VINHO

AS VI­NÍ­CO­LAS ES­TÃO SE ORGANIZANDO PA­RA MOS­TRAR QUE O PRO­DU­TO NA­CI­O­NAL PO­DE SATISFAZER UM CON­SU­MI­DOR ABER­TO A EX­PE­RI­ÊN­CI­AS. A OR­DEM É IN­VES­TIR EM CON­CEI­TO E IN­FRA­ES­TRU­TU­RA

Dinheiro Rural - - CONTENTS - VE­RA ON­DEI E CAUÊ VIZZACCARO

Prin­ci­pais vi­ní­co­las bra­si­lei­ras des­mis­ti­fi­cam a for­ma de be­ber pa­ra atrair no­vos con­su­mi­do­res

Ace­na que abre um fil­me de 30 se­gun­dos no ca­nal You­tu­be, pro­du­zi­do pe­lo Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro do Vinho (Ibra­vin), é a de uma ba­la­da, com mui­ta gen­te jo­vem dan­çan­do, se jo­gan­do nu­ma pis­ci­na, co­men­do ba­ta­ta fri­ta ou se equi­li­bran­do em um ska­te. A mú­si­ca ele­trô­ni­ca acom­pa­nha gar­ra­fas de vinho sen­do agi­ta­das, mer­gu­lha­das em to­néis de ge­lo, com a be­bi­da de­gus­ta­da até em co­pos plás­ti­cos. Em con­tras­te com as ima­gens ir­re­ve­ren­tes, uma voz fe­mi­ni­na, que po­de­ria ser a de uma som­me­liè­re, ex­pli­ca que pa­ra ga­ran­tir as ca­rac­te­rís­ti­cas de um vinho, a gar­ra­fa de­ve ser man­ti­da na po­si­ção ho­ri­zon­tal, lon­ge da luz e do ba­ru­lho, em ta­ças ade­qua­das pa­ra pre­ser­var aro­mas, além das ne­ces­sá­ri­as har­mo­ni­za­ções ao ri­to da be­bi­da. Ou se­ja, as ima­gens não se ca­sam com a men­sa­gem. Mas a com­po­si­ção é pro­po­si­tal. As ce­nas, di­a­me­tral­men­te opos­tas ao tex­to, é o co­ra­ção da cam­pa­nha “Seu vinho, su­as re­gras”, do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Vinho (Ibra­vin). A ideia é le­var uma no­va ge­ra­ção a in­cor­po­rar a be­bi­da em seus há­bi­tos de con­su­mo, não im­por­tan­do quais se­jam. Is­so por­que a pro­du­ção do Rio Gran­de do Sul de be­bi­das à ba­se de uva, en­tre vi­nhos, es­pu­man­tes e

de­ri­va­dos, que no ano pas­sa­do che­gou a 485,4 mi­lhões de li­tros, vo­lu­me 141,8% aci­ma do ano an­te­ri­or, ain­da é mui­to bai­xa. O Es­ta­do res­pon­de por 90% da pro­du­ção de vi­nhos no Bra­sil. Com is­so, o País ocu­pa a 14ª po­si­ção no ran­king dos mai­o­res pro­du­to­res do mun­do, um se­tor que no ano pas­sa­do mo­vi­men­tou 30,4 bi­lhões em ex­por­ta­ções, se­gun­do da­dos da Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal do Vinho (OIV), com se­de em Pa­ris.

Jun­tan­do o vinho im­por­ta­do, o bra­si­lei­ro con­so­me cer­ca de dois li­tros per ca­pi­ta ao ano, vo­lu­me ir­ri­só­rio an­te 30 li­tros nos paí­ses eu­ro­peus e cer­ca de 20 li­tros nos paí­ses pró­xi­mos, co­mo a Ar­gen­ti­na e o Chi­le. Mas, mais gra­ve que is­so, é a

mar­cha len­ta na qual a in­dús­tria vi­ní­co­la bra­si­lei­ra tem an­da­do nos qua­tro anos an­te­ri­o­res a 2017 e que o se­tor es­pe­ra re­ver­ter em 2018, inau­gu­ran­do o iní­cio da as­cen­são a um no­vo pa­ta­mar de con­su­mo. Os de­sa­fi­os são gran­des e di­ver­sos, in­do da dis­pu­ta de es­pa­ço com os vi­nhos im­por­ta­dos a tri­bu­tos que one­ram além da con­ta a in­dús­tria na­ci­o­nal. Os im­pos­tos, ho­je con­cen­tra­dos­na saí­da do pro­du­to nas vi­ní­co­las, po­dem do­brar o pre­ço da be­bi­da. Por exem­plo, um vinho que cus­ta­ria R$ 78 sem im­pos­to, che­ga ao con­su­mi­dor por R$ 158, ou se­ja, a in­dús­tria ban­ca R$ 80 an­tes da ven­da do pro­du­to ao con­su­mi­dor. Mas o se­tor, com­pos­to por cer­ca de 150 vi­ní­co­las, pa­re­ce de­ci­di­do a en­fren­tar os de­sa­fi­os des­sa ca­deia tem in­ves­ti­do pa­ra is­so. “Em 2018, es­ta­mos pro­du­zin­do o que cha­ma­mos de sa­fra de vi­nhos len­dá­ri­os”, diz Adri­a­no Mi­o­lo, her­dei­ro e su­pe­rin­ten­den­te do gru­po Mi­o­lo, com se­de em Ben­to Gonçalves (RS), que de­ve fa­tu­rar R$ 150 mi­lhões nes­te ano. “Te­mos a me­lhor sa­fra da Mi­o­lo dos úl­ti­mos 18 anos e ela abre uma no­va pá­gi­na na nos­sa his­tó­ria”. A par­tir dos anos 2000, a em­pre­sa ini­ci­ou um agres­si­vo pro­ces­so de ex­pan­são, no qual já fo­ram in­ves­ti­dos

