A pes­qui­sa que sal­va

Dinheiro Rural - - CONTENTS - Ve­ra On­dei, edi­to­ra

Nes­te mês, a mais im­por­tan­te ins­ti­tui­ção de pes­qui­sa do País, a Em­pre­sa Bra­si­lei­ra de Pes­qui­sa Agro­pe­cuá­ria (Embrapa) tro­cou de di­re­ção. Tem um no­vo pre­si­den­te, o agrô­no­mo Se­bas­tião Bar­bo­sa, es­pe­ci­a­li­za­do em do­en­ças e pra­gas, além de uma lon­ga ex­pe­ri­ên­cia in­ter­na­ci­o­nal. Po­lí­ti­cas pú­bli­cas que in­cen­ti­vem a pes­qui­sa e a bus­ca por ino­va­ções em to­dos os se­to­res do agro­ne­gó­cio são es­sen­ci­ais pa­ra a so­bre­vi­vên­cia fu­tu­ra do Bra­sil co­mo ce­lei­ro do mun­do. Por is­so, dis­cu­tir os ca­mi­nhos da ino­va­ção es­tá na or­dem do dia, le­van­do em con­ta que os re­cur­sos pú­bli­cos a es­sa se­a­ra do co­nhe­ci­men­to tem si­do ca­da vez me­nor. Pa­ra 2019, a Embrapa con­ta em seu or­ça­men­to com R$ 3,6 bi­lhões, com mais de 90% des­se vo­lu­me des­ti­na­do a man­ter a gi­gan­te in­fra­es­tru­tu­ra es­pa­lha­da por to­do o País e o sa­lá­rio de seus fun­ci­o­ná­ri­os. À pes­qui­sa, pro­pri­a­men­te di­ta, res­ta a mín­gua. Mas is­so vai na con­tra­mão da im­por­tân­cia do agro­ne­gó­cio, o que po­de­ria le­var o Bra­sil a um dos mai­o­res atra­sos de sua his­tó­ria.

Mas há uma saí­da. As em­pre­sas do se­tor que­rem e po­dem in­ves­tir em ino­va­ção e pes­qui­sa. Co­mo já fa­zem nas su­as ro­ti­nas de de­sen­vol­vi­men­to de pro­du­tos. O que po­de e de­ve­ria ga­nhar for­ça de es­ca­la no agro­ne­gó­cio são as par­ce­ri­as pú­bli­co­pri­va­das pa­ra as pes­qui­sas. Bas­ta o go­ver­no dar um pas­so nes­sa di­re­ção, com po­lí­ti­cas cla­ras e re­gu­la­das na me­di­da pa­ra que o mo­vi­men­to ga­nhe rit­mo. Os mais re­cen­tes pas­sos das em­pre­sas do se­tor, em bus­ca do no­vo, já po­dem ser ob­ser­va­dos em vá­ri­as áre­as. Não é por aca­so que as em­pre­sas es­tão com­pran­do ou fa­zen­do par­ce­ri­as co­mo star­tups. Elas sa­bem que quan­to mais co­nhe­ci­men­to for acu­mu­la­do, mais fá­cil se­rá se apro­xi­mar do pro­du­tor ru­ral da­qui pa­ra a fren­te. Is­so por­que a no­va ge­ra­ção do cam­po é co­nec­ta­da, in­te­ra­ti­va e tem um sa­ber que trás das ge­ra­ções an­te­ri­o­res de que a ter­ra é um ati­vo so­ci­al, pa­ra as ge­ra­ções fu­tu­ras.

A his­tó­ria re­cen­te es­tá cheia de exem­plos de paí­ses que fo­ram bem su­ce­di­dos em rá­pi­das con­quis­tas so­ci­ais, ao ado­ta­rem co­mo fo­co de ação o de­sen­vol­vi­men­to do co­nhe­ci­men­to ci­en­tí­fi­co com­par­ti­lha­do. Até o mo­men­to, a Embrapa fez es­se pa­pel de for­ma qua­se so­li­tá­ria e cons­truiu uma agro­pe­cuá­ria tro­pi­cal, en­chen­do o mun­do de ali­men­to ba­ra­to e sau­dá­vel. Es­se mé­ri­to não há co­mo des­co­lar de seu DNA. Ago­ra, che­gou a vez de mos­trar ao mun­do que a mai­or em­pre­sa pú­bli­ca de ino­va­ção e tec­no­lo­gia bra­si­lei­ra po­de ga­ran­tir ao mun­do a ta­re­fa de ali­men­tá-lo de for­ma sus­ten­tá­vel, por­que tem a ci­ên­cia com­par­ti­lha­da co­mo ba­se.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.