“As em­pre­sas es­tão de olho nas ino­va­ções tra­zi­das pe­las star­tups”

Dinheiro Rural - - CAPA - VE­RA ON­DEI

Nos úl­ti­mos dois anos, Fran­cis­co Jar­dim, 38 anos, re­ce­beu 400 so­li­ci­ta­ções pa­ra que ana­li­sas­se a vi­a­bi­li­da­de de star­tups. Jar­dim é CEO da ges­to­ra de in­ves­ti­men­to SP Ven­tu­res, em São Pau­lo, a úni­ca do se­tor que se de­di­ca a pros­pec­tar em­pre­sas que pos­sam se trans­for­mar em gran­des ne­gó­ci­os de­di­ca­dos às so­lu­ções pa­ra o cam­po. Ad­mi­nis­tra­dor for­ma­do pe­la ame­ri­ca­na Saint Louis Uni­ver­sity, ele es­tá nes­se mer­ca­do há uma dé­ca­da. Ho­je, a SP Ven­tu­res tem 13 em­pre­sas sob a sua guar­da, in­ves­tin­do em sis­te­mas de ges­tão pa­ra fa­zen­das de agri­cul­tu­ra e de pe­cuá­ria, em fer­ti­li­da­de do so­lo, drones, sa­té­li­tes e bi­o­tec­no­lo­gi­as. No mês pas­sa­do, a SP Ven­tu­res re­a­li­zou o pri­mei­ro fi­nan­ci­a­men­to co­la­bo­ra­ti­vo no agro­ne­gó­cio (crowd­fun­ding, em in­glês), no qual in­ves­ti­do­res pes­so­as fí­si­cas com­pram ações de star­tups. Os in­ves­ti­do­res an­jos, co­mo são cha­ma­dos, in­je­ta­ram R$ 2 mi­lhões na Ho­rus, es­pe­ci­a­li­za­da em tec­no­lo­gi­as pa­ra drones. Na en­tre­vis­ta a se­guir, ele fa­la das trans­for­ma­ções do ce­ná­rio agro­pe­cuá­rio no País e co­mo as em­pre­sas, os pro­du­to­res e as co­o­pe­ra­ti­vas co­me­çam a se en­ga­jar no ad­mi­rá­vel mun­do no­vo das ag­te­chs.

Os jo­vens ta­len­tos que vêm for­man­do ag­te­chs, ne­ces­sa­ri­a­men­te, de­vem es­tar co­nec­ta­dos ao cam­po ou po­dem ser des­gar­ra­dos do mun­do do agro­ne­gó­cio?

Quem es­tá no cam­po e nas gran­des em­pre­sas, e is­so va­le pa­ra to­dos os se­to­res da eco­no­mia, não têm ca­pa­ci­da­de de pen­sar e exe­cu­tar fo­ra da cai­xa. Os ta­len­tos nas em­pre­sas con­se­guem ter idei­as pa­ra me­lho­rar e in­cre­men­tar o que re­al­men­te já fa­zem. Mas pen­sar ra­di­cal­men­te fo­ra da cai­xa, ter uma ideia de rup­tu­ra, co­mo o Uber, por exem­plo, é mui­to di­fí­cil. O Uber nun­ca nas­ce­ria den­tro de uma em­pre­sa de ta­xi por­que o mo­de­lo vai con­tra a sua ope­ra­ção. Em uma em­pre­sa nin­guém vai des­truir o pró­prio ne­gó­cio pen­san­do em cri­ar uma coi­sa me­lhor.

No cam­po tam­bém há re­jei­ção pe­lo no­vo?

Até dois anos atrás, quan­do a gen­te ia fa­lar com o pro­du­tor ou com o mer­ca­do, ha­via um pre­con­cei­to gran­de em re­la­ção às ag­te­chs. Di­zi­am “ah, são os ga­ro­tos que não en­ten­dem e

não sa­bem o que es­tá acon­te­cen­do no cam­po”. Quan­do há uma re­vo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca vin­do pa­ra o mer­ca­do, uma pri­mei­ra fa­se é de não acei­ta­ção, em gran­de par­te. Mas a ado­ção das tec­no­lo­gi­as das ag­te­chs co­me­ça­ram a cres­cer, a le­van­tar mais di­nhei­ro por cau­sa de re­sul­ta­dos. Pro­ble­mas ini­ci­ais em no­vos pro­du­tos sem­pre há, mas eles vão me­lho­ran­do ra­pi­da­men­te. Ho­je, as so­lu­ções es­tão cla­ra­men­te nu­ma cur­va de ado­ção ace­le­ra­da.

E quais são os pro­ble­mas des­ses no­vos pro­du­tos?

