TOU­ROS

De­man­da por me­lho­res re­pro­du­to­res vai jun­to com al­ta nas ven­das de sêmen. Sai­ba por que a tem­po­ra­da 2018 aque­ce o mer­ca­do de ge­né­ti­ca bo­vi­na

Dinheiro Rural - - CONTENTS -

Pe­cu­a­ris­tas em bus­ca de uma pro­du­ção de mais sus­ten­tá­vel in­ves­tem em ani­mais de ge­né­ti­ca su­pe­ri­or

Ope­cu­a­ris­ta Gil­ber­to dos San­tos, 44 anos, tem 28 mil hec­ta­res de ter­ras no nor­te do Es­ta­do de Ma­to Gros­so. São três fa­zen­das que per­ten­cem à fa­mí­lia do em­pre­sá­rio, nas quais há 25 mil ani­mais da ra­ça ne­lo­re, en­tre pu­ros e cru­za­dos com angus. Por ser um adep­to da In­se­mi­na­ção Artificial em Tem­po Fi­xo (IATF), téc­ni­ca que le­va ra­pi­dez, agi­li­da­de e se­gu­ran­ça no pro­ces­so de pa­ri­ção de be­zer­ros, San­tos não abre mão da com­pra de tou­ros de qua­li­da­de ge­né­ti­ca su­pe­ri­or. Em agos­to, ele era um dos com­pra­do­res aten­tos ao que en­tra­va na pis­ta do 20º Me­ga­lei­lão Ne­lo­re CFM, re­a­li­za­do em São Jo­sé do Rio Pre­to (SP). A Agro-Pe­cuá­ria CFM, que per- ten­ce à fa­mí­lia Ves­tey, um dos mai­o­res im­por­ta­do­res de ali­men­tos da In­gla­ter­ra e que es­tá no Bra­sil des­de o iní­cio do sé­cu­lo pas­sa­do, ven­deu 40 mil tou­ros nas du­as úl­ti­mas dé­ca­das, dos quais 15 mil tou­ros fo­ram nos Me­ga­lei­lões que ocor­rem to­dos os anos.

San­tos foi um dos pri­mei­ros a che­gar ao lei­lão e não saiu do re­cin­to

en­quan­to o lei­lo­ei­ro não ba­teu o mar­te­lo pa­ra o úl­ti­mo ani­mal. No to­tal, le­vou do even­to uma car­ga de tou­ros de 16 ani­mais, dos 566 ven­di­dos em dois di­as. “Que­ria com­prar mais, mas ar­re­ma­tei o que deu”, diz ele. “Não com­prei o que que­ria por­que o pre­ço da ar­ro­ba es­tá bai­xo e o pre­ço do tou­ro es­tá al­to.” A mé­dia do lei­lão foi de R$ 10,3 mil. Nas fa­zen­das de San­tos há 350 tou­ros, dos quais 100 ele es­tá tro­can­do por ani­mais mais jo­vens e de ge­né­ti­ca ain­da mais apu­ra­da.

O Bra­sil pos­sui um re­ba­nho de 2,1 mi­lhões de tou­ros, se­gun­do a con­sul­to­ria IEG-FNP, de São Pau­lo. Co­mo a ori­en­ta­ção téc­ni­ca pa­ra que 20% des­se re­ba­nho se­ja tro­ca­do a ca­da ano, ca­so is­so ocor­res­se, se­ri­am ne­ces­sá­ri­os cer­ca de 400 mil ani­mais por sa­fra. Mas as con­tas mais oti­mis­tas da ofer­ta de tou­ros su­pe­ri­o­res, ava­li­a­dos em pro­gra­mas de me­lho­ra­men­to ge­né­ti­co, não pas­sam de 50 mil ani­mais por ano. Daí a ra­zão do mer­ca­do fir­me, mes­mo com o pre­ço da ar­ro­ba do boi gor­do, que re­gu­la o seg­men­to, es­tag­na­da pró­xi­mo de R$ 140 nas úl­ti­mas três sa­fras. O lei­lo­ei­ro Lou­ren­ço Miguel Cam­po, que or­ga­ni­za cer­ca de 160 lei­lões por ano, diz que os pre­ços mais al­tos es­tão con­cen­tra­dos em um ti­po de ofer­ta. “Pa­ra os lei­lões de mar­ca a his­tó­ria mu­dou nos úl­ti­mos me­ses”, diz ele. “As mé­di­as me­lho­ra­ram en­tre 5% e 10% em re­la­ção ao ano pas­sa- do.” No ca­so do lei­lão da CFM a mé­dia foi 7,5% aci­ma de 2017.

