EMBRAPA

QUAIS OS DE­SA­FI­OS DE SE­BAS­TIÃO BAR­BO­SA, NO­VO PRE­SI­DEN­TE DA ES­TA­TAL BRA­SI­LEI­RA DO AGRO­NE­GÓ­CIO

Dinheiro Rural - - CONTENTS -

Co­nhe­ça os de­sa­fi­os de Se­bas­tião Bar­bo­sa, o no­vo pre­si­den­te da es­ta­tal

Aos 74 anos de ida­de, o agrô­no­mo Se­bas­tião Bar­bo­sa as­su­me nes­te mês a pre­si­dên­cia da mais im­por­tan­te ins­ti­tui­ção de pes­qui­sa do País, a Em­pre­sa Bra­si­lei­ra de Pes­qui­sa Agro­pe­cuá­ria (Embrapa). Bar­bo­sa é o 12º pre­si­den­te da en­ti­da­de, des­de que ela foi anun­ci­a­da pe­lo go­ver­no em 7 de de­zem­bro de 1972 e ofi­ci­a­li­za­da em 26 de abril do ano se­guin­te. Até o fe­cha­men­to des­ta edi­ção da DI­NHEI­RO RU­RAL, ele es­ta­va im­pe­di­do pe­lo con­se­lho da es­ta­tal de con­ce­der en­tre­vis­tas. “Co­nhe­ço o Se­bas­tião Bar­bo­sa co­mo téc­ni­co da Embrapa, do tem­po em que era da área in­ter­na­ci­o­nal da en­ti­da­de”, diz Ro­ber­to Ro­dri­gues, co­or­de­na­dor do Cen­tro de Es­tu­dos do Agro­ne­gó­cio, da Fun­da­ção Ge­tu­lio Var­gas (GVA­gro) e ex­mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra. “Ele te­rá um pa­pel di­fí­cil nes­se

mo­men­to, por­que a Embrapa vi­ve em um cer­to es­ta­do de de­sa­gre­ga­ção.”

Ro­dri­gues se re­fe­re às dis­cus­sões in­ter­nas, que ex­tra­po­la­ram os mu­ros da en­ti­da­de, so­bre a sua atu­al es­tru­tu­ra de go­ver­nan­ça ad­mi­nis­tra­ti­va e so­bre o no­vo pa­pel da en­ti­da­de em um ce­ná­rio em que as em­pre­sas pri­va­das, ca­da vez mais, se voltam às pes­qui­sas, ti­ran­do o pro­ta­go­nis­mo da es­ta­tal no cam­po. Em bus­ca de um mo­de­lo, os de­ba­tes co­me­ça­ram em 2015. A Embrapa pos­sui 47 uni­da­des de pes­qui­sa, 2,4 mil pes­qui­sa­do­res e 9,6 mil fun­ci­o­ná­ri­os. De­pen­den­do ape­nas de re­cur­sos ofi­ci­ais, seu atu­al or­ça­men­to tem si­do aper­ta­do. Do to­tal de R$ 3,4 bi­lhões des­te ano, cer­ca de 90% se des­ti­nam à fo­lha de pa­ga­men­to.

O cur­rí­cu­lo do no­vo pre­si­den­te é ex­ten­so, tan­to quan­to as ta­re­fas que o aguar­dam. Ele ini­ci­ou a car­rei­ra em 1968, co­mo pes­qui­sa­dor de pra­gas na la­vou­ra. O pri­mei­ro car­go de che­fia na Embrapa foi em 1981, na uni­da­de Hor­ta­li­ças. Mas a ocu­pa­ção mais im­por­tan­te, por 17 anos fo­ra do país, foi co­mo ofi­ci­al da Embrapa na Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Unidas pa­ra Ali­men­ta­ção e Agri­cul­tu­ra (FAO).

Eu­mar No­vac­ki, se­cre­tá­rio exe­cu­ti­vo do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra e pre­si­den­te do con­se­lho da Embrapa, ór­gão res­pon­sá­vel pe­lo pro­ces­so de es­co­lha de Bar­bo­sa, diz que o seu con­jun­to de qua­li­da­des foi o que mais se en­cai­xou pa­ra o car­go. “Não ha­via can­di­da­to mais ade­qua­da­do, que reu­nis­se as qua­li­da­des de ges­tão ne­ces­sá­ri­as a es­se no­vo mo­men­to da Embrapa”, afir­ma No­vac­ki (leia en­tre­vis­ta na pá­gi­na se­guin­te).

