24h

Correio da Bahia - - Front Page - TAILANE MU­NIZ

Se a intenção da re­for­ma era fa­zer bri­lhar os olhos dos fiéis no primeiro con­ta­to com a no­va Ca­te­dral Basílica de Sal­va­dor, deu cer­to. No fi­nal da tar­de de on­tem, du­ran­te a rei­nau­gu­ra­ção do tem­plo, não era di­fí­cil fla­grar pes­so­as, entre jo­vens, cri­an­ças e ido­sos, ob­ser­van­do aten­ta­men­te cada de­ta­lhe da es­tru­tu­ra ba­nha­da a ouro.

A re­for­ma, pre­vis­ta pa­ra du­rar 18 me­ses, le­vou 44. O re­sul­ta­do, no en­tan­to, foi apro­va­do pe­los fiéis que, em pe­so, lo­ta­ram a igre­ja pa­ra as­sis­tir à rei­nau­gu­ra­ção, ce­le­bra­da pe­lo ar­ce­bis­po de Sal­va­dor e pri­maz do Bra­sil, dom Mu­ri­lo Krieger.

Foi há exa­ta­men­te três anos e oi­to me­ses que a pro­fes­so­ra Mar­ta Cos­ta, 47 anos, es­te­ve lá pe­la úl­ti­ma vez, na úl­ti­ma mis­sa. “É exa­ta­men­te o tem­po que eu ti­nha sem en­trar em ne­nhum ou­tro tem­plo. Por­que es­sa é uma igre­ja es­pe­ci­al pa­ra mim, foi aqui que eu ca­sei”, con­tou.

“Bo­ni­ta es­tá ain­da mais, mas pa­ra além da be­le­za, nós temos que en­ten­der que o mais im­por­tan­te é a se­gu­ran­ça da es­tru­tu­ra, daí o sen­ti­do do res­tau­ro, que ago­ra tem que ser pre­ser­va­do por nós, e pe­lo Es­ta­do”, de­fen­deu.

E dom Mu­ri­lo con­cor­da. Se­gun­do o ar­ce­bis­po, an­tes de ser um pa­trimô­nio da Igre­ja Católica, a Ca­te­dral Basílica é uma igre­ja da hu­ma­ni­da­de. “Todo mun­do que vi­er aqui vai ter o co­ra­ção ele­va­do a Deus. É um en­con­tro com a ar­te. Uma obra be­lís­si­ma, fei­ta por nos­sos an­te­pas­sa­dos e que só vem pa­ra so­mar mais paz e mais amor”, dis­se.

Con­for­me a pre­si­den­te do o Ins­ti­tu­to do Pa­trimô­nio His­tó­ri­co e Ar­tís­ti­co Na­ci­o­nal (Iphan), Kátia Bo­géa, o fa­to de Sal­va­dor os­ten­tar o tí­tu­lo de Pa­trimô­nio Mun­di­al já re­quer um com­pro­mis­so de pre­ser­va­ção, con­ser­va­ção e res­tau­ra­ção de bens co­mo a ca­te­dral.

Pre­sen­te na ce­rimô­nia, o mi­nis­tro da Cul­tu­ra, Sér­gio Sá Lei­tão, dis­se que a re­for­ma ter­mi­nou em sa­tis­fa­ção pa­ra to­dos: “Eu, pes­so­al­men­te, me sinto mui­to fe­liz de pôr os pés aqui. É co­mo se es­ti­vés­se­mos en­tran­do nu­ma má­qui­na do tem­po e re­tor­nan­do ao sé­cu­lo XVII”.

Os olhos do apo­sen­ta­do Ma­no­el Negreiros, 72, não dis­far­ça­ram a emo­ção de en­xer­gar as 50 mil fo­lhas de ouro que res­plan­de­cem a igre­ja. “Eu fre­quen­to is­so aqui des­de garoto. Meu avós, meus pais, eu, meus fi­lhos e, ama­nhã, meus ne­tos. Eu fiz ques­tão de vir pa­ra a aber­tu­ra pe­la re­fe­rên­cia que a ca­te­dral sig­ni­fi­ca pa­ra mim e mi­nha fa­mí­lia”, dis­se.

Por fa­lar em fa­mí­lia, o prefeito ACM Ne­to, pre­sen­te na ce­rimô­nia, afir­mou que tem uma re­la­ção fa­mi­li­ar com a igre­ja. “Meu sen­ti­men­to, co­mo cris­tão, é de fe­li­ci­da­de. Eu ti­ve a opor­tu­ni­da­de de ser ba­ti­za­do aqui. Já adul­to, foi aqui na Ca­te­dral Basílica que eu re­sol­vi ca­sar, um mo­men­to mui­to im­por­tan­te em mi­nha vi­da”, dis­se.

Já no fi­nal da ce­rimô­nia, as aten­ções se vol­ta­ram pa­ra o al­tar-mor - es­con­di­do por uma cor­ti­na nos úl­ti­mos anos. Du­as por­tas de ma­dei­ra se abri­ram, mos­tran­do-o. O atrativo foi anun­ci­a­do por dom Mu­ri­lo, que pe­diu que os fiéis fi­cas­sem de pé.

“Quan­do cheguei, a pri­mei­ra coi­sa que re­pa­rei foi a au­sên­cia de Cris­to. En­tão foi um mo­men­to mui­to emo­ci­o­nan­te, ver as por­tas abrin­do e Cris­to apa­re­cen­do ali no al­to, lin­do”, dis­se a apo­sen­ta­da Gra­ça Ramos, 59.

Ela le­vou pa­ra a inauguração a ne­ta Sofie, 13. “Eu nun­ca vi na­da as­sim, é cheio de ouro por to­dos os la­dos. Gos­tei mui­to de co­nhe­cer e que­ro que mi­nha avó me tra­ga ou­tras ve­zes”, dis­se.

A pri­mei­ra mis­sa na ca­te­dral se­rá na quar­ta, pe­lo ani­ver­sá­rio de 75 anos de dom Mu­ri­lo. De­pois, o tem­plo se­rá aber­to à vi­si­ta­ção.

Prefeito ACM Ne­to, ar­ce­bis­po dom Mu­ri­lo Krieger e mi­nis­tro da Cul­tu­ra, Sér­gio Sá Lei­tão, foram à aber­tu­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.