AR­GEN­TI­NA

Os pro­du­to­res ar­gen­ti­nos voltam a pa­gar so­bre­ta­xas so­bre a ex­por­ta­ção, le­van­do o cam­po a per­das que po­dem che­gar a US$ 6 bi­lhões

Dinheiro Rural - - CONTENTS - FER­NAN­DO BAR­BO­SA

País vol­ta a so­bre­ta­xar a ex­por­ta­ção de pro­du­tos agrí­co­las

OB­ra­sil e a Ar­gen­ti­na pos­su­em du­as ca­rac­te­rís­ti­cas em co­mum: a pai­xão pe­lo fu­te­bol e o pe­so do agro­ne­gó­cio na eco­no­mia dos dois paí­ses. No ca­so da bo­la, as pai­xões fi­cam sem­pre na ca­ra do gol, sem de­fi­ni­ções. Ago­ra, pa­ra grãos e car­nes, pro­du­tos que sus­ten­tam as ba­lan­ças co­mer­ci­ais de am­bos, en­quan­to o Bra­sil pas­sa por mo­men­tos de euforia, com uma su­per­sa­fra e ex­por­ta­ções fir­mes, o agro­ne­gó­cio ar­gen­ti­no vi­ve em es­ta­do de aler­ta. A vol­ta das so­bre­ta­xas nos pro­du­tos de ex­por­ta­ção, as cha­ma­das “re­ten­ci­o­nes”, em que o go­ver­no fi­ca com até qua­tro dó­la­res por pe­so, que é a mo­e­da lo­cal, trou­xe uma cer­te­za aos pro­du­to­res: o ano de 2018 pas­sa pa­ra a his­tó­ria co­mo tem­po de me­nos ren­da no cam­po. “A ca­deia da so­ja ar­ca com uma car­ga de im­pos­tos bem al­ta na Ar­gen­ti­na e is­so ti­ra mui­ta com­pe­ti­ti­vi­da­de”, afir­ma Luis Zu­bi­zar­re­ta, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção da Ca­deia de So­ja (ACSo­ja). “Es­sa ta­xa não exis­te em ou­tros paí­ses con­cor­ren­tes da Ar­gen­ti­na, e, ob­vi­a­men­te, se tor­na um de­sin­cen­ti­vo à pro­du­ção.” Cál­cu­los da So­ci­e­da­de Ru­ral Ar­gen­ti­na (SRA) es­ti­mam que as per­das po­dem che­gar a US$ 6 bi­lhões com a ta­xa­ção. “Is­so re­pre­sen­ta 64% do que se pla­ne­ja ar­re­ca­dar com as ex­por­ta­ções pa­ra o pró­xi­mo ano na agroin­dús­tria da so­ja”, diz Eze­qui­el de Frei­jo, eco­no­mis­ta che­fe do Ins­ti­tu­to de Es­tu­dos Econô­mi­cos da SRA. “A so­ja tem uma alí­quo­ta to­tal de 28% e pa­ra o res­to dos pro­du­tos é 10%”.

Em 2017, qua­tro de ca­da dez dó­la­res ex­por­ta­dos en­tra­ram na eco­no­mia com pro­du­tos agro­pe­cuá­ri­os. No ano pas­sa­do fo­ram US$ 58,4 bi­lhões, dos quais US$ 38 bi­lhões vi­e­ram do cam­po. No ca­so da so­ja, pa­ra sa­fra 2018/2019, a Bol­sa de Ce­re­ais de Bu­e­nos Ai­res es­ti­ma ven­das ex­ter­nas da or­dem de 15,5 mi­lhões de to­ne­la­das, re­cu­pe­ran­do a bai­xa da sa­fra an­te­ri­or, pre­ju­di­ca­da por uma es­ti­a­gem que afe­tou a pro­du­ti­vi­da­de das lavouras. Mes­mo as­sim, o com­ple­xo so­ja in­je­tou na eco­no­mia US$ 15 bi­lhões, dos quais US$ 9,1 bi­lhões vi­e­ram de sua ex­cep­ci­o­nal agroin­dús­tria de pro­ces­sa­men­to de so­ja. Aliás, a Ar­gen­ti­na, em­bo­ra se­ja o quar­to mai­or pro­du­tor glo­bal do grão, é o mai­or do mun­do em fa­ri­nha. Res­pon­de por cer­ca de 40% do mer­ca­do.

A vol­ta das ta­xas so­bre a ex­por­ta­ção vem após uma for­te re­to­ma­da do se­tor, prin­ci­pal­men­te da agroin­dús­tria, com a pos­se do pre­si­den­te Mau­ri­cio Ma­cri, em de­zem­bro de 2015. Fo­ram os go­ver­nos K, que se re­fe­rem a Nés­tor Kir­ch­ner e Cris­ti­na Kir­ch­ner, a par­tir de 2003, que cri­a­ram as ta­xa­ções agro­pe­cuá­ri­as. Is­so fez a eco­no­mia ago­ni­zar por fal­ta de mo­e­da es­tran­gei­ra.