Mas o de­sa­fio de Bar­bo­sa não é ape­nas de ges­tão fi­nan­cei­ra. Pa­ra Luiz Gus­ta­vo Nus­sio, di­re­tor da Es­co­la Su­pe­ri­or de Agri­cul­tu­ra Luiz de Queiroz (Esalq/USP), a ges­tão do agrô­no­mo Mau­rí­cio Lopes trou­xe um pro­ta­go­nis­mo e uma in­je­ção de mo­der­ni­za­ção de abor­da­gem. Lopes, que exer­cia o car­go de pre­si­den­te da Embrapa des­de 2012, e que ago­ra re­tor­na a pes­qui­sa­dor, é um es­tu­di­o­so de te­mas que pas­sam lon­ge da sua es­pe­ci­a­li­za­ção em ge­né­ti­ca mo­le­cu­lar, en­tre eles bi­o­e­co­no­mia, agri­cul­tu­ra di­gi­tal, ener­gi­as re­no­vá­veis e ro­bó­ti­ca. “Nes­se ca­mi­nho, acho que fi­ze­ram pro­gres­so”, afir­ma Nus­sio. “Mas, com a glo­ba­li­za­ção da agri­cul­tu­ra, é ca­da vez mais di­fí­cil ter uma em­pre­sa na­ci­o­nal, em qual­quer par­te do mun­do, to­man­do con­ta de tu­do.”

Pa­ra ele, co­mo boa par­te das com­pe­tên­ci­as em pes­qui­sa es­tá no se­tor pri­va­do, o ide­al, de ago­ra pa­ra a fren­te, se­ria ter par­te das ações da Embrapa de for­ma com­bi­na­da, co­mo já vem ocor­ren­do na uni­ver­si­da­de. Ro­dri­gues, da GVA­gro, acres­cen­ta mais um com­po­nen­te nes­sa en­gre­na­gem. A Embrapa tem um ca­rá­ter es­tra­té­gi­co na de­mo­cra­ti­za­ção da al­ta tec­no­lo­gia a pe­que­nos e mé­di­os pro­du­to­res, que es­tão na mai­or par­te das cer­ca de 5,1 mi­lhões de pro­pri­e­da­des ru­rais do País. “O avan­ço tec­no­ló­gi­co é ca­da vez mais ace­le­ra­do e so­men­te as gran­des pro­pri­e­da­des con­se­guem acom­pa­nhar”, afir­ma Ro­dri­gues. “A Embrapa pre­ci­sa fa­zer com que a tec­no­lo­gia che­gue a es­se pú­bli­co, sob pe­na de uma con­cen­tra­ção ex­ces­si­va no se­tor.”

“A Embrapa tem de par­tir pa­ra as par­ce­ri­as pú­bli­co-pri­va­das”

Dos 16 ins­cri­tos, três no­mes che­ga­ram ao fi­nal do pro­ces­so de es­co­lha pa­ra ocu­par a pre­si­dên­cia da Embrapa. Além de Se­bas­tião Bar­bo­sa, o no­vo pre­si­den­te, es­ta­vam no pá­reo Cle­ber So­a­res, di­re­tor da uni­da­de de Ino­va­ção e Tec­no­lo­gia, em Bra­sí­lia, e o ex-mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra Luis Carlos Guedes Pin­to. Em en­tre­vis­ta ex­clu­si­va à DI­NHEI­RO RU­RAL, Eu­mar No­vac­ki, pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da Embrapa, con­ta os de­ta­lhes que nor­te­a­ram a es­co­lha.

O que pau­tou a es­co­lha de Se­bas­tião Bar­bo­sa?

Pri­mei­ro, o en­cer­ra­men­to do man­da­to do Mau­rí­cio Lopes, nes­te mês. Se­gun­do, ha­via o ris­co de não fa­zer­mos is­so ago­ra e no ano que vem, em meio a um pro­ces­so po­lí­ti­co, co­lo­car à fren­te da Embrapa al­guém que não es­ti­ves­se pre­pa­ra­do pa­ra os de­sa­fi­os que o ór­gão te­rá que en­fren­tar nos pró­xi­mos anos. A Embrapa foi mui­to im­por­tan­te pa­ra o agro­ne­gó­cio bra­si­lei­ro nos úl­ti­mos 45 anos, é im­por­tan­te pa­ra o agro­ne­gó­cio bra­si­lei­ro ho­je e o de­sa­fio é: “a Embrapa se­rá im­por­tan­te pa­ra o fu­tu­ro?” Nós es­pe­ra­mos que sim.

Co­mo foi o pro­ces­so?

