DRONES

Os ser­vi­ços de drones es­tão em al­ta até pa­ra quem ven­dia ape­nas má­qui­nas agrí­co­las. Sai­ba por que is­so é be­né­fi­co na di­gi­ta­li­za­ção da agri­cul­tu­ra

Dinheiro Rural - - CONTENTS - Fá­BIO MOITINHO, DE SO­RO­CA­BA (SP)

Sai­ba por que a Ca­se IH pas­sa a apos­tar em ser­vi­ços de ima­gem di­gi­tal

Ins­pi­ra­dos nas buzz bomb, as bom­bas vo­a­do­ras ale­mãs da dé­ca­da de 1960, e nas pri­mei­ras ae­ro­na­ves não tri­pu­la­das do en­ge­nhei­ro es­pa­ci­al ju­deu Abraham Ka­rem, na dé­ca­da de 1970, os drones de­fi­ni­ti­va­men­te ex­tra­po­la­ram as trin­chei­ras de guer­ra pa­ra so­bre­vo­ar ter­ri­tó­ri­os bem mais ame­nos. En­tre eles, fa­zen­das de grãos, de ca­na-de-açú­car e de flo­res­tas plan­ta­das no País. E, em vez de uma bom­ba, os equi­pa­men­tos es­tão mu­ni­dos com câ­me­ras fo­to­grá­fi­cas su­per­po­ten­tes, ca­pa­zes de cap­tar ima­gens in­fra­ver­me­lhas e até em 3D. “Es­sas má­qui­nas es­tão em cam­po na iden­ti­fi­ca­ção de plan­tas da­ni­nhas, de fa­lhas de plan­tio e em inú­me­ras ou­tras apli­ca­ções”, afir­ma o exe­cu­ti­vo ita­li­a­no Mir­co Ro­mag­no­li, vi­ce-pre­si­den­te da Ca­se IH pa­ra a Amé­ri­ca La­ti­na. “O uso do ma­pe­a­men­to aé­reo, re­a­li­za­do por meio de drones, ge­ra eco­no­mia de tem­po ao fa­zer le­van­ta­men­tos pa­ra sis­te­ma­ti­za­ção de áre­as de cul­ti­vo.” Uma cor­ri­quei­ra ta­re­fa de iden­ti­fi­ca­ção de li­nhas de plan­tio, que le­va até cin­co ho­ras em uma ope­ra­ção ma­nu­al, po­de ser fei­ta em 40 mi­nu­tos por um dro­ne.

Não é por me­nos que a mon­ta­do­ra, sub­si­diá­ria da CNH In­dus­tri­al, com se­de em So­ro­ca­ba (SP), gru­po que fa­tu­rou glo­bal­men­te US$ 28 bi­lhões no ano pas­sa­do, tra­tou de in­cor­po­rar os ser­vi­ços de ima­gens di­gi­tais, fei­tos por drones, em seu port­fó­lio de tra­to­res, co­lhe-

dei­ras, plan­ta­dei­ras e pul­ve­ri­za­do­res. “Mais do que má­qui­nas agrí­co­las, a mar­ca for­ne­ce tec­no­lo­gi­as que co­la­bo­ram pa­ra o pro­du­tor to­mar as de­ci­sões mais as­ser­ti­vas”, diz Ro­mag­no­li. “O ser­vi­ço de ma­pe­a­men­to aé­reo pas­sa a ser uma de­las.” A Ca­se IH não es­tá so­zi­nha na on­da da trans­for­ma­ção di­gi­tal do cam­po, cri­an­do ni­chos es­pe­cí­fi­cos pa­ra atrair o pro­du­tor. Ou­tras em­pre­sas do se­tor de má­qui­nas agrí­co­las, en­tre elas a ame­ri­ca­na John De­e­re, tam­bém que­rem abo­ca­nhar uma fa­tia des­se ne­gó­cio. Se­gun­do Fi­lip­po Di Ce­sa­re, CEO da En­gi­ne­e­ring do Bra­sil, o po­ten­ci­al é gran­de por­que ain­da são pou­cos os pro­du­to­res que de­man­dam por tec­no­lo­gi­as des­se ti­po no cam­po. “Pa­ra nós, tu­do bem que ha­ja sem­pre mais em­pre­sas ofe­re­cen­do so­lu­ções di­gi­tais ao agro­ne­gó­cio”, diz Ce­sa­re.

