Di­re­tor do Ine­ma diz que si­tu­a­ção é ‘cor­ri­quei­ra’

Correio da Bahia - - Mais -

O di­re­tor de Águas do Ins­ti­tu­to Es­ta­du­al do Meio Am­bi­en­te e Re­cur­sos Hídricos (Ine­ma), en­ge­nhei­ro Edu­ar­do To­pá­zio, dis­se que o que acontece em Ca­cha Pre­gos não é ne­nhum fenômeno e, sim, uma si­tu­a­ção cor­ri­quei­ra. “É mui­to co­mum is­to ocor­rer em al­gu­mas áre­as cos­tei­ras, em épocas de ma­rés al­tas e ele­va­das, ou ma­ré de lua cheia e de lua no­va, ou en­tra­da de fren­tes fri­as. Quan­do uma mas­sa de água vem com mais for­ça em direção às cos­tas ge­ra on­das e acontece es­sa so­bre­po­si­ção de fenô­me­nos me­te­o­ro­ló­gi­cos, ou se­ja, a re­la­ção da at­mos­fe­ra com o mar”, co­men­tou ele.

Se­gun­do To­pá­zio, is­so já acon­te­ceu ou­tras ve­zes, no pas­sa­do, “e vai acon­te­cer sem­pre por­que é, pos­si­vel­men­te, uma área não edificada”. “Não se ocu­pa uma praia ten­do só co­mo re­fe­rên­cia a lua cheia ou no­va. É pre­ci­so um es­tu­do. O que se apren­de com is­so é que não se po­de ocu­par uma área cos­tei­ra des­sa for­ma”, ad­ver­tiu. To­pá­zio co­men­tou as al­ter­na­ti­vas da­das por uma em­pre­sa con­tra­ta­da por um co­mer­ci­an­te pa­ra so­lu­ção do pro­ble­ma. “De to­das, a mais in­di­ca­da é a en­gor­da de praia, por ser um pro­ces­so mais na­tu­ral. Mas to­das as op­ções pre­ci­sam do es­tu­do”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.