ENTREVISTA

LI­AM CONDON, CEO mun­di­al da di­vi­são Crop Sci­en­se da Bayer

Dinheiro Rural - - CONTENTS - FÁBIO MOITINHO

Énes­te mês que os ne­gó­ci­os entre a ale­mã Bayer e a americana Mon­san­to de­fi­ni­ti­va­men­te se fun­dem sob uma úni­ca mar­ca: ago­ra se­rá so­men­te Bayer. A fu­são, fru­to de um negócio de US$ 62,5 bi­lhões ini­ci­a­do em se­tem­bro de 2016, vai tra­zer gran­des trans­for­ma­ções à empresa. Em entrevista ex­clu­si­va à DI­NHEI­RO RU­RAL, o exe­cu­ti­vo ir­lan­dês Li­am Condon, 50 anos, CEO global da di­vi­são Crop Sci­en­ce da no­va Bayer, e mem­bro do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção global da com­pa­nhia, con­ta quais são elas e co­mo se da­rá a in­te­gra­ção das em­pre­sas. Pa­ra Condon, o que va­le da­qui em di­an­te se­rá o es­for­ço pa­ra mu­dar a imagem do se­tor de de­fen­si­vos jun­to ao con­su­mi­dor. O fu­tu­ro da no­va Bayer de­pen­de des­sa ta­re­fa. A so­ma das re­cei­tas das du­as em­pre­sas es­tão ho­je es­ti­ma­das em US$ 23,5 bi­lhões, em pro­du­tos e ser­vi­ços pa­ra pro­te­ção de cul­ti­vos e bi­o­tec­no­lo­gi­as, valor que se­rá anun­ci­a­do ofi­ci­al­men­te em se­tem­bro. O Brasil res­pon­de por 17% des­sa re­cei­ta, o equi­va­len­te a US$ 4 bi­lhões, ou cer­ca de R$ 15 bi­lhões. No mun­do, o gru­po Bayer pas­sa a fa­tu­rar US$ 54 bi­lhões.

DI­NHEI­RO RU­RAL – Por que ain­da ho­je o con­su­mi­dor é tão pouco es­cla­re­ci­do so­bre o pa­pel das em­pre­sas que atu­am no seg­men­to de pro­te­ção de cul­ti­vos?

LI­AM CONDON – Vi­ve­mos um mun­do on­de a confiança em mui­tas ins­ti­tui­ções está no ní­vel mais bai­xo de todos os tem­pos. Sa­be­mos dis­so. A Bayer entrevistou dez mil con­su­mi­do­res de dez paí­ses di­fe­ren­tes e des­co­briu que, em­bo­ra a mai­o­ria de­les apoie as ino­va­ções que ge­ram mais ali­men­tos, mui­tos te­mem que as tec­no­lo­gi­as uti­li­za­das pe­los agri­cul­to­res pos­sam pre­ju­di­car as pes­so­as e o meio am­bi­en­te. A mensagem não po­de­ria ser mais cla­ra: não é su­fi­ci­en­te cul­ti­var com efi­ci­ên­cia, os con­su­mi­do­res pre­ci­sam sa­ber que seus ali­men­tos são pro­du­zi­dos de forma se­gu­ra e sus­ten­tá­vel.

RU­RAL – O que po­de aju­dar nes­se pro­ces­so? CONDON –

A com­pa­nhia está com­pro­me­ti­da em me­lho­rar ain­da mais seu en­ga­ja­men­to na sociedade. O ob­je­ti­vo é apro­fun­dar o diá­lo­go. Qu­e­re­mos ou­vir nos­sos crí­ti­cos e tra­ba­lhar jun­to on­de ha­ja con­sen­so. A agricultura é im­por­tan­te de­mais pa­ra se per­mi­tir que di­fe­ren­ças ide­o­ló­gi­cas a pa­ra­li­sem. Te­mos de con­ver­sar. Es­sa é a úni­ca ma­nei­ra de cons­truir pon­tes. E te­mos di­a­lo­ga­do por meio de en­ti­da­des, or­ga­ni­za­ções não go­ver­na­men­tais, re­des so­ci­ais e de­mais mei­os de co­mu­ni­ca­ção.

