POSTS PSICANALÍTICOS

Correio da Bahia - - Vida -

gun­do o Ox­ford - que ele­geu o ter­mo como a “pa­la­vra do ano” em 2013, qu­an­do o uso cres­ceu 17.000% - sel­fie é uma fo­to que al­guém ti­ra de si mes­mo, ge­ral­men­te com um ce­lu­lar ou web­cam, e pos­ta em uma re­de social. Por is­so, qu­em ti­ra uma fo­to com câ­me­ra fron­tal e não com­par­ti­lha, não es­tá fa­zen­do uma sel­fie. Se não é você qu­em ti­ra a fo­to de si mes­mo, tam­bém não é. #fi­ca­a­di­ca.

“Sel­fi­es são ima­gens de si con­ver­sa­ci­o­nais, ou se­ja, pau­ta­das pe­la in­te­ra­ção. Não se re­su­mem à prá­ti­ca de le­van­tar a câ­me­ra pa­ra ci­ma, aci­o­nar a câ­me­ra fron­tal e cli­car”, ex­pli­ca Pas­tor.

O bo­om das sel­fi­es es­tá li­ga­do à po­pu­la­ri­za­ção das câ­me­ras fron­tais e das re­des so­ci­ais, mas o que le­va uma pes­soa a fa­zê-las? Pa­ra Fla­via Aze­ve­do, 44, co­lu­nis­ta do COR­REIO, o mo­ti­vo é um só: de­tes­ta ser fo­to­gra­fa­da por ou­tra pes­soa. “A so­lu­ção que en­con­trei pa­ra a co­lu­na, pa­ra ter uma fo­to que não me in­co­mo­das­se, foi es­sa de eu mes­ma me fo­to­gra­far. Toda vez que al­guém pe­de uma fo­to mi­nha, eu pre­fi­ro man­dar uma sel­fie, por­que eu fa­ço do meu jei­to”, des­com­pli­ca.

Ou­tra que apos­ta na pra­ti­ci­da­de da sel­fie é a es­cri­to­ra e pro­fes­so­ra da Uf­ba Lí­via Na­tá­lia, 39. ”Eu vi­a­jo mui­to so­zi­nha e nem sem­pre tem al­guém pa­ra ti­rar uma fo­to. Tam­bém gos­to de ti­rar sel­fi­es qu­an­do eu es­tou com uma rou­pa bo­ni­ta, com um ba­tom di­fe­ren­te, na aca­de­mia”, elen­ca, ao as­su­mir que são pelo me­nos du­as por dia.

De ou­tra ge­ra­ção, a es­tu­dan­te Ju­lia Maia, 15, ad­mi­te fa­zer mui­tas sel­fi­es, mas a mai­o­ria não vai pa­ra o fe­ed de su­as re­des so­ci­ais e sim pa­ra men­sa­gens diretas ou gru­pos de Whatsapp com ami­gos. “Ti­ro mais pa­ra mos­trar re­a­ções mi­nhas ao as­sun­to que a gen­te es­tá fa­lan­do na ho­ra, fun­ci­o­na ti­po um me­me pa­ra as si­tu­a­ções”, di­fe­ren­cia.

Se os mo­ti­vos pa­ra ti­rar sel­fi­es são di­ver­sos, os pa­ra não ti­rar tam­bém são. “Eu gos­to de fo­to que de al­gu­ma for­ma pas­se in­for­ma­ção, por mais sim­ples que se­ja. Não ve­jo is­so em sel­fi­es, é qua­se sem­pre um ros­to e na­da mais”, des­ta­ca o téc­ni­co em me­ca­trô­ni­ca Di­e­go Mo­rais, 29. Ape­sar des­sa im­pres­são, ele tem al­gu­mas sel­fi­es no fe­ed - a mai­o­ria fei­ta em vi­a­gens ou com gru­pos de ami­gos. “Qu­an­do se tra­ta de al­gum lu­gar di­fe­ren­te do ha­bi­tu­al eu não ve­jo pro­ble­ma”, com­ple­men­ta.

Pa­ra o ban­cá­rio Luiz Fer­nan­do San­tos, 29, sel­fie (e qual­quer ou­tra fo­to em re­de social) é sinô­ni­mo de ex­po­si­ção. “Eu não gos­to de di­zer on­de eu es­tou, o que es­tou fa­zen­do. Não te­nho mui­to o que mos­trar e uso as re­des so­ci­ais mais pa­ra acom­pa­nhar al­guns ami­gos, pa­ra sa­ber do que as pes­so­as es­tão fa­lan­do”, diz.

Pa­ra Le­o­nar­do Pas­tor, es­ses di­fe­ren­tes re­la­tos com­pro­vam que a sel­fie é uma prá­ti­ca que acon­te­ce de di­fe­ren­tes for­mas e tem mui­to a ver com cada pes­soa. “É bom evi­tar o olhar pré­vio que con­si­de­ra o sel­fie como uma prá­ti­ca nar­ci­sis­ta, por exem­plo. Não que ela não pos­sa vir a ser uma prá­ti­ca nar­cis­ta, mas ela não po­de ser en­ca­ra­da a pri­o­ri as­sim”, ar­re­ma­ta.

O psi­ca­na­lis­ta Marcelo Ve­ras des­ta­ca que na es­tei­ra da dis­cus­são so­bre sel­fie, vem a da que­bra da in­ti­mi­da­de. “Cada vez me­nos, te­mos es­pa­ços de in­ti­mi­da­de, que hoje ur­ge pa­ra ser ex­pos­ta”, con­si­de­ra. Pa­ra ele, a ex­plo­são de sel­fi­es ain­da ex­põe ou­tras du­as fra­tu­ras dos nos­sos tem­pos: o nar­ci­sis­mo e o de­se­jo de apro­va­ção.