Ain­da exis­te um mon­te de pro­ble­mas, in­clu­si­ve de in­fra­es­tru­tu­ra, de co­nec­ti­vi­da­de no cam­po e um ope­ra­dor ru­ral com pou­ca in­ti­mi­da­de com tec­no­lo­gi­as di­gi­tais. Mas is­so es­tá mu­dan­do. Olhe o ca­so da Stri­der, que no mer­ca­do di­zi­am não ser uma star­tup de agro­ne­gó­cio por­que nem agrô­no­mo ha­via na equi­pe. A Syn­gen­ta foi lá e com­prou a em­pre­sa, pa­gou uma gra­na que o mer­ca­do cal­cu­la em pe­lo me­nos 20 ve­zes a sua re­cei­ta. Por que a Syn­gen­ta, que en­ten­de tu­do de agro­ne­gó­cio no mun­do to­do, tem mi­lha­res de agrô­no­mos su­pe­res­pe­ci­a­lis­tas, pa­gou tan­to di­nhei­ro por uma agte­ch? As em­pre­sas es­tão de olho na ino­va­ção. No nos­so ca­so, das 13 em­pre­sas que mo­ni­to­ra­mos al­gu­mas tam­bém já re­ce­be­ram pro­pos­ta de com­pra, mas ain­da não é a ho­ra.

Por que não apro­vei­tar a on­da?

Por­que a men­ta­li­da­de co­me­çou a mu­dar nas gran­des em­pre- sas e es­se mo­vi­men­to es­tá so­men­te no co­me­ço. En­tão, co­mo as star­tups não es­tão to­tal­men­te ma­du­ras do pon­to de vis­ta de seus cri­a­do­res, por que ven­der ho­je, por exem­plo, uma por US$ 50 mi­lhões se da­qui a três ou qua­tro anos ela po­de ser ven­di­da por US$ 300 mi­lhões?

Qual o rit­mo do mo­vi­men­to de cri­a­ção de ag­te­chs à dis­po­si­ção do mer­ca­do?

Acom­pa­nho o rit­mo des­se mer­ca­do há dez anos. A ve­lo­ci­da­de sem­pre foi gran­de, mas so­bre uma ba­se mui­to pe­que­na. De qua­tro anos pa­ra cá o ce­ná­rio mu­dou. Is­so po­de ser vis­to na Agrishow, em Ri­bei­rão Pre­to (SP). An­tes não ha­via star­tups nes­sa fei­ra e na úl­ti­ma edi­ção elas es­ta­vam em mui­tos es­tan­des, co­mo a John De­e­re, por exem­plo. So­men­te ela le­vou qua­tro star­tups. Na SP Ven­tu­res, de 2007 a 2015 apa­re­ce­ram 57 ag­te­chs pa­ra se­rem ana­li­sa­das. De 2016 até abril des­te ano re­ce­be­mos cer­ca de 400 so­li­ci­ta­ções. A quan­ti­da­de au­men­tou e a qua­li­da­de des­sas em­pre­sas tam­bém, com em­pre­en­de­do­res mais ma­du­ros e qua­li­fi­ca­dos, em bus­ca de opor­tu­ni­da­des.

Os pro­du­to­res vão des­fru­tar des­se mo­vi­men­to fi­nan­cei­ro?

Acho que vão ter bol­sos ines­pe­ra­dos en­tran­do nes­se se­tor. Os ban­cos, co­mo Bra­des­co e Itaú, há três anos nem olha­vam pa­ra o Nu­bank, uma star­tup fi­nan­cei­ra. Ho­je que­rem ace­le­rar a di­gi­ta­li­za­ção da agri­cul­tu­ra pa­ra for­ne­cer se­gu­ro, cré­di­to, re­du­zir as as­si­me­tri­as, os ris­cos de pra­gas e pre­ci­fi­car me­lhor o cus­to de uma apó­li­ce. As co­o­pe­ra­ti­vas que­rem ace­le­rar as tec­no­lo­gi­as e as so­lu­ções pa­ra os seus co­o­pe­ra­dos. Que­rem vi­rar só­ci­os da ino­va­ção por­que de­têm es­ca­la. Ima­gi­na is­so em uma co­o­pe­ra­ti­va de dez mil pro­du­to­res. E os gran­des pro­du­to­res já co­me­çam a ver opor­tu­ni­da­des nas ag­te­chs. Eles que­rem par­ti­ci­par do va­lor que es­tão cri­an­do ao uti­li­zar uma no­va tec­no­lo­gia. E vão en­trar mais seg­men­tos, co­mo o de lo­gís­ti­ca e gran­des ca­dei­as de in­su­mos, só pa­ra ci­tar mais al­gu­mas.

Que no­vo mun­do emer­ge des­se mo­vi­men­to?

Um mun­do de ino­va­ções cons­tan­tes ba­se­a­das na co­la­bo­ra­ção, co­mo no crowd­fun­ding. A gen­te con­ver­sa mui­to com a equi­pe de ca­pi­tal de ris­co da Syn­gen­ta, nos Es­ta­dos Uni­dos. Dis­cu­ti­mos com eles uma te­se de mo­de­lo de rup­tu­ra na dis­tri­bui­ção de pro­du­tos agrí­co­las. Des­co­bri­mos uma star­tup em Ro­sa­rio, na Ar­gen­ti­na, cha­ma­da AgroFay, que de­ve vir pa­ra o Bra­sil ain­da es­te ano. É co­mo se fos­se um mer­ca­do li­vre, uma Ama­zon de pro­du­tos agrí­co­las. A SP Ven­tu­res, jun­to com a Syn­gen­ta e a Bun­ge, es­tá in­ves­tin­do US$ 6 mi­lhões nes­sa em­pre­sa de Ro­sa­rio. Três anos atrás es­sas em­pre­sas não olha­vam pa­ra uma agte­ch co­mo es­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.