RU­RAL – Co­mo a no­va Bayer se pre­pa­ra pa­ra um fu­tu­ro que alia bi­o­tec­no­lo­gi­as com agricultura digital?

CONDON – A ino­va­ção é es­sen­ci­al pa­ra pro­du­zir ali­men­tos mais sau­dá­veis, seguros e aces­sí­veis pa­ra uma po­pu­la­ção em cres­ci­men­to. A com­bi­na­ção das du­as em­pre­sas per­mi­ti­rá entregar mais ino­va­ção de forma mais rá­pi­da e for­ne­cer so­lu­ções adap­ta­das às ne­ces­si­da­des dos agri­cul­to­res em to­do o mun­do. No fu­tu­ro, as equi­pes dos la­bo­ra­tó­ri­os e do cam­po vão abor­dar a ino­va­ção de ma­nei­ra mais ho­lís­ti­ca, à medida que li­da­mos com os enor­mes de­sa­fi­os de uma agricultura que de­ve ser ca­da vez mais sus­ten­tá­vel.

RU­RAL – Mas os agroquí­mi­cos, o co­ra­ção da com­pa­nhia que o sr. ad­mi­nis­tra, é um gran­de de­sa­fio global em te­mos de re­gu- la­men­ta­ção. O que es­pe­rar de uma empresa com a atu­al mus­cu­la­tu­ra da Bayer?

CONDON – Es­tu­dos de se­gu­ran­ça, sub­ja­cen­tes ao re­gis­tro de de­fen­si­vos agrí­co­las, são usa­dos pe­los re­gu­la­do­res pa­ra as­se­gu­rar que pro­du­tos não pre­ju­di­quem as pes­so­as, a vi­da sel­va­gem ou o meio am­bi­en­te, quan­do usa­dos com res­pon­sa­bi­li­da­de. Mas co­mo o nos­so sis­te­ma re­gu­la­dor co­lo­ca o ônus de con­du­zir es­ses es­tu­dos pa­ra o fa­bri­can­te, al­guns ques­ti­o­nam se os es­tu­dos são ob­je­ti­vos e im­par­ci­ais. Nu­ma épo­ca de fal­ta confiança, dizer “con­fie em mim” po­de não pa­re­cer mui­to con­vin­cen­te. Re­co­nhe­cen­do que é preciso mais do que re­tó­ri­ca, de­ci­di­mos, vo­lun­ta­ri­a­men­te, ser a pri­mei­ra empresa de ci­ên­cia agrí­co­la a dis­po­ni­bi­li­zar pu­bli­ca­men­te os es­tu­dos de se­gu­ran­ça re­gu­la­tó­ria.

RU­RAL – Des­de quan­do a empresa ado­tou es­sa ação? CONDON –

A ini­ci­a­ti­va de trans­pa­rên­cia foi lan­ça­da no fim de 2017 e po­de ser aces­sa­da na in­ter­net, em www.crops­ci­en­ce-trans­pa­rency.bayer.com. A ação se ba­seia na cer­te­za de que a in­te­gri­da­de de nos­sa pes­qui­sa é o que nos dá confiança na se­gu­ran­ça de nos­sos pro­du­tos. Ao di­vul­gar o que já foi con­si­de­ra­da in­for­ma­ção con­fi­den­ci­al, acre­di­ta­mos que a po­pu­la­ção ve­rá, por si mes­ma, o ri­gor ci­en­tí­fi­co nos pro­ces­sos. A abor­da­gem da trans­pa­rên­cia é um pas­so ne­ces­sá­rio pa­ra re­cu­pe­rar a confiança do con­su­mi­dor.

RU­RAL – Co­mo o sr. ava­lia a ten­dên­cia mun­di­al do con­su­mi­dor por pro­du­tos li­vres de agroquí­mi­cos e ali­men­tos não trans­gê­ni­cos?

CONDON – A opi­nião pú­bli­ca fre­quen­te­men­te fi­ca di­vi­di­da a res­pei­to de pro­du­tos or­gâ­ni­cos e ali­men­tos pro­du­zi­dos de forma con­ven­ci­o­nal. Mas, por trás da controvérsia, há uma per­gun­ta cons­tan­te: quais os mé­to­dos e as tec­no­lo­gi­as que po­dem ga­ran­tir um for­ne­ci­men­to de ali­men­tos sau­dá­veis, ago­ra e no fu­tu­ro. É preciso mos­trar que cul­ti­vos mo­di­fi­ca­dos tam­bém trás mui­tas van­ta­gens pa­ra os agri­cul­to­res, a po­pu­la­ção mun­di­al e o meio am­bi­en­te.