No ca­so dos drones, as ten­dên­ci­as são as mais pro­mis­so­ras pos­sí­veis pa­ra o agro­ne­gó­cio. Se­gun­do uma pes­qui­sa do ban­co ame­ri­ca­no Mer­ril Lyn­ch, até 2025, de ca­da dez apa­re­lhos em uso no mun­do, oi­to es­ta­rão li­ga­dos ex­clu­si­va­men­te à agri­cul­tu­ra. No Bra­sil, não há da­dos ofi­ci­ais so­bre a atu­al re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de ru­ral des­sas Ae­ro­na­ves Re­mo­ta­men­te Pi­lo­ta­das (ARPs) – o ter­mo, pa­ra a Agên­cia Na­ci­o­nal de Avi­a­ção Ci­vil (Anac) é mais ade­qua­do do que Veí­cu­lo Aé­reo Não Tri­pu­la­do (Vant). Se­gun­do a Anac, em se­tem­bro, eram de 11,7 mil ARPs ca­das­tra­das, 14,6 mil pi­lo­tos e um to­tal de 56,9 mil vo­os au­to­ri­za­dos. Nes­ta sa­fra 2018/2019, uma des­sas ae­ro­na­ves já co­me­ça a so­bre­vo­ar a fa­zen­da Igre­ja Ve­lha, do pro­du­tor Sid­nei Al­ber­ti, no mu­ni­cí­pio de Ti­ba­gi, no in­te­ri­or do Pa­ra­ná. São se­te mil hec­ta­res cul­ti­va­dos com mi­lho, so­ja, fei­jão, tri­go, ce­va­da e aveia. Se­gun­do Lau­ro Antunes Neto, ge­ren­te agrí­co­la da pro­pri­e­da­de, o apa­re­lho pas­sa a aju­dar na aná­li­se do tra­ça­do de li­nhas de plan­tio, além de ser uma boa fer­ra­men­ta pa­ra mo­ni­to­rar o de­sen­vol­vi­men­to da sa­fra. “Os drones são a mais no­va tec­no­lo­gia que vem ga­nhan­do es­pa­ço na agri­cul­tu­ra”, diz Antunes Neto. “Apos­tar ne­les é ga­nhar tem­po e be­ne­fí­ci­os pa­ra quem cui­da da plan­ta­ção.” Na fa­zen­da, man­ter os re­sul­ta­dos de sa­fra é uma ta­re­fa diá­ria. Não é à toa que a pro­pri­e­da­de re­gis­tra uma das pro­du­ti­vi­da­des mais al­tas de sua re­gião. Na sa­fra de ve­rão pas­sa­da, a pro­du­ti­vi­da­de de mi­lho che­gou a 11,5 mil qui­los por hec­ta­re, 16,5% a mais que a mé­dia do mu­ni­cí­pio e 85,5% aci­ma da mé­dia es­ta­du­al. A so­ja tam­bém es­tá na mes­ma li­nha. O ren­di­men­to mé­dio do grão, na sa­fra pas­sa­da, foi de 4,2 mil qui­los por hec­ta­re, 2,4% aci­ma da mé­dia lo­cal e 14,7% aci­ma da es­ta­du­al. No ca­so do ser­vi­ço de drones da Ca­se IH, a fer­ra­men­ta pas­sa a in­te­grar uma sé­rie de tec­no­lo­gi­as di­gi­tais já pre­sen­tes na pro­pri­e­da­de, co­mo o ma­pe­a­men­to da co­lhei­ta de grãos, a co­le­ta sis­te­ma­ti­za­da de amos­tras de so­lo, a apli­ca­ção de cal­cá­rio e de clo­re­to de po­tás­sio em ta­xa va­riá­vel, além do ma­pe­a­men­to das apli­ca­ções de agroquí­mi­cos.

São exem­plos com o da Igre­ja Ve­lha que a En­gi­ne­e­ring do Bra­sil, com se­de na ca­pi­tal pau­lis­ta, quer mul­ti­pli­car no País, on­de há 5,1 mi­lhões de pro­pri­e­da­des ru­rais, de acor­do com o Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca. Pa­ra a em­pre­sa, o de­sa­fio é nu­mé­ri­co. Dos cer­ca de R$ 200 mi­lhões de re­cei­ta des­te ano, ape­nas 8% vêm do agro­ne­gó­cio. Pa­ra Di Ce­sa­re, au­men­tar a fa­tia ru­ral nos ne­gó­ci­os da em­pre­sa pas­sa por uma ofer­ta es­tru­tu­ra­da de da­dos dos sis­te­mas ela­bo­ra­dos pe­la com­pa­nhia, nos quais tam­bém es­tão os ser­vi­ços de cap­ta­ção e aná­li­se de ima­gens de drones. “Ho­je, o gran­de va­lor e a gran­de com­ple­xi­da­de pa­ra as em­pre­sas que pre­ci­sam atu­ar no mun­do di­gi­tal es­tá em da­dos”, diz Di Ce­sa­re. “Tra­ta-se do ou­ro re­al e que ain­da é mui­to pou­co apro­vei­ta­do.” Atu­al­men­te, os ser­vi­ços de ima­gens têm si­do de­man­da­dos pe­los se­to­res su­cro­e­ner­gé­ti­co e de flo­res­tas plan­ta­das, mas o agro­ne­gó­cio é sus­ten­ta­do por cer­ca de 60 ca­dei­as de cul­tu­ras.

“O uso do ma­pe­a­men­to aé­reo, re­a­li­za­do por meio de drones, ge­ra eco­no­mia de tem­po”MIR­CO RO­MAG­NO­LI, vi­ce-pre­si­den­te da Ca­se IH

AJU­DAN­TE ROBóTICO: a Ca­se IH mos­tra o dro­ne que faz par­te dos ser­vi­ços di­gi­tais da em­pre­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.