Ma­cri fez o con­trá­rio. Com re­du­ção de ta­xas pa­ra qua­se to­dos os pro­du­tos na no­va ges­tão, a pro­du­ção de grãos sal­tou de 100 mi­lhões de to­ne­la­das pa­ra 125 mi­lhões de to­ne­la­das na úl­ti­ma sa­fra. Pro­du­tos co­mo tri­go, mi­lho e o se­tor de car­nes ti­ve­ram su­as ta­ri­fas de 23%, 20% e 15%, res­pec­ti­va­men­te, ze­ra­das. A so­ja pas­sou por uma que­da de 35% pa­ra 30%, com o com­pro­mis­so de re­du­ção gra­da­ti­va. Is­so ani­mou o se­tor. Em três anos, a pro­du­ção de tri­go sal­tou de cer­ca de dez mi­lhões de to­ne­la­das pa­ra 17 mi­lhões de to­ne­la­das no úl­ti­mo ano. O mi­lho saiu de 22 mi­lhões de to­ne­la­das pa­ra 39 mi­lhões. No mer­ca­do de car­nes, on­de 85% da pro­du­ção aten­de ao mer­ca­do in­ter­no, as ex­por­ta­ções sal­ta­ram de 200 mil to­ne­la­das pa­ra 420 mil to­ne­la­das no pe­río­do 2016/2017. Nes­te ano, so­men­te a car­ne bo­vi­na, que de­ve re­pe­tir as ex­por­ta­ções do ano pas­sa­do, po­de ren­der US$ 1,8 bi­lhão.

No en­tan­to, a pi­o­ra na eco­no­mia ar­gen­ti­na fez com que o Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) re­tro­ce­des­se 4% no se­gun­do tri­mes­tre des­te ano. Mas o PIB de 2017 ha­via si­do de US$ 911,5 bi­lhões, 3,6% aci­ma do ano an­te­ri­or. Foi a ex­plo­são do dé­fi­cit nas con­tas pú­bli­cas que for­çou o go­ver­no a anun­ci­ar o re­tor­no das ‘re­ten­ci­o­nes’, uma ma­nei­ra fá­cil de fa­zer cai­xa. Se­gun­do es­ti­ma­ti­vas da Fun­da­ção Agro­pe­cuá­ria pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to da Ar­gen­ti­na (Fa­da), em­bo­ra a so­ja se­ja a com­mo­dity mais im­por­tan­te nas ex­por­ta­ções, o im­pac­to se­rá mai­or pa­ra os pro­du­to­res de mi­lho e de tri­go. No mi­lho, o im­pos­to sai de ze­ro pa­ra 10%. Na so­ja, sai de 28% pa­ra 30%. Por con­ta da me­di­da, a ren­ta­bi­li­da­de cai 20% em dó­la­res, por hec­ta­re de so­ja, e 50% no ca­so do mi­lho. “Pos­si­vel­men­te, ve­re­mos um pe­que­no im­pac­to nes­ta sa­fra e po­ten­ci­al­men­te mai­or na se­guin­te”, diz Da­vid Mi­az­zo, eco­no­mis­ta­che­fe da Fa­da.

Mas o im­pac­to das so­bre­ta­xas nas ca­dei­as do agro­ne­gó­cio ar­gen­ti­no de­pen­de – e mui­to – da vo­la­ti­li­da­de do dó­lar. Por is­so, por en­quan­to, a des­va­lo­ri­za­ção abrup­ta da mo­e­da lo­cal, que ba­teu os 40 pe­sos por dó­lar, aju­da a ame­ni­zar o pro­ble­ma. Um exe­cu­ti­vo da in­dús­tria fri­go­rí­fi­ca ar­gen­ti­na, que pe­diu ano­ni­ma­to DI­NHEI­RO RU­RAL, dis­se que a des­va­lo­ri­za­ção do câm­bio trou­xe uma com­pe­ti­ti­vi­da­de ines­pe­ra­da. “Es­ti­má­va­mos o pe­so pa­ra o ano en­tre US$ 8 a US$ 19. Ho­je es­tá em US$ 40. Es­se sal­to da mo­e­da fez com que fo­cás­se­mos mui­to na ex­por­ta­ção”, afir­mou. “Es­ta­mos ex­por­tan­do mais de 90% de nos­so aba­te por­que o câm­bio fa­vo­re­ce mui­to nos­sa mar­gem”. A Chi­na tem si­do o des­ti­no mais fi­el. De ja­nei­ro a ju­lho de 2018, o país asiá­ti­co com­prou 96,5 mil to­ne­la­das, de acor­do com o Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra do país, me­ta­de dos em­bar­ques to­tais. Pa­ra Frei­jo, da SRA, o im­por­tan­te nes­se mo­men­to é en­ten­der o con­tex­to econô­mi­co, já que nos go­ver­nos an­te­ri­o­res as po­lí­ti­cas pú­bli­cas eram con­tra o se­tor. “Ve­mos as so­bre­ta­xas co­mo uma po­lí­ti­ca tem­po­rá­ria, por­que não há mais re­mé­dio e é pre­ci­so sa­nar o pro­ble­ma fis­cal”, diz Frei­jo. “Foi o con­tex­to in­ter­na­ci­o­nal nos afe­tou e fez com que che­gás­se­mos a es­sa si­tu­a­ção.”

“Es­sa ta­xa não exis­te em ou­tros paí­ses con­cor­ren­tes da Ar­gen­ti­na, e, ob­vi­a­men­te, se tor­na um de­sin­cen­ti­vo à pro­du­ção” Luis Zu­bi­zar­re­ta, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção da Ca­deia de So­ja

FO­RA DO PON­TO: os pro­du­tos agrí­co­las, co­mo car­nes e grãos, são as com­mo­di­ti­es mais fá­ceis de se­rem ta­xa­das nas ex­por­ta­cões

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.