Estado de Minas (Brazil)

O RASTRO DA DES­TRUI­ÇÃO

San­ta Ma­ria de Ita­bi­ra con­ta mortos e pre­juí­zos após tem­po­rais do fim de se­ma­na. Es­pé­cie de sín­te­se da tra­gé­dia das chu­vas em MG, ci­da­de foi pra­ti­ca­men­te to­da afe­ta­da por inun­da­ção ou des­li­za­men­tos

- DÉBORAH LI­MA Weather · Disasters · Santa Maria · Jair Bolsonaro · Rita of Cascia · Vale · Romeu Zema · Lysander

De­pois da tempestade, dos des­li­za­men­tos, da inun­da­ção e das mor­tes, um dia em meio à lama, à dor dos pa­ren­tes de ví­ti­mas e à con­ta­gem dos pre­juí­zos. Ar­ra­sa­da pe­los tem­po­rais do fim de se­ma­na, San­ta Ma­ria de Ita­bi­ra, na Re­gião Cen­tral de Mi­nas, des­per­tou on­tem cho­ran­do as mor­tes de seis pes­so­as e com pra­ti­ca­men­te to­da a po­pu­la­ção de 10,8 mil ha­bi­tan­tes e au­to­ri­da­des mo­bi­li­za­das pa­ra dar con­ta de vi­as obs­truí­das, pon­tes con­de­na­das, car­ros des­truí­dos e ca­sas to­ma­das por água, bar­ro e li­xo em to­da a área ur­ba­na. Lo­ca­li­za­da no Va­le do Rio Gi­rau, a ci­da­de fi­cou im­pren­sa­da en­tre en­cos­tas que des­li­za­vam e o lei­to do cur­so d’água, que su­biu, in­va­din­do mo­ra­di­as. Em meio ao mu­ti­rão pa­ra ten­tar res­ta­be­le­cer ser­vi­ços es­sen­ci­ais e lim­par as ruas, o ape­lo é por do­a­ções de água e man­ti­men­tos, pois os es­to­ques que não fo­ram atin­gi­dos es­tão no fim. On­tem, foi res­ga­ta­do o úl­ti­mo cor­po en­tre as vi­das perdidas, uma cri­an­ça de 5 anos que foi so­ter­ra­da. Com a tra­gé­dia, su­biu pa­ra 21 o número de mortos no atu­al pe­río­do chu­vo­so no es­ta­do, que se­gue em aler­ta la­ran­ja pa­ra o ris­co de mais chu­vas e já con­ta mais de 10 mil pes­so­as ex­pul­sas de su­as ca­sas. Em Ca­ran­go­la – ci­da­de da Zo­na da Ma­ta tam­bém mui­to cas­ti­ga­da –, o go­ver­na­dor Ro­meu Ze­ma acom­pa­nhou os tra­ba­lhos dos Bom­bei­ros e da De­fe­sa Ci­vil e as­se­gu­rou que ha­ve­rá ver­bas pa­ra re­cons­tru­ção.

Os tem­po­rais que atin­gem Mi­nas Ge­rais nos úl­ti­mos di­as ain­da não têm pre­vi­são pa­ra ter­mi­nar e o es­ta­do se­gue em “aler­ta la­ran­ja” pa­ra o ris­co de mais chu­vas in­ten­sas. Ci­da­des ain­da con­tam os es­tra­gos. On­tem, o go­ver­na­dor Ro­meu Ze­ma (No­vo) vi­si­tou Ca­ran­go­la, na Zo­na da Ma­ta, on­de pon­tes e ruas fo­ram des­truí­das de­vi­do às tem­pes­ta­des. San­ta Ma­ria de Ita­bi­ra, na Re­gião Cen­tral, por sua vez, pas­sou o dia em tra­ba­lho pa­ra de­sobs­truir ruas, aten­der de­sa­bri­ga­dos e cho­rar seis mortos nas en­chen­tes e des­li­za­men­tos do fim de se­ma­na. Em to­do o es­ta­do, já são 21 vi­das perdidas em ocor­rên­ci­as re­la­ti­vas ao pe­río­do chu­vo­so (ou­tu­bro a mar­ço) e mais de 10 mil pes­so­as que ti­ve­ram de dei­xar su­as ca­sas, en­tre de­sa­bri­ga­dos e desalojado­s.

Na noi­te de on­tem, o pre­si­den­te Jair Bolsonaro (sem par­ti­do) as­si­nou uma me­di­da pro­vi­só­ria que ga­ran­te aju­da de R$ 450 mi­lhões pa­ra ci­da­des atin­gi­das por chu­vas. Mais ce­do, o pre­si­den­te do Senado Fe­de­ral, Ro­dri­go Pa­che­co (DEM-MG), já ha­via adi­an­ta­do que um so­cor­ro es­ta­va sen­do pre­pa­ra­do pa­ra au­xi­li­ar mu­ni­cí­pi­os cas­ti­ga­dos por tