que fi­ca a mais de 950 quilô­me­tros de dis­tân­cia de Luís Edu­ar­do Ma­ga­lhães. Os ou­tros 45% da pro­du­ção da ole­a­gi­no­sa fi­ca no mer­ca­do in­ter­no, e tam­bém são es­co­a­das atra­vés das es­tra­das. O mes­mo ocor­re com o al­go­dão: mais de 98% da fi­bra ain­da são es­co­a­das pelo Por­to de San­tos, dis­tan­te mais de

1.600 quilô­me­tros. São fa­to­res que en­ca­rem o fre­te e tor­nam a pro­du­ção bai­a­na me­nos com­pe­ti­ti­va que ou­tras no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal de grãos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.