Ge­o­fí­si­co ava­lia: len­çol freá­ti­co ou fa­lha

Correio da Bahia - - Mais -

Se a cra­te­ra que abriu no meio da ma­ta na co­mu­ni­da­de de Ma­ta­ran­di­ba, em Vera Cruz, é um fenô­me­no na­tu­ral ou ação do ho­mem, ain­da é ce­do pa­ra di­zer. De acor­do com Mar­co Antô­nio Bo­te­lho, ge­o­fí­si­co e pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral da Bahia (Uf­ba), é pre­ci­so fa­zer um es­tu­do da cra­te­ra e da área em que ela es­tá in­se­ri­da.

O que se po­de afir­mar, no mo­men­to, é que o que vem in­tri­gan­do a po­pu­la­ção aten­de pe­lo no­me de sinkho­le - em tra­du­ção li­vre, “bu­ra­co que afun­da”, uma es­pé­cie de “es­tres­se” no so­lo que sur­ge quan­do há uma fa­lha no ter­re­no. Nes­se ca­so, a ori­gem da fa­lha ain­da é des­co­nhe­ci­da.

Mas o pro­fes­sor apon­ta du­as hi­pó­te­ses pa­ra o se­di­men­to da ter­ra: a pri­mei­ra é que ali já exis­tia um flu­xo de água sub­ter­râ­neo, len­çóis freá­ti­cos que, ao lon­go dos anos, fo­ram ca­pa­zes de le­var os se­di­men­tos exis­ten­tes.

“O flu­xo dos len­çóis freá­ti­cos fa­ci­li­ta a pas­sa­gem de flui­dos. En­tão, is­so, ao lon­go dos anos, dé­ca­das, po­de ter si­do ca­paz de es­ca­var uma ca­ver­na na rocha are­ní­ti­ca”, ex­pli­ca Bo­te­lho, que foi on­tem ao lo­cal.

A ou­tra hi­pó­te­se é que ali já exis­tia uma fa­lha na­tu­ral que po­de ter si­do acen­tu­a­da de­vi­do à ex­plo­ra­ção da em­pre­sa no es­pa­ço. No en­tan­to, ele lem­bra que as per­fu­ra­ções são sub­ter­râ­ne­as e acon­te­cem a mais de mil me­tros da su­per­fí­cie. Nun­ca an­tes na his­tó­ria, afir­ma ele, uma fen­da sur­giu na su­per­fí­cie de­vi­do à uti­li­za­ção do so­lo por em­pre­sas.

“Es­sa fa­lha po­de ter fa­ci­li­ta­do a per­co­la­ção de água (pas­sa­gem de água pe­lo so­lo e ro­chas) nes­sa es­ca­va­ção. His­to­ri­ca­men­te, nun­ca acon­te­ceu al­go de co­lap­so que veio a re­fle­tir na su­per­fí­cie”, as­se­gu­ra o ge­o­fí­si­co.

Se­gun­do representantes da Dow, al­guns pro­ce­di­men­tos vão ser fei­tos nos pró­xi­mos di­as pa­ra ana­li­sar as causas do sur­gi­men­to do bu­ra­co. São pro­ce­di­men­tos ime­di­a­tos de mo­ni­to­ra­men­to fei­tos por sa­té­li­tes que cap­tu­ram ima­gens da atu­al si­tu­a­ção do so­lo pa­ra com­pa­rá-las com ima­gens de um ano atrás. “Pa­ra que a gen­te te­nha cer­te­za de que não hou­ve ne­nhu­ma va­ri­a­ção re­cen­te”, ex­pli­ca Mar­ce­lo Bra­ga, di­re­tor de ma­nu­ten­ção e ope­ra­ção da Dow Quí­mi­ca na Bahia.

Um es­tu­do ge­o­me­câ­ni­co de­ve ser fei­to em pa­ra­le­lo à cap­tu­ra das ima­gens pa­ra sa­ber qu­al a pro­ba­bi­li­da­de de ter exis­ti­do fa­lhas no ter­re­no. Além dis­so, tam­bém de­vem ser im­plan­ta­dos em to­da a ilha sen­so­res mi­cros­sís­mi­cos pa­ra es­cu­tar even­tu­ais aba­los de so­lo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.