EN­TRE­VIS­TA

Jacyr Cos­ta Fi­lho, di­re­tor do gru­po Te­re­os Bra­sil e pre­si­den­te do Con­se­lho Su­pe­ri­or do Agro­ne­gó­cio da Fi­esp, fa­la so­bre as elei­ções no País e o am­bi­en­te de ne­gó­ci­os pa­ra o se­tor

Dinheiro Rural - - CONTENTS - VE­RA ON­DEI

Jacyr Cos­ta Fi­lho, pre­si­den­te da Te­re­os

Jacyr Cos­ta Fi­lho, 61 anos, di­re­tor da re­gião Bra­sil do gru­po fran­cês Te­re­os, tem di­vi­di­do o seu tem­po de exe­cu­ti­vo em du­as agen­das. Uma de­las, que pa­ga o seu sa­lá­rio, é a ges­tão da sub­si­diá­ria da co­o­pe­ra­ti­va de agri­cul­to­res eu­ro­peus que se tor­nou a se­gun­da mai­or pro­du­to­ra glo­bal de açú­car, com re­cei­ta de cer­ca de 5 € bi­lhões no ano pas­sa­do. A ou­tra agen­da, sem re­mu­ne­ra­ção, é man­ter atu­an­te o Con­se­lho Su­pe­ri­or do Agro­ne­gó­cio ( (Co­sag), Co­sag), na Fe­de­ra­ção da In­dús­tria do Es­ta­do de São Pau­lo (Fi­esp), p), ór­gão ór­gãog no qual q Cos­ta Fi­lho é p pre­si­den­te des­de 2016. É nes­se car­go que o exe­cu­ti­vo tem ga­nha­do re­le­vân­cia pa­ra o se­tor, ao co­lo­car em pau­ta uma ex­ten­sa lis­ta de ne­ces­si­da­des do agro­ne­gó­cio, nas áre­as tri­bu­tá­ria, am­bi­en­tal, ju­rí­di­ca, sa­ni­tá­ria e co­mer­ci­al. Al­gu­mas po­dem ser re­sol­vi­das de mo­do téc­ni­co, mas a mai­or par­te ne­ces­si­ta de mui­to em­pe­nho po­lí­ti­co. O Co­sag tem 150 mem­bros, en­tre re­pre­sen­tan­tes de pro­du­to­res e da agroin­dús­tria, e seu raio de ação tem ido além das fron­tei­ras pau­lis­tas. Con­fi­ra a en­tre­vis­ta ex­clu­si­va à DI­NHEI­RO RU­RAL, na qual Cos­ta Fi­lho fa­la de elei­ções pre­si­den­ci­ais, sis­te­ma fi­nan­cei­ro e co­mo o agro­ne­gó­cio po­de atra­ves­sar uma de su­as mais de­sa­fi­an­tes ta­re­fas: o sal­to tec­no­ló­gi­co com qua­li­da­de pa­ra as cer­ca de cin­co mi­lhões de pro­pri­e­da­des ru­rais no País.

DI­NHEI­RO RU­RAL – Após as elei­ções pre­si­den­ci­ais, qual de­ve ser a pau­ta ime­di­a­ta do agro­ne­gó­cio, a par­tir do dia 1º de ja­nei­ro de 2019?

JACYR COS­TA FI­LHO – Acho que se de­ve cri­ar um am­bi­en­te de de­sen­vol­vi­men­to de ne­gó­cio que se­ja fa­vo­rá­vel ao se­tor. Prin­ci­pal­men­te, des­tra­var a bu­ro­cra­cia. Por exem­plo, tor­nar a apro­va­ção de de­fen­si­vos agrí­co­las mais rá­pi­da, ágil e se­gu­ra. E fa­zer a re­for­ma tri­bu­tá­ria, aca­ban­do com es­se mun­da­réu de pa­peis. Na Te­re­os, te­mos 32 pes­so­as pa­ra cui­dar de pa­gar im­pos­tos e 12 pes­so­as pa­ra ven­der açú­car, por­que to­do dia mu­da al­gu­ma coi­sa. Is­so es­tá in­ver­ti­do, não há ló­gi­ca. Tam­bém é ne­ces­sá­rio ti­rar as ide­o­lo­gi­as das re­gu­la­ções am­bi­en­tais. O Bra­sil pre­ci­sa ser sus­ten­tá­vel pa­ra se ven­der lá fo­ra. E cri­ar ba­ses pa­ra uma efe­ti­va ga­ran­tia da qua­li­da­de dos pro­du­tos bra­si­lei­ros. Pre­ci­sa­mos de uma agen­da agres­si­va vi­san­do ao co­mér­cio ex­te­ri­or. Is­so me pre­o­cu­pa. Os can­di­da­tos a pre­si­den­te, que ho­je são lí­de­res nas pes­qui­sas, não têm uma agen­da de co­mér­cio ex­te­ri­or. Em uma das reu­niões do Co­sag, o CEO da Mi­ner­va Fo­ods, Fer­nan­do Queiroz, que a Mi­ner­va tem aces­so a mer­ca­dos mais ren­tá­veis pa­ra a car­ne, mas o Bra­sil não tem aces­so. Quem tem é a Aus­trá­lia, os Es­ta­dos Uni­dos e a Ar­gen­ti­na, por­que fi­ze­ram acor­dos co­mer­ci­ais. Ho­je, a Mi­ner­va es­tá lá. Ela é, tam­bém, o mai­or ex­por­ta­dor do Pa­ra­guai, com US$ 1 bi­lhão por ano. O Bra­sil pre­ci­sa dei­xar de ser um país bu­ro­crá­ti­co e re­gu­la­do. Che­ga de cri­ar em­pre­go pa­ra fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co, va­mos cri­ar em­pre­gos pa­ra o fun­ci­o­ná­rio pri­va­do.