Com a Leis das Es­ta­tais, a par­tir de ju­nho de 2016, quem no­meia o pre­si­den­te da Embrapa é o con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da em­pre­sa, do qual sou pre­si­den­te. An­tes era o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Eu e o mi­nis­tro Blai­ro Mag­gi es­ti­ve­mos com o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer e ex­pli­ca­mos o no­vo pro­ces­so. Ele nos deu to­do o apoio pa­ra con­du­zir­mos tec­ni­ca­men­te a es­co­lha. En­tão, na­que­le mo­men­to, nós fi­ca­mos blin­da­dos das in­ter­fe­rên­ci­as po­lí­ti­cas. O mi­nis­tro tam­bém deu to­do o res­pal­do ao con­se­lho, pa­ra que se fi­zes­se um pro­ces­so de se­le­ção pú­bli­ca e com mui­ta transparência. Abri­mos pa­ra to­dos aque­les, da em­pre­sa ou não, que se vis­sem com con­di­ções de as­su­mir o co­man­do da Embrapa. En­tão, na­que­le mo­men­to, nós es­tá­va­mos blin­da­dos das pres­sões cor­po­ra­ti­vas e das pres­sões clas­sis­tas.

O que foi ava­li­a­do no pro­ces­so de lar­ga­da?

Ti­ve­mos 16 can­di­da­tos ins­cri­tos e os seus cur­rí­cu­los fo­ram ana­li­sa­dos pa­ra ver se ti­nham ade­rên­cia à fun­ção. Sem ne­nhum ti­po de pre­con­cei­to, al­guém sem a mí­ni­ma for­ma­ção com­pa­tí­vel com a área de ges­tão, com a área de con­du­ção de li­de­ran­ça de uma em­pre­sa co­mo a Embrapa, es­ta­ria fo­ra ime­di­a­ta­men­te. Aí, fo­mos ana­li­sar qual a vi­são do can­di­da­to quan­to ao agro­ne­gó­cio bra­si­lei­ro, sua vi­são da en­ti­da­de e qual o pa­pel de­la no fu­tu­ro do agro­ne­gó­cio. Ca­da can­di­da­to te­ve a opor­tu­ni­da­de dei­xar as su­as ob­ser­va­ções por es­cri­to.

Em que mo­men­to eles fo­ram ou­vi­dos?

O con­se­lho se­le­ci­o­nou três no­mes, que en­ten­de­mos se­rem os que reu­ni­am as me­lho­res con­di­ções pa­ra o car­go. Nes­sa en­tre­vis­ta, apro­fun­da­mos al­guns te­mas re­le­van­tes. Pri­mei­ro, ava­li­a­mos a pro­fi­ci­ên­cia do in­glês, por­que a lín­gua é im­por­tan­te pa­ra que se pos­sa co­mu­ni­car com o mun­do. De­pois, ana­li­sa­mos mais de­ta­lha­da­men­te a vi­são do can­di­da­to em re­la­ção aos ser­vi­do­res, co­mo fa­zer pa­ra mo­ti­vá-los, qual o seu en­ten­di­men­to em re­la­ção ao pa­pel das en­ti­da­des que re­pre­sen­tam o se­tor pro­du­ti­vo e o pro­ces­so de cons­tru­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas da Embrapa. A vi­são em re­la­ção a te­mas po­lê­mi­cos, co­mo a mo­der­ni­za­ção dos de­fen­si­vos agrí­co­las, tam­bém fo­ram le­va­dos em con­ta.

Quais ca­rac­te­rís­ti­cas de Bar­bo­sa fez de­le o es­co­lhi­do? Prin­ci­pal­men­te a sua ex­pe­ri­ên­cia in­ter­na­ci­o­nal. Ele fa­la qua­tro idi­o­mas – in­glês, fran­cês, es­pa­nhol e ita­li­a­no – co­nhe­ce o mer­ca­do, de­mons­trou sa­ber so­bre a em­pre­sa e, prin­ci­pal­men­te, qual pa­pel a Embrapa de­ve de­sem­pe­nhar no agro­ne­gó­cio bra­si­lei­ro nos pró­xi­mos anos. De­mons­trou, tam­bém, uma in­cli­na­ção a ou­vir as en­ti­da­des do se­tor pro­du­ti­vo pa­ra achar um me­lhor fo­co, um me­lhor ca­mi­nho a se­guir em re­la­ção ao fu­tu­ro da em­pre­sa. Dei­xou cla­ro a sua dis­po­si­ção de ou­vir os ge­ren­tes de uni­da­des des­cen­tra­li­za­das da Embrapa e in­ves­tir na cons­tru­ção de uma re­es­tru­tu­ra­ção da en­ti­da­de – pen­san­do ob­vi­a­men­te nes­se ca­mi­nho que nós va­mos se­guir.

