CRé­DI­TO ORI­EN­TA­DO

CO­MO OS BAN­COS SE TOR­NA­RAM PON­TES SEGURAS PA­RA QUE O PRO­DU­TOR TOME CRÉ­DI­TO RU­RAL

Dinheiro Rural - - CONTENTS - FÁ­BIO MOITINHO

Co­mo a con­sul­to­ria téc­ni­ca dos ban­cos tem aju­da­do o pro­du­tor ru­ral

Uma de­ze­na de apli­ca­ti­vos gra­tui­tos pa­ra ce­lu­lar es­tá a um to­que de dis­tân­cia dos pro­du­to­res ru­rais. As pla­ta­for­mas levam in­for­ma­ções diá­ri­as de cli­ma, pre­ços fu­tu­ros das prin­ci­pais com­mo­di­ti­es, co­ta­ções do dó­lar, além de da­dos atu­a­li­za­das da pro­du­ção. Na lis­ta dos apps tem até um que dá di­cas da me­lhor for­ma de co­mer­ci­a­li­za­ção. Adi­ci­o­nal­men­te às pla­ta­for­mas di­gi­tais, há uma sé­rie de pro­fis­si­o­nais, en­tre agrô­no­mos, ve­te­ri­ná­ri­os e zo­o­tec­nis­tas, que es­tão à dis­po­si­ção do pro­du­tor pa­ra sa­nar qual­quer ti­po de dú­vi­da. Não, não se tra­ta de mais um no­vo ser­vi­ço de uma re­cém-nas­ci­da star­tup do cam­po. Pe­lo con­trá­rio. Os ser­vi­ços são de um com­pa­nhei­ro de lon­ga da­ta do pro­du­tor: o ban­co. “Há tem­pos as ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras dei­xa­ram de ser sim­ples­men­te um agen­te de con­ces­são de cré­di­to”, diz o eco­no­mis­ta Tar­cí­sio Hüb­ner, vi­ce-pre­si­den­te de Agro­ne­gó­ci­os do Ban­co do Bra­sil. “Ho­je, es­sas ins­ti­tui­ções se for­ta­le­cem pa­ra dar um su­por­te mais ade­qua­do ao pro­du­tor na ho­ra da apro­va­ção de cré­di­to.”

É com es­se ti­po ên­fa­se que agen­tes fi­nan­cei­ros, co­mo o Ban­co do Bra­sil, o Bra­des­co e o Sis­te­ma de Co­o­pe­ra­ti­vas de Cré­di­to do Bra­sil (Si­co­ob), es­ti­mu­lam ca­da vez mais o cré­di­to ori­en­ta­do. Tra­ta-se de uma das mo­da­li­da­des em que o pro­du­tor é gui­a­do tec­ni­ca­men­te, atra­vés de as­sis­tên­cia pres­ta­da pe­lo ban­co, e que po­de ser fei­ta di­re­ta­men­te ou atra­vés de en­ti­da­des es­pe­ci­a­li­za­das de ex­ten­são ru­ral. “Es­se tra­ba­lho é a for­ma mais efi­ci­en­te pa­ra a ges­tão dos re­cur­sos”, diz Hüb­ner. “Evi­ta que o pro­du­tor fa­ça in­ves­ti-

men­tos aci­ma de sua ca­pa­ci­da­de.” Do­no de cin­co mil agên­ci­as, uma car­tei­ra to­tal de cré­di­to de R$ 633,5 bi­lhões, sen­do R$ 187,9 bi­lhões no agro­ne­gó­cio, na sa­fra pas­sa­da o Ban­co do Bra­sil de­sem­bol­sou R$ 85,1 bi­lhões aos pro­du­to­res. Is­so re­pre­sen­tou 55,7% do Pla­no Agrí­co­la e Pe­cuá­rio (PAP) 2017/2018. A pers­pec­ti­va é che­gar em R$ 103 bi­lhões nes­ta sa­fra. Com o re­sul­ta­do, o ban­co não só se con­so­li­da co­mo o mai­or agen­te fi­nan­cei­ro pa­ra o pro­du­tor ru­ral, mas co­mo a mai­or re­de de aten­di­men­to no cam­po. A ins­ti­tui­ção pos­sui 247 as­ses­so­res téc­ni­cos, en­tre en­ge­nhei­ros agrô­no­mos, ve­te­ri­ná­ri­os e zo­o­tec­nis­tas, além de uma equi­pe de 713 ge­ren­tes es­pe­ci­a­li­za­dos no agro­ne­gó­cio. “Es­ses ge­ren­tes são ca­pa­ci­ta­dos pa­ra en­ten­der a ati­vi­da­de da sua re­gião e po­dem ori­en­tar o pro­du­tor so­bre os cus­tos e co­mer­ci­a­li­za­ção, por exem­plo”, diz Hüb­ner.

Re­cen­te­men­te, o BB ex­pan­diu su­as fron­tei­ras de re­la­ci­o­na­men­to no cam­po ao lan­çar o app Agro­bot, um con­sul­tor vir­tu­al que in­te­ra­ge com o pro­du­tor. Com o cru­za­men­to de in­for­ma­ções pe­la in­ter­net, o apli­ca­ti­vo te­ce re­co­men­da­ções de cus­tos, opor­tu­ni­da­des de ven­das e aju­da o pro­du­tor no pla­ne­ja­men­to fi­nan­cei­ro. “E, cla­ro, le­va ao pro­du­tor al­gu­mas al­ter­na­ti­vas de li­nhas de cré­di­to”, diz Hüb­ner. “Por en­quan­to, a fer­ra­men­ta faz si­mu­la­ções nas cul­tu­ras de so­ja, mi­lho, ca­fé, tri­go, al­go­dão e ar­roz.” O apli­ca­ti­vo po­de ser ins­ta­la­do em apa­re­lhos com sis­te­mas iOS (Ap­ple) e An­droid (Go­o­gle).

