Pão per­fei­to da Vo­vó

Pal­mi­ri­nha en­si­na co­mo es­co­lher e usar os in­gre­di­en­tes cer­tos no pre­pa­ro de pães e ros­cas sa­bo­ro­sos

Cozinha da Vovó Palmirinha - - ÍNDICE -

Pa­ra as mas­sas de pães e ros­cas fi­ca­rem fo­fi­nhas e gos­to­sas, o cui­da­do de­ve co­me­çar na es­co­lha dos in­gre­di­en­tes. Ca­da item tem sua fun­ção no pre­pa­ro des­sas de­lí­ci­as. É im­por­tan­te sa­ber co­mo os pro­du­tos agem du­ran­te a má­gi­ca que é a mis­tu­ra de in­gre­di­en­tes e o cres­ci­men­to da mas­sa. Apren­da com a Vo­vó Pal­mi­ri­nha:

Fer­men­to

Pa­ra o pre­pa­ro de pães, ge­ral­men­te é usa­do o fer­men­to bi­o­ló­gi­co. Ele le­va es­se no­me por­que é for­ma­do por or­ga­nis­mos vi­vos. Exis­tem 3 ti­pos de fer­men­to bi­o­ló­gi­co:

✓ fres­co: ven­di­do em ta­ble­tes de 15g. de­ve ser ar­ma­ze­na­do na ge­la­dei­ra. An­tes de ser in­cor­po­ra­do à fa­ri­nha, é ne­ces­sá­rio dis­sol­ver em al­gum lí­qui­do mor­no ou mis­tu­rar com açú­car e sal até ob­ter um lí­qui­do es­bran­qui­ça­do;

✓ ins­tan­tâ­neo: vem em en­ve­lo­pes de 10g. Ele é gra­nu­la­do e não pre­ci­sa ser dis­sol­vi­do an­tes de uti­li­zar. De­ve ser guar­da­do na ge­la­dei­ra de­pois que o en­ve­lo­pe for aber­to, an­tes não pre­ci­sa.

✓ se­co: co­mer­ci­a­li­za­do em la­ti­nhas de 100g. É uma ver­são con­cen­tra­da do fer­men­to fres­co, pre­ci­sa ser mis­tu­ra­do com açú­car e, de­pois, dis­sol­vi­do em água ou lei­te mor­no. Não ne­ces­si­ta de re­fri­ge­ra­ção.

Açú­car

Mes­mo nas re­cei­tas de pães sal­ga­dos, é ne­ces­sá­rio o uso de pe­lo me­nos um pou­qui­nho de açú­car. É que, du­ran­te o pro­ces­so de fer­men­ta­ção, as bac­té­ri­as pre­sen­tes no fer­men­to pre­ci­sam se ali­men­tar do açú­car pa­ra li­be­rar os ga­ses que fa­zem o pão cres­cer.

Lí­qui­dos

É im­pos­sí­vel fa­zer uma mas­sa ape­nas com in­gre­di­en­tes só­li­dos. Al­gum ti­po de lí­qui­do sem­pre vai ser ne­ces­sá­rio pa­ra dar li­ga. No ca­so dos pães, há um se­gre­di­nho: um dos lí­qui­dos de­ve es­tar mor­no, pa­ra dar uma “for­ci­nha a mais” ao fer­men­to.

Fa­ri­nha

Às ve­zes, a mas­sa atin­ge o pon­to an­tes de adi­ci­o­nar­mos to­da a fa­ri­nha. Em ou­tros ca­sos, é pre­ci­so acres­cen­tar um pou­co mais de fa­ri­nha do que o pe­di­do na re­cei­ta. Is­so por­que a qua­li­da­de da fa­ri­nha va­ria de acor­do com a mar­ca, o lo­te en­tre ou­tras coi­sas. Pa­ra não er­rar, sem­pre adi­ci­o­ne a fa­ri­nha bem de­va­gar e me­xen­do, aos pou­cos. O pon­to cor­re­to é quan­do a mas­sa não fi­ca gru­dan­do nas mãos, mas tam­bém não dei­xa os de­dos “se­cos”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.