RU­RAL – Que da­dos o sr. tem so­bre is­so? CONDON –

Por exem­plo, ape­nas 1% das ter­ras agrí­co­las do mun­do são cul­ti­va­das or­ga­ni­ca­men­te. São 50 mi­lhões de

“A abor­da­gem da trans­pa­rên­cia é um pas­so ne­ces­sá­rio pa­ra re­cu­pe­rar a confiança do con­su­mi­dor”

hec­ta­res, an­te cin­co bi­lhões de hec­ta­res de ter­ras des­ti­na­das às ati­vi­da­des agrí­co­las glo­bais. A pre­vi­são de uma ne­ces­si­da­de 50% mai­or de pro­du­ção agrí­co­la pa­ra 2050, se­gun­do a Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das. Se a pro­du­ti­vi­da­de per­ma­ne­cer inal­te­ra­da, sem in­ves­ti­men­tos em tec­no­lo­gi­as co­mo as genô­mi­cas, is­so sig­ni­fi­ca que se­rá ne­ces­sá­ria uma área adi­ci­o­nal de ter­ras cul­ti­va­das do ta­ma­nho dos Es­ta­dos Uni­dos.

RU­RAL – Co­mo mu­dar a imagem da in­dús­tria de agroquí­mi­cos, que é vis­ta da mes­ma forma que a de ta­ba­co?

CONDON – Nos úl­ti­mos anos, a Bayer tem se en­ga­ja­do na “ino­va­ção aberta”, um con­cei­to que co­nec­ta a empresa a star­tups e a ins­ti­tui­ções públicas pa­ra cri­ar no­vas idei­as. Es­se é o ca­mi­nho. Em­bo­ra o com­pro­mis­so com a pes­qui­sa interna con­ti­nue sen­do es­sen­ci­al, sa­be­mos que no lon­go pra­zo o co­nhe­ci­men­to co­le­ti­vo é sempre mais po­de­ro­so.

RU­RAL – Co­mo is­so fun­ci­o­na?

CONDON – A es­tra­té­gia am­plia o ecos­sis­te­ma de des­co­ber­ta, tra­ba­lhan­do em vá­ri­os se­to­res e par­ti­ci­pan­do de mui­tas par­ce­ri­as di­fe­ren­tes. Is­so nos permite ace­le­rar o de­sen­vol­vi­men­to de tec­no­lo­gi­as ino­va­do­ras, ne­ces­sá­ri­as pa­ra aten­der à cres­cen­te de­man­da mun­di­al de ali­men­tos. Os crí­ti­cos da in­dús­tria acreditam que os es­tu­dos fi­nan­ci­a­dos por em­pre­sas es­tão in­va­ri­a­vel­men­te con­ta­mi­na­dos. Enquanto as em­pre­sas ar­gu­men­tam que o fi­nan­ci­a­men­to pú­bli­co de uma pes­qui­sa es­ta­ria su­jei­to à po­li­ti­za­ção, o que su­fo­ca a ino­va­ção. Is­so le­van­ta a ques­tão: o que cons­ti­tui uma “pes­qui­sa responsável”?

RU­RAL – Co­mo se re­sol­ve es­sa ques­tão? CONDON –

Es­sa ques­tão se re­sol­ve pre­en­chen­do a la­cu­na entre os in­te­res­ses pú­bli­cos e os pri­va­dos. Is­so co­me­ça com a es­cu­ta das vi­sões de ca­da par­te e o en­vol­vi­men­to em con­ver­sas que te­nham sig­ni­fi­ca­do. Afi­nal, nós co­me­mos a mes­ma comida, com­par­ti­lha­mos o mes­mo mun­do e qu­e­re­mos o que é me­lhor pa­ra os nos­sos fi­lhos. Con­ti­nu­a­mos em­pe­nha­dos em ex­pli­car es­tu­dos e com­par­ti­lhar ino­va­ções sus­ten­tá­veis.