“As pes­so­as não es­tão tão se­gu­ras da­qui­lo que de­se­jam, elas pre­ci­sam da con­fir­ma­ção do olhar do ou­tro, pa­ra ter cer­te­za da­qui­lo que elas de­se­jam”, com­ple­men­ta e pro­põe um exer­cí­cio: “Vá na ga­le­ria do seu ce­lu­lar e ve­ja quan­tos re­gis­tros de si es­tão lá?!”. Pa­ra ele, ela con­cen­tra um enor­me li­xo ima­gé­ti­co do qual as pes­so­as não con­se­guem se des­fa­zer pe­la an­gús­tia da fal­ta da cer­te­za de si.

A fal­ta de no­ção na ho­ra de ti­rar sel­fi­es tem di­ver­ti­do, ir­ri­ta­do e pre­o­cu­pa­do mui­ta gen­te. Em 2015, go­ver­nos co­me­ça­ram a aler­tar pa­ra os ri­cos das sel­fi­es após vá­ri­as mor­tes trá­gi­cas em lu­ga­res ex­tre­ma­men­te bo­ni­tos e pe­ri­go­sos. Mas an­tes de ser um pro­ble­ma da sel­fie, es­ses aci­den­tes têm mes­mo mais a ver com o de­se­jo con­tem­po­râ­neo de ex­po­si­ção a to­do cus­to. “Você aca­ba fi­can­do adic­to, não con­se­gue mais dei­xar de fo­to­gra­far”, aler­ta Ve­ras. O ca­mi­nho pa­ra o equi­lí­brio é pensar so­bre o que se quer com aque­la fo­to em vez de re­pe­tir um com­por­ta­men­to de ma­nei­ra me­câ­ni­ca.

Li­vro Sel­fie, Lo­go Exis­to, li­vro

Au­tor Marcelo Ve­ras

Edi­to­ra Cor­ru­pio

Pre­ço R$ 55 ( 285 pá­gi­nas)

Lan­ça­men­to Quin­ta, das 19h às 23h, na To­pos Co., Rua Ilhéus, 214 - Rio Ver­me­lho “Não se tra­ta de uma noi­te de au­tó­gra­fos, mas uma noi­te de sel­fi­es com li­vros ao la­do”. A afir­ma­ção do psi­ca­na­lis­ta Marcelo Ve­ras po­de so­ar en­gra­ça­da, mas não pas­sa de uma ab­so­lu­ta ver­da­de con­tem­po­râ­nea. Qu­em qui­ser com­pro­var is­so, po­de ir ao lan­ça­men­to do li­vro Sel­fie, Lo­go Exis­to - Posts Psicanalíticos Ba­se­a­dos em Fa­tos Re­ais, que acon­te­ce nes­ta quin­ta, às 19h, na Tro­pos Co., no Rio Ver­me­lho.

É nes­se tom le­ve e bem-hu­mo­ra­do que ele cons­trói boa par­te dos tex­tos da sua mais no­va pu­bli­ca­ção, lan­ça­da pe­la Edi­to­ra Cor­ru­pio.

Ape­sar do tí­tu­lo, o li­vro não se res­trin­ge à aná­li­se das re­la­ções que nu­tri­mos con­tem­po­ra­ne­a­men­te com a sel­fie. Ne­le, Marcelo Ve­ras lan­ça um olhar mais de­mo­ra­do pa­ra as re­la­ções hu­ma­nas na con­tem­po­ra­nei­da­de, com a in­fluên­cia das re­des so­ci­ais e as ca­rac­te­rís­ti­cas das no­vas ge­ra­ções que nas­ce­ram to­tal­men­te imer­sas no mun­do das fer­ra­men­tas di­gi­tais.

As­sim, o psi­ca­na­lis­ta apre­sen­ta as prin­ci­pais trans­for­ma­ções so­ci­ais dos úl­ti­mos anos e apon­ta a sel­fie como ele­men­to de des­ta­que des­sa no­va re­la­ção en­tre tecnologia e cor­po. “No mun­do atu­al, sem­pre que pre­ci­sar de al­guém pa­ra olhar pa­ra você, você o en­con­tra­rá no fi­nal de seus bra­ços”, re­fle­te.

Ao fri­sar que não se con­si­de­ra o “nos­tál­gi­co do lam­pião a gás” - pro­va dis­so é que faz sel­fie o tem­po in­tei­ro -, Ve­ras afir­ma que a pu­bli­ca­ção do li­vro só foi pos­sí­vel por­que ele atra­ves­sou uma cer­ta ver­go­nha em re­la­ção ao pró­prio nar­cis­mo. “Os tex­tos que mais atin­gia e to­ca­va as pes­so­as eram os tex­tos que me da­vam um pou­qui­nho de ver­go­nha, um cer­to des­con­for­to com es­sa bar­rei­ra da in­ti­mi­da­de, da ex­po­si­ção”, des­ta­ca.

O li­vro con­ta com fo­to­gra­fi­as em pre­to e bran­co, cap­tu­ra­das pelo pró­prio au­tor, de per­so­na­gens que fazem par­te do ce­ná­rio cos­mo­po­li­ta. “O fo­to­gra­far é di­fe­ren­te de um sim­ples re­gis­trar da ima­gem. Qu­an­do você pen­sa em fo­to­gra­fia, você pen­sa em en­qua­dra­men­to, em es­co­lhas”, diz Marcelo. Uma pro­vo­ca­ção, tan­to no seu con­teú­do es­cri­to quan­to vi­su­al.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.