RU­RAL – Que Bra­sil po­de emer­gir após as elei­ções pre­si­den­ci­ais des­te mês?

COS­TA FI­LHO – Nun­ca vi uma elei­ção tão po­la­ri­za­da co­mo es­sa, que em boa par­te é fru­to da cri­se pe­la qual o Bra­sil pas­sa. O País tam­bém pas­sou por uma des­cons­tru­ção da clas­se po­lí­ti­ca e foi um er­ro. Es­sa elei­ção é mui­to sin­gu­lar até pe­las es­co­lhas dos vi­ce- pre­si­den­tes. Nor­mal­men­te, uma pes­soa de ex­tre­mos es­co­lhe um vi­ce mais ao cen­tro, pa­ra atrair es­se gru­po. Nin­guém ga­nha uma elei­ção in­do mais pa­ra os ex­tre­mos. E aí Jair Bol­so­na­ro es­co­lhe um ge­ne­ral, ou se­ja, in­do mais pa­ra a di­rei­ta do que ele. E Fer­nan­do Had­dad, do PT, es­co­lhe uma vi­ce mais à es­quer­da. No en­tan­to, o Bra­sil é um país de aco­lher, co­mo fez com os imi­gran­tes em sua his­tó­ria. En­tão, eu não ve­jo uma ten­dên­cia na­tu­ral do po­vo bra­si­lei­ro pa­ra o ra­di­ca­lis­mo. Quem ga­nhar es­sa elei­ção vai en­con­trar ins­ti­tui­ções for­tes. Po­de se cri­ti­car aqui e ali ra­di­ca­lis­mos de juiz, po­si­ções do le­gis­la­ti­vo, mas são ins­ti­tui­ções que, bem ou mal, es­tão fun­ci­o­nan­do. En­tão, pas­sa­do o afã da elei­ção, ha­ve­rá uma ten­dên­cia de cons­tru­ção do País, por­que nin­guém vai go­ver­nar nos ex­tre­mos. A opo­si­ção se­rá mui­to for­te e se­rá pre­ci­so con­ver­gir pa­ra o cen­tro, se­ja a es­quer­da ou a di­rei­ta. Ago­ra, se um can­di­da­to mais ao cen­tro ga­nhas­se, se­ria mais fá­cil atrair as bor­das me­nos ra­di­cais de ca­da la­do pa­ra go­ver­nar o País.

RU­RAL – Que pre­ço o se­tor es­tá pa­gan­do por es­sa po­la­ri­za­ção e ra­di­ca­lis­mos po­lí­ti­cos?

COS­TA FI­LHO – La­men­to, mas é o Bra­sil que es­tá per­den­do gran­des opor­tu­ni­da­des nos úl­ti­mos tem­pos, por­que os in­ves­ti­do­res vão aguar­dar pa­ra ver co­mo fi­ca­rão as coi­sas. E co­mo eu ve­jo o mun­do? No ca­so dos Es­ta­dos Uni­dos, os in­ves­ti­do­res es­tão se ar­ris­can­do o mí­ni­mo por­que não se sa­be nun­ca o que vem de Do­nald Trump. A Chi­na é a Chi­na, um país di­fí­cil de li­dar. A Eu­ro­pa es­tá em cri­se. A saí­da do Rei­no Uni­do da União Eu­ro­peia, o Bre­xit, es­tá mais trau­má­ti­ca do que se ima­gi­na­va. En­tão, ha­via uma gran­de pos­si­bi­li­da­de de que o di­nhei­ro que es­tá no mun­do, e há mui­to di­nhei­ro cir­cu­lan­do no mun­do, vi­es­se pa­ra o Bra­sil. Mas acho que, in­fe­liz­men­te, es­se bon­de es­tá pas­san­do. En­tão, es­pe­ro que quem ga­nhe a elei­ção te­nha juí­zo de fa­zer uma apro­xi­ma­ção mais pró- mer­ca­do pa­ra que o País pos­sa apro­vei­tar es­sa on­da por­que ela ain­da é fa­vo­rá­vel ao Bra­sil.

