PRA­ZO

SAI­BA POR QUE O PLA­NE­JA­MEN­TO NA PON­TA DO LÁ­PIS é O QUE DE FA­TO SAL­VA A LA­VOU­RA NA HO­RA DE IN­VES­TIR

Dinheiro Rural - - CONTENTS - Fá­BIO MOITINHO

Pla­ne­jar é pre­ci­so quan­do for a ho­ra de in­ves­tir na fa­zen­da

Quer um exem­plo de in­ves­ti­men­to que pa­re­ceu bom, mas, no fi­nal, foi mui­to de­sas­tro­so? Os ju­ros bai­xos pa­ra a com­pra de ca­mi­nhões, en­tre os anos 2009 e 2015. O go­ver­no fe­de­ral sub­si­di­ou o mer­ca­do que a ta­xa caís­se de cer­ca de 10% ao ano pa­ra 2,5% ao ano. “Até quem não pen­sa­va em ter um ca­mi­nhão, pas­sou a ter”, diz o agrô­no­mo Fer­nan­do Pi­men­tel, só­cio-di­re­tor da con­sul­to­ria Agro­se­cu­rity, de Vi­nhe­do (SP). “A mo­ral da his­tó­ria: o fre­te não so­be por­que a ofer­ta de ca­mi­nhões é enor­me e ti­ve­mos a gre­ve do se­tor. Is­so por­que to­do mun­do cor­reu na mes­ma di­re­ção, de­sor­de­na­da­men­te.” O fa­to exem­pli­fi­ca o que é pla­ne­jar pra­zos pa­ra os in­ves­ti­men­tos ne­ces­sá­ri­os, so­bre­tu­do em uma fa­zen­da. “Es­sen­ci­al­men­te, o pro­du­tor não pla­ne­ja, ele se­gue a on­da. Se a ta­xa de ju­ros for in­te­res­san­te, ele com­pra e pon­to fi­nal”, afir­ma Pi­men­tel. Mas, se o de­se­jo é a al­ta ren­ta­bi­li­da­de no cam­po, em lon­go pra­zo, es­sa cul­tu­ra pre­ci­sa dei­xar de exis­tir. Pa­ra is­so, o pro­du­tor pre­ci­sa fa­zer con­tas e cui­dar do flu­xo de cai­xa. E ca­da in­ves­ti­men­to tem o seu tem­po cer­to. É is­so que vai ga­ran­tir a pe­re­ni­da­de na ati­vi­da­de ru­ral.

Em um ano-sa­fra, ain­da são pou­cos os fa­zen­dei­ros que mo­ni­to­ram ro­ti­nei­ra- men­te va­riá­veis co­mo os pre­ços de ven­das, o cus­to de pro­du­ção e o que en­tra e sai de di­nhei­ro. “Se ex­tra­po­lar­mos pa­ra du­as ou mais sa­fras fu­tu­ras, es­se mo­ni­to­ra­men­to é pra­ti­ca­men­te ze­ro”, diz Pi­men­tel. No en­tan­to, a gra­vi­da­de do pro­ble­ma cai, de­pen­den­do o ta­ma­nho do in­ves­ti­men­to. A com­pra de uma má­qui­na é até acei­tá­vel, mes­mo quan­do não se pre­ci­sa de­la. O pro­ble­ma é a aqui­si­ção é de ter­ra. “A ope­ra­ção em si já é ca­ra”, diz Pi­men­tel. “E cer­ta­men­te de­man­da­rá ou­tros in­ves­ti­men­tos que o pro­du­tor nem con­ta­bi­li­za.” Cor­re­ção e adu­ba­ção de so­lo, e má­qui­nas e equi­pa­men­tos no­vos pa­ra es­sa no­va área, es­tão na lis­ta de in­ves­ti­men­tos. “Nes­se ca­so, não tem jei­to. O pro­du­tor de­ve fa­zer con­tas.” Apli­ca­ti­vos de ges­tão são uma óti­ma op­ção pa­ra mo­ni­to­rar bem es­sas con­tas, que, em ge­ral, po­dem es­tar no flu­xo de pa­ga­men­tos por mais de dez anos.

Es­sen­ci­al­men­te o pro­du­tor não pla­ne­ja. Ele se­gue a on­da. Se a ta­xa de ju­ros for No­no­no in­te­res­san­te, No­no­no­no, ele ABor­pe­rat. com­pra Lam e ing pon­to eu fa­ci fi­nal” f bfgnjb rge

Fer­nan­do Pi­men­tel, só­cio-di­re­tor da Agro­se­cu­rity

TER­RAS: in­ves­tir em no­vas áre­as exi­ge um bom co­nhe­ci­men­to do de­sem­pe­nho de uma pro­pri­e­da­de, em fun­ção do vo­lu­me de ca­pi­tal em­pre­ga­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.