OS­CAR Ló, pre­si­den­te da vi­ní­co­la Ga­ri­bal­di e do Ibra­vin

R$ 100 mi­lhões. Atu­al­men­te são R$ 5 mi­lhões anu­ais em ações de mar­ke­ting. O exe­cu­ti­vo se re­fe­re à sa­fra 2018 já en­cer­ra­da no Sul do País, e na Bahia nos pró­xi­mos me­ses, co­mo uma das me­lho­res em fun­ção do cli­ma se­co, o que le­va a uma fru­ta com mai­or con­cen­tra­ção de açú­ca­res e ta­ni­nos. “A qua­li­da­de da sa­fra vai nos le­var a vi­nhos de ex­ce­lên­cia”, afir­ma Adri­a­no. A Mi­o­lo co­lhe cer­ca de dez mi­lhões de qui­los de uvas por sa­fra, em mil hec­ta­res de vi­nhe­dos pró­pri­os. E co­lo­ca no mer­ca­do be­bi­das que co­me­çam em cer­ca de R$ 20 a gar­ra­fa ao con­su­mi­dor, até R$ 800, co­mo po­de che­gar o lo­te cha­ma­do Ses­ma­ri­as que che­ga­rá no mer­ca­do em 2020. No ano pas­sa­do, a Mi­o­lo ven­deu oi­to mi­lhões de gar­ra­fas de vi­nhos. “Mas qu­e­re­mos vol­tar a ven­der dez mi­lhões de gar­ra­fas, co­mo acon­te­ceu em 2014”, afir­ma Adri­a­no.

Pa­ra o exe­cu­ti­vo Os­car Ló, pre­si­den­te do Ibra­vin e da co­o­pe­ra­ti­va Vi­ní­co­la Ga­ri­bal­di, com­pos­ta por 400 agri­cul­to­res de 15 mu­ni­cí­pi­os da re­gião da Ser­ra Gaú­cha, não há ou­tra saí­da se não in­ves­tir. A co­o­pe­ra­ti­va es­tá apli­can­do R$ 7,5 mi­lhões nes­te ano, em me­lho­ri­as es­tru­tu­rais pa­ra au­men­tar a ca­pa­ci­da­de de pro­ces­sa­men­to de uvas. “O mon­tan­te é o do­bro do ini­ci­al­men­te pre­vis­to”, diz ele. “Ti­ve­mos um evi­den­te ga­nho de mer­ca­do no seg­men­to de es­pu­man­tes, o que an­te­ci­pou a con­so­li­da­ção de uma das di­re­tri­zes da co­o­pe­ra­ti­va, que é in­ves­tir na am­pli­a­ção do re­ce­bi­men­to de uvas bran­cas pa­ra es­pu­man­tes.”

O pla­no da co­o­pe­ra­ti­va é au­men­tar em 40% a ca­pa­ci­da­de de pro­ces­sa­men­to de uvas, ou cres­cer até 50% no vo­lu­me dos es­pu­man­tes, che­gan­do a 25 mi­lhões de qui­los de uvas pro­ces­sa­das até 2020. Na sa­fra 2017/2018 fo­ram 20 mil to­ne­la­das de uvas pro­ces­sa­das, com pro­du­ção de 15 mi­lhões de li­tros de be­bi­das, das quais oi­to mil to­ne­la­das pa­ra su­co, seis mil to­ne­la­das pa­ra es­pu­man­tes, qua­tro mil to­ne­la­das pa­ra vi­nhos e du­as mil to­ne­la­das pro­ces­sa­das pa­ra ou­tras in­dús­tri­as. “O es­pu­man­te na­ci­o­nal se con­so­li­dou e o vinho ain­da não”, afir­ma Ló. “Mas o pre­con­cei­to em re­la­ção ao pro­du­to na­ci­o­nal não exis­te mais, o con­su­mi­dor gos­ta de ex­pe­ri­men­tar no­vi­da­des e é nis­so que apos­ta­mos.”

Na vi­ní­co­la Au­ro­ra, de Ben­to Gonçalves (RS), com re­cei­ta de R$ 512 mi­lhões e pre­vi­são de 10% de au­men­to nes­te ano, os in­ves­ti­men­tos são de R$ 30 mi­lhões e vi­sam a re­es­tru­tu­rar o par­que in­dus­tri­al. Das três uni­da­des lo­ca­li­za­das no cha­ma­do Va­le dos Vi­nhe­dos, uma es­tá sen­do am­pli­a­da pa­ra en­va­sar to­do o su­co de uva a par­tir do iní­cio de 2019. Atu­al­men­te, ele é de 35 mi­lhões de li­tros e a pre­vi­são são 70 mi­lhões em cin­co anos. De acor­do com Hermínio Ficagna, di­re­tor-ge­ral da Vi­ní­co­la Au­ro­ra, a or­dem é ge­rir pro­ces­sos. “Com es­tra­té­gia, a eco­no­mia anu­al se­rá de R$ 3 mi­lhões em pro­ces­sos e lo­gís­ti­ca”, diz ele. As 61,5 mil to­ne­la­das de uvas en­tre­gues à in­dús­tria nes­te ano fo­ram cul­ti­va­das por 610 gru­pos fa­mi­li­a­res. Atu­al­men­te, os vi­nhe­dos ocu­pam 2,7 mil hec­ta­res, mas com os in­ves­ti­men­tos se­rão ne­ces­sá­ri­os mais 800 hec­ta­res pa­ra co­brir a de­man­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.