Há al­gu­ma sub­je­ti­vi­da­de nes­se pro­ces­so de es­co­lha?

Sim, cla­ro que sim. Mas Bar­bo­sa aca­bou con­ven­cen­do o con­se­lho por de­mons­trar mui­to co­nhe­ci­men­to do con­tex­to do agro­ne­gó­cio bra­si­lei­ro no mun­do e te­mos cer­te­za que is­so vem ao en­con­tro da­qui­lo que o Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra e Pe­cuá­ria (Ma­pa) es­pe­ra, que é ter mais ação no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal.

Foi abor­da­do com Bar­bo­sa o gi­gan­tes­co pro­ble­ma da fal­ta de re­cur­sos da Embrapa?

Es­se foi um dos pon­tos. Bar­bo­sa en­ten­de que a Embrapa tem de par­tir pa­ra as par­ce­ri­as pú­bli­co-pri­va­das e que é pre­ci­so tra­zer em­pre­sas do se­tor pa­ra dis­cu­tir pes­qui­sa. Te­mos de achar uma for­ma de par­ti­ci­pa­ção mai­or do pri­va­do no apor­te fi­nan­cei­ro pa­ra as pes­qui­sas que vi­rão pe­la fren­te. En­fim, é usar de mui­ta cri­a­ti­vi­da­de.

Por exem­plo?

Mui­tas ve­zes não é so­men­te ques­tão de re­cur­sos, a ges­tão faz to­da a di­fe­ren­ça. Olhe o exem­plo do que es­ta­mos fa­zen­do no mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, com o AgroMais. Quan­do o mi­nis­tro Blai­ro Mag­gi as­su­miu a pas­ta ha­via R$ 1,2 bi­lhão em dí­vi­das, em res­tos a pa­gar. Ou se­ja, dí­vi­das con­traí­das e que não fo­ram qui­ta­das. O Ma­pa tem um or­ça­men­to, ho­je, me­nor do que era há dez anos. Mas va­mos en­tre­gar um mi­nis­té­rio, no fi­nal do ano, com al­go em tor­no de R$ 250 mi­lhões a pa­gar e sem dei­xar um cen­ta­vo de res­to a pa­gar da nos­sa pas­sa­gem. Is­so é ges­tão. Ela é fo­ca­da nos re­sul­ta­dos e não nos pro­ces­sos. É uma ges­tão de olho na pon­ta e não nos pro­ce­di­men­tos. No nos­so ca­so, to­dos os con­tra­tos-meio fo­ram re­du­zi­dos, mui­tos fo­ram com­ple­ta­men­te eli­mi­na­dos e is­so ge­rou eco­no­mia. Com is­so po­de­mos ter re­sul­ta­dos a mé­dio e lon­go pra­zos.

A equi­pe do mi­nis­tro Mag­gi es­tá pron­ta pa­ra en­tre­gar a pas­ta em ja­nei­ro?

Já es­ta­mos pre­pa­ra­dos pa­ra o pou­so. Exis­te um mo­men­to de ace­le­rar, exis­te o mo­men­to de ve­lo­ci­da­de de cru­zei­ro e exis­te o mo­men­to que te­mos que pre­pa­rar pa­ra o pou­so. Nós qu­e­re­mos dei­xar tu­do en­ca­mi­nha­do pa­ra que a pró­xi­ma ges­tão te­nha uma bús­so­la de qual o me­lhor ca­mi­nho a se­guir. Que é o que nós não ti­ve­mos.

Ca­so se­ja con­vi­da­do, há pos­si­bi­li­da­de des­sa equi­pe con­ti­nu­ar, em qual­quer go­ver­no que se­ja elei­to?

Só Deus sa­be. Não dá pa­ra pre­ver es­se fu­tu­ro.

SE­BAS­TIãO BAR­BO­SA: o no­vo pre­si­den­te da Embrapa, que exer­ceu seu úl­ti­mo car­go co­mo di­re­tor da uni­da­de Al­go­dão, em Cam­pi­na Gran­de (PB), tem fa­ma de es­tra­te­gis­ta em ques­tões in­ter­na­ci­o­nais

RO­BER­TO RO­DRI­GUES: o co­or­de­na­dor do GVA­gro diz que a Embrapa tem o de­sa­fio de de­mo­cra­ti­zar a tec­no­lo­gia no cam­po

LUIZ GUS­TA­VO NUS­SIO: pa­ra o di­re­tor ge­ral da Esalq/USP, as par­ce­ri­as pú­bli­co-pri­va­das pre­ci­sam en­trar na agen­da do se­tor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.