Na co­la do BB, o Bra­des­co tam­bém é um dos que tem cri­a­do so­lu­ções di­gi­tais, le­van­do re­co­men­da­ções ao pro­du­tor, além de man­ter um ser­vi­ço es­pe­ci­a­li­za­do e de­di­ca­do ao agro­ne­gó­cio. Atu­al­men­te são cer­ca de 200 pro­fis­si­o­nais, en­tre agrô­no­mos e téc­ni­cos agrí­co­las, que dão o su­por­te so­bre cré­di­to ori­en­ta­do, se­gun­do o ad­mi­nis­tra­dor de em­pre­sas Leandro Jo­sé Di­niz, di­re­tor de Em­prés­ti­mos e Fi­nan­ci­a­men­tos do ban­co. “É com o ti­me que, du­ran­te uma vi­si­ta na fa­zen­da do pro­du­tor, o ban­co po­de le­var uma vi­são mais com­ple­ta e di­fe­ren­ci­a­da de cré­di­to”, afir­ma Di­niz. “É o mo­men­to em que po­de­mos en­xer­gar as ne­ces­si­da­des do pro­du­tor.” Com ori­gem no mu­ni­cí­pio de Ma­rí­lia (SP), o Bra­des­co é uma das ins­ti­tui­ções que se van­glo­ria de su­as raí­zes no cam­po, sem nun­ca ter dei­xa­do de la­do es­sa ori­gem. Pa­ra Di­niz, é o que man­tém a for­ça do ban­co no in­te­ri­or. Com um to­tal de 4,7 mil agên­ci­as, a ins­ti­tui­ção pos­sui uma car­tei­ra de R$ 22 bi­lhões no agro­ne­gó­cio. Con­si­de­ran­do ape­nas os ban­cos pri­va­dos, is­so re­pre­sen­ta 26% de par­ti­ci­pa­ção no cré­di­to ru­ral. A car­tei­ra de cré­di­to to­tal do Bra­des­co é de

R$ 492,9 bi­lhões.

Di­nhei­ro tam­bém é o que não fal­ta pa­ra o sis­te­ma de co­o­pe­ra­ti­vis­mo de cré­di­to, en­ca­be­ça­do pe­la Si­co­ob. Do­no de 895 agên­ci­as e uma car­tei­ra de R$ 42,9 bi­lhões – R$ 12,3 bi­lhões pa­ra o agro­ne­gó­cio –, a co­o­pe­ra­ti­va faz pro­je­ções oti­mis­tas de cres­cer 15% na sa­fra 2018/2019, po­den­do fe­char em R$ 14,2 bi­lhões. A on­da de ju­ros re­du­zi­dos pe­lo go­ver­no fe­de­ral no atu­al PAP 2018/2019 é o que sus­ten­ta as pro­je­ções (con­fi­ra a re­por­ta­gem da pá­gi­na 60). “A co­o­pe­ra­ti­va vai mui­to bem, quan­do o pro­du­tor vai bem”, diz Marco Au­ré­lio Al­ma­da, pre­si­den­te do Ban­co Co­o­pe­ra­ti­vo do Bra­sil (Ban­co­ob), li­ga­do ao Si­co­ob. “Por is­so, a im­por­tân­cia do cré­di­to ori­en­ta­do é gran­de, na me­di­da em que ele au­men­ta a com­pe­ti­ti­vi­da­de do pro­du­tor ru­ral as­so­ci­a­do à co­o­pe­ra­ti­va.” Pa­ra o agrô­no­mo Lu­ci­a­no Ri­bei­ro, su­pe­rin­ten­den­te de Ne­gó­ci­os e De­sen­vol­vi­men­to do Si­co­ob, a ori­en­ta­ção ao pro­du­tor é sub­si­di­a­da pe­lo pró­prio con­jun­to de co­o­pe­ra­ti­vas agrí­co­las as­so­ci­a­das. Além dis­so, o gru­po man­tém par­ti­ci­pa­ção ati­va em pro­gra­mas de ex­ten­são ru­ral, em par­ce­ria com ór­gãos es­ta­du­ais e mu­ni­ci­pais. “Cri­a­mos um am­bi­en­te no qual tra­ba­lha­mos o má­xi­mo pos­sí­vel pa­ra pres­tar o me­lhor ser­vi­ço ao pro­du­tor ru­ral no pro­ces­so de to­ma­da de de­ci­são de cré­di­to”, diz Ri­bei­ro.

Há tem­pos, as ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras dei­xa­ram de ser im­ples­men­te um No­no­no agen­te No­no­no­no, de ABor­pe­rat. con­ces­são Lam ing de eu cré­di­to” fa­ci f bfgnjb rge

Tar­cí­sio Hüb­ner, vi­ce-pre­si­den­te de Agro­ne­gó­ci­os do Ban­co do Bra­sil

BEM ESTRUTURADAS: com a aju­da dos ban­cos, os pro­du­to­res po­dem pla­ne­jar os in­ves­ti­men­tos nas pro­pri­e­da­des, sem so­bres­sal­tos, e bus­can­do a efi­ci­ên­cia do ne­gó­cio

PAR­CE­RIA: pa­ra Marco Au­ré­lio Al­ma­da, do Ban­co­ob, as par­ce­ri­as au­men­ta a com­pe­ti­ti­vi­da­de do pro­du­tor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.