RU­RAL – Qual o âni­mo, o es­pí­ri­to pen­san­te, que tem mo­vi­do o agro­ne­gó­cio nes­ses tem­pos de eco­no­mia em cri­se?

COS­TA FI­LHO – Exis­te um âni­mo que é do pró­prio se­tor do agro­ne­gó­cio. Ele con­ti­nua ga­nhan­do uma pro­je­ção im­por­tan­te, por­que o mun­do per­ma­ne­ce mi­gran­do de uma po­pu­la­ção ru­ral pa­ra uma po­pu­la­ção ca­da vez mais ur­ba­na. Há de­man­da por ali­men­tos e o Bra­sil é a prin­ci­pal fon­te.

“O Bra­sil pre­ci­sa ser sus­ten­tá­vel pa­ra se ven­der lá fo­ra”

E o País ino­vou mui­to. Nem é pre­ci­so ir mui­to lon­ge. Há dez anos, as téc­ni­cas agrí­co­las uti­li­za­das eram mui­to di­fe­ren­tes do que são ho­je. An­tes, ha­via fa­to­res crí­ti­cos de pro­du­ção agrí­co­la ba­se­a­dos, prin­ci­pal­men­te, na mão de obra e no cli­ma. Cla­ro que ha­via de­sen­vol­vi­men­to e pes­qui­sa, mas ho­je o fa­tor cha­ve de su­ces­so é o uso mais in­ten­si­vo de tec­no­lo­gia e ca­pi­tal pa­ra im­ple­men­tá-la.

RU­RAL – Is­so mu­da as re­la­ções no cam­po?

COS­TA FI­LHO – Sim, por­que as con­di­ções pa­ra uti­li­zar es­sa tec­no­lo­gia, vi­san­do ao de­sen­vol­vi­men­to da pro­du­ção, são mais re­le­van­tes do que eram no pas­sa­do. É pre­ci­so ou­tros ti­pos de equi­pa­men­tos agrí­co­las. Mu­da, tam­bém, o mo­de­lo de de­pen­dên­cia do go­ver­no e do cré­di­to ru­ral ofi­ci­al, que es­tá fa­li­do. O pro­du­tor pre­ci­sa de me­ca­nis­mos mais mo­der­nos de aces­so a ca­pi­tal, mais afi­na­dos com o mer­ca­do. Bas­ta ver o exem­plo de em­pre­sas que sur­gi­ram no agro­ne­gó­cio ba­se­a­das no ca­pi­tal de bol­sa, co­mo a SLC Agrí­co­la, a Bra­silA­gro. Elas se abri­ram pa­ra ter aces­so a fon­tes de ca­pi­tal.

RU­RAL – O cré­di­to ofi­ci­al es­tá fa­da­do a de­sa­pa­re­cer?

COS­TA FI­LHO – O cré­di­to ru­ral ho­je tem uma ta­xa de ju­ros de 7% ao ano. A ta­xa bá­si­ca de ju­ros, que é a Se­lic, é de 6,5%. Há mui­to cré­di­to ru­ral que não foi to­ma­do por fal­ta de in­te­res­se. Por­que o to­ma­dor de cré­di­to vai bus­car ou­tros me­ca­nis­mos de se fi­nan­ci­ar a pro­du­ção e a ex­pan­são do ne­gó­cio.

RU­RAL – Mas um mo­de­lo de me­nor de­pen­dên­cia do go­ver­no não afe­ta­ria o cré­di­to aos mi­lhões de mé­di­os e de pe­que­nos pro­du­to­res ru­rais?