O mer­ca­do de sêmen tam­bém aju­da a ex­pli­car a ven­da de tou­ros su­pe­ri­o­res. Is­so por­que as fê­me­as que não em­pre­nham no pro­ces­so de IATF es­tão ca­da vez mais sen­do co­ber­tas por tou­ros que sa­em de pro­gra­mas de me­lho­ra­men­to, co­mo o CFM, PMGZ, USP, Embrapa, Qu­a­li­tas, en­tre ou­tros. É o ca­so de San­tos, que aba­te cer­ca de se­te mil ani­mais por ano, dos quais cin­co mil em con­fi­na­men­to e dois mil em se­mi­con­fi­na­men­to. Ele já che­gou a aba­ter o seu ga­do com qua­tro anos de ida­de, mas ho­je os ani­mais sa­em pa­ra o fri­go­rí­fi­co aos dois anos, com os ma­chos pe­san­do 22 ar­ro­bas. “Foi com boa ge­né­ti­ca que me­lho­rei a pre­co­ci­da­de mé­dia do re­ba­nho”, diz ele. “É pre­ci­so fa­zer is­so por­que o ne­gó­cio pe­cuá­ria é um gran­de de­sa­fio com mar­gens aper­ta­das.” Há uma variação a ca­da ano, mas no seu re­ba­nho de 10 mil fê­me­as a IATF é apli­ca­da em cer­ca de 80% de­las, em bus­ca de be­zer­ros meio-san­gue ne­lo­re com angus. Os tou­ros, to­dos ne­lo­re, se des­ti­nam a cer­ca du­as mil fê­me­as, mais aque­las que sa­em da IATF sem em­pre­nhar.

No ano pas­sa­do fo­ram ven­di­das 8,1 mi­lhões de do­ses de sêmen de 17 ra­ças de cor­te, li­de­ra­das por angus com 3,8 mi­lhões de do­ses, e o ne­lo­re, com 3,1 mi­lhões. No mês pas­sa­do, a As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de In­se­mi­na­ção Artificial (As­bia), en­ti­da­de que re­pre­sen­ta em­pre­sas que de­têm aci­ma de 90% do sêmen co­mer­ci­a­li­za­do no País, mos­trou que no pri­mei­ro se­mes­tre de 2018 as ven­das ge­rais, en­tre ra­ças de cor­te e lei-

tei­ras, fo­ram de 5,1 mi­lhões de do­ses. O vo­lu­me é 9% aci­ma do pe­río­do de ja­nei­ro a ju­nho de 2017. Mas as ra­ças de cor­te cres­ce­ram mais. O au­men­to foi de 14,2%, o equi­va­len­te a 2,9 mi­lhões de do­ses ven­di­das. Sér­gio Saud, pre­si­den­te da As­bia, diz que o re­sul­ta­do já era es­pe­ra­do, mas que no ca­so das ra­ças de cor­te ele veio mai­or do que o pre­vis­to. “O pe­cu­a­ris­ta que co­me­ça a usar a in­se­mi­na­ção não vol­ta atrás e co­me­ça a ser for­mar um cír­cu­lo vir­tu­o­so”, afir­ma Saud. “Um tou­ro me­lhor ser­ve pa­ra não per­der a equi­va­lên­cia da­que­le sêmen de qua­li­da­de uti­li­za­do na IATF.” Pa­ra Luiz Adri­a­no Teixeira, pre­si­den­te da cen­tral ho­lan­de­sa CRV La­goa, os pe­cu­a­ris­tas que com­pram sêmen e tou­ros ava­li­a­dos for­mam um pú­bli­co mais téc­ni­co. “A CRV aten­de um quar­to do mer­ca­do de sêmen na­ci­o­nal da ra­ça angus e seu uso não tem vol­ta”, afir­ma. “Nos úl­ti­mos 12 anos, com tes­tes em bus­ca dos me­lho­res tou­ros da ra­ça, es­se pú­bli­co tam­bém fi­cou mais qua­li­fi­ca­do”. O mes­mo va­le pa­ra a ra­ça ne­lo­re.

Pa­ra Ge­ral­do Mar­tins, pre­si­den­te da Agro-Pe­cuá­ria CFM, a de­man­da do mer­ca­do de ge­né­ti­ca é gran­de, mas não avan­ça ain­da mais ra­pi­da­men­te por cau­sa do mer­ca­do de car­ne. “O pe­cu­a­ris­ta, de mo­do ge­ral, ain­da ven­de ar­ro­ba de boi e não qua­li­da­de de car­ne”, afir­ma Mar­tins. “E pa­ra che­gar a es­sa qua­li­da­de é pre­ci­so mui­ta pes­qui­sa e aten­ção no que acon­te­ce no cam­po.” Mas ven­das mais fir­mes pa­ra os tou­ros e cres­ci­men­to pa­ra o sêmen mos­tram que a eli­te da pe­cuá­ria vê pe­la fren­te um mer­ca­do de­man­da­do pa­ra a car­ne de qua­li­da­de. Is­so por­que o sêmen e tou­ra­da de ago­ra se­rá o bi­fe que vai pa­ra a me­sa den­tro de dois anos. De acor­do com Saud, es­se mer­ca­do so­men­te não foi mai­or em anos an­te­ri­o­res por con­ta da eco­no­mia do país. “Car­ne de me­lhor qua­li­da­de vem de ge­né­ti­ca me­lhor”, diz ele. “Nos anos an­te­ri­o­res a 2014, mui­ta gen­te ex­pe­ri­men­tou o que é um bom cor­te de car­ne, mas ho­je não com­pra por ren­da. Com a eco­no­mia me­lho­ran­do es­se pú­bli­co vai re­tor­nar às com­pras.”

A fa­zen­da Va­le do Boi, no mu­ni­cí­pio de Car­mo­lân­dia (TO), de pro­pri­e­da­de do pe­cu­a­ris­ta Epa­mi­non­das de An­dra­de e seus fi­lhos Ricardo de An­dra­de e Pau­lo de An­dra­de, é um exem­plo des­sa ca­mi­nha­da em bus­ca da ex­ce­lên­cia. À pro­cu­ra de ani­mais mais ren­tá­veis no gan­cho do fri­go­rí­fi­cos, as pro­vas de ava­li­a­ção de ne­lo­re fa­zem par­te de uma ro­ti­na que já com­ple­tou três dé­ca­das. Vêm de uma épo­ca em que as ano­ta­ções do me­lho­ra­men­to do ga­do eram fei­tas em ca­der­ne­ta. Ho­je, a fa­zen­da aca­sa­la mil fê­me­as por sa­fra, ana­li­san­do uma a uma o de­sem­pe­nho das cri­as an­te­ri­o­res, qual tou­ro foi usa­do e qual de­les ele­var a per­for­man­ce dos fi­lhos des­sas va­cas. Por ano, há mais de uma dé­ca­da são ven­di­dos cer­ca de 200 ani­mais. Sen­do que a pri­mei­ra ava­li­a­ção de ga­nho de pe­so foi re­a­li­za­da por An­dra­de ain­da na dé­ca­da de 1990. No Nor­te, es­tá en­tre os pi­o­nei­ros. No su­má­rio de tou­ros da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Cri­a­do­res de Ze­bu, on­de es­tão 30 mil ani­mais, há oi­to tou­ros de An­dra­de en­tre os pri­mei­ros 100 me­lho­res ani­mais. “Em ne­nhu­ma hi­pó­te­se eu uso tou­ros meus ou com­pra­dos de ter­cei­ros que não te­nham pas­sa­do por ava­li­a­ção”, diz An­dra­de. “Vo­cê só des­co­bre os bons ani­mais com as pro­vas e são eles fa­zer a pe­cuá­ria avan­çar.”

DE OLHO: o pe­cu­a­ris­ta ma­to­gros­sen­se Gil­ber­to dos San­tos com­prou uma car­ga de tou­ros ne­lo­re no lei­lão da CFM e que­ria mais

PA­RA O PASTO: Ge­ral­do Mar­tins, pre­si­den­te da Agro­Pe­cuá­ria CFM, diz que a de­man­da do mer­ca­do de ge­né­ti­ca é gran­de e es­tá re­pre­sa­da

AVA­LI­A­DOS: Sér­gio Saud, da As­bia (à esq.) e o ne­lo­ris­ta Epa­mi­non­das de An­dra­de co­mun­gam da mes­ma cren­ça. É pre­ci­so apos­tar em ge­né­ti­ca su­pe­ri­or pa­ra ter uma pe­cuá­ria de qua­li­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.