RU­RAL – Qual a ava­li­a­ção que o sr. faz so­bre a téc­ni­ca do re­fú­gio nas la­vou­ras trans­gê­ni­cas, ou se­ja, jun­tar a ela uma par­te de plan­tas con­ven­ci­o­nais, já que ela vem sen­do ne­gli­gen­ci­a­da pe­los pro­du­to­res.

CONDON – A es­tra­té­gia de re­fú­gio, que é uma das me­di­das es­sen­ci­ais pa­ra o ma­ne­jo de re­sis­tên­cia de insetos, nun­ca foi tão di­fun­di­da no Brasil co­mo atu­al­men­te. A Bayer, que pos­sui bi­o­tec­no­lo­gi­as, tan­to no algodão co­mo na soja, tem fei­to um for­te tra­ba­lho de co­mu­ni­ca­ção so­bre a im­por­tân­cia e as re­co­men­da­ções do re­fú­gio, um tra­ba­lho de­sa­fi­a­dor no atu­al ce­ná­rio bra­si­lei­ro.

RU­RAL – De­sa­fi­a­dor em que medida? CONDON –

A re­co­men­da­ção de co­mo im­plan­tar o re­fú­gio de­pen­de mui­to do am­bi­en­te e da bi­o­tec­no­lo­gia em ques­tão. Sen­do as­sim, as re­co­men­da­ções de re­fú­gio pa­ra o Brasil po­dem e de­vem ser di­fe­ren­tes das re­co­men­da­ções uti­li­za­das em ou­tros paí­ses, co­mo a Aus­trá­lia, por exem­plo. Is­so ocor­re por con­ta das con­di­ções am­bi­en­tais, com­ple­xos de pra­gas que afe­tam a cul­tu­ra e dos sis­te­mas pro­du­ti­vos ado­ta­dos.

RU­RAL – Há pra­gas já re­sis­ten­tes por con­ta do am­bi­en­te tro­pi­cal?

CONDON – Sim. No Brasil, há o ca­so da re­sis­tên­cia do fun­go que pro­vo­ca a fer­ru­gem asiá­ti­ca. De acor­do com a Em­bra­pa, da­nos cau­sa­dos por es­ta do­en­ça po­dem re­sul­tar em per­das de ren­di­men­to de até 80% de uma la­vou­ra. Des­de o sur­gi­men­to do fun­go nas la­vou­ras do País, em 2001, elas es­tão es­ti­ma­das em US$ 2 bi­lhões por sa­fra.

RU­RAL – Al­gu­ma so­lu­ção à vis­ta pa­ra di­mi­nuir es­se pre­juí­zo? CONDON –

Ain­da não. Mas des­de 2016, a Bayer tem uma par­ce­ria com a Em­bra­pa pa­ra o mo­ni­to­ra­men­to da sen­si­bi­li­da­de dos fun­gos no cam­po. O pla­no é apro­fun­dar os es­tu­dos ge­né­ti­cos da pra­ga, a fim de en­ten­der co­mo a re­sis­tên­cia se de­sen­vol­ve, de­pois de re­pe­ti­das aplicações de fun­gi­ci­das. As­sim co­mo em ou­tras pes­qui­sas, o ob­je­ti­vo é as­se­gu­rar sus­ten­ta­bi­li­da­de na pro­du­ção, ga­ran­tin­do que o pro­du­tor te­nha fer­ra­men­tas dis­po­ní­veis pa­ra o con­tro­le das di­fe­ren­tes do­en­ças da la­vou­ra.

“A ino­va­ção é es­sen­ci­al pa­ra pro­du­zir ali­men­tos mais sau­dá­veis, seguros e aces­sí­veis”

DO CAM­PO À ME­SA: a ten­dên­cia é de um nú­me­ro ca­da vez mai­or de con­su­mi­do­res pre­o­cu­pa­dos com a ori­gem dos ali­men­tos e co­mo eles fo­ram pro­du­zi­dos

LABORATóRIO: a bus­ca por pes­qui­sas que vão ao en­con­tro da de­man­da da sociedade, por pro­du­tos mais sus­ten­tá­veis, tem nor­te­a­do os in­ves­ti­men­tos das em­pre­sas de bi­o­tec­no­lo­gi­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.