COS­TA FI­LHO – Eu acho que há um ca­mi­nho e tu­do tem uma tran­si­ção. E o ca­mi­nho é o co­o­pe­ra­ti­vis­mo pa­ra to­do o País. Os pe­que­nos e mé­di­os pro­du­to­res vão ter de apren­der a se agru­par em co­o­pe­ra­ti­vas, co­mo é na Eu­ro­pa. Na No­va Ze­lân­dia o mo­de­lo é um su­ces­so. No ca­so da pro­du­ção de lei­te, ela é uma co­o­pe­ra­ti­va mul­ti­na­ci­o­nal que es­tá em vá­ri­os paí­ses. No Sul do Bra­sil, co­mo se for­mou o es­pí­ri­to co­o­pe­ra­ti­vis­ta? Eram mi­gran­tes, pre­ci­sa­vam se unir em um país des­co­nhe­ci­do. E tam­bém pe­lo fa­to de as pro­pri­e­da­des me­no­res irem per­den­do as con­di­ções ide­ais de pro­du­ção de uma ge­ra­ção pa­ra ou­tra. A co­o­pe­ra­ti­va foi um ins­tru­men­to pa­ra cui­dar do co­mér­cio, da com­pra de in­su­mos. Is­so vai aca­bar acon­te­cen­do em Ma­to Gros­so, por exem­plo. Por­que no mo­men­to que as pro­pri­e­da­des mé­di­as e pe­que­nas es­ti­ve­rem per­den­do pro­du­ti­vi­da­de fren­te ao vi­zi­nho que es­tá usan­do al­ta tec­no­lo­gia, es­ses pro­du­to­res vão se agru­par. É as­sim que co­me­ça o sen­so co­o­pe­ra­ti­vis­ta. Além dis­so, as pró­pri­as co­o­pe­ra­ti­vas do Sul es­tão mon­tan­do fi­li­ais pa­ra mo­ti­var e ace­le­rar es­se pro­ces­so. A tran­si­ção tam­bém pas­sa pe­lo sis­te­ma ban­cá­rio bra­si­lei­ro, que é mui­to con­cen­tra­do. O que po­de dar mai­or ba­se pa­ra os pe­que­nos e mé­di­os se fi­nan­ci­a­rem é o cres­ci­men­to dos ban­cos mé­di­os, co­mo é nos Es­ta­dos Uni­dos. Nes­se país há mui­tos pe­que­nos e mé­di­os pro­du­to­res que são mui­to for­tes e são su­por­ta­dos pe­los ban­cos lo­cais e re­gi­o­nais. Mas aqui no Bra­sil eles su­mi­ram.

RU­RAL – Su­mi­ram em um mo­vi­men­to ali­nha­do pe­lo go­ver­no, de con­cen­tra­ção do se­tor a par­tir dos anos 1990.

COS­TA FI­LHO – Sim, ali­nha­do com o go­ver­no. Mas eu acre­di­to que num li­vre mer­ca­do ha­ve­ria uma fa­ci­li­ta­ção de aces­so à cri­a­ção de no­vos ban­cos, de fin­te­chs com fo­co no agro­ne­gó­cio. Ha­ve­rá, sim, uma mai­or pul­ve­ri­za­ção de agen­tes fi­nan­cei­ros que vão se in­te­res­sar pe­lo agro­ne­gó­cio. Pe­gue o exem­plo da XP In­ves­ti­men­tos e con­fi­ra em quan­tos even­tos do agro­ne­gó­cio es­sa cor­re­to­ra de va­lo­res par­ti­ci­pa. En­tão, mes­mo que ho­je ha­ja um sis­te­ma de re­gu­la­ção ban­cá­ria fe­cha­do, acre­di­to que vá sur­gir al­ter­na­ti­vas. Em vo­os de São Pau­lo pa­ra Cui­a­bá (MT), a gen­te en­con­tra um mon­te de ga­ro­tos de fint­ches – que pa­ra mim 30 anos são ga­ro­tos –, in­do vi­si­tar cli­en­tes. O Ra­bo­bank, por exem­plo, já mon­tou uma filial no Es­ta­do. No se­tor da ca­na- de- açú­car, que é on­de atuo, há uma ten­dên­cia das usi­nas da­rem aces­so a cré­di­to a pro­du­to­res. Es­se cré­di­to, com as usi­nas co­mo ga­ran­ti­do­ras, não é uma no­vi­da­de, mas es­tá se tor­nan­do uma ne­ces­si­da­de mais pre­men­te e em uma es­ca­la mai­or.

“Os can­di­da­tos a pre­si­den­te não têm uma agen­da de co­mér­cio ex­te­ri­or”

CRES­CI­MEN­TO ACE­LE­RA­DO: até 2025, a pre­vi­são é que o Bra­sil cul­ti­ve 41,5 mi­lhões de hec­ta­res de so­ja, vo­lu­me 20,5% aci­ma da atu­al área

ALI­MEN­TO PA­RA MUN­DO: as ex­por­ta­ções do agro­ne­gó­cio bra­si­lei­ro so­ma­ram US$ 96 bi­lhões no ano pas­sa­do, um au­men­to de 13% em re­la­ção ao ci­clo an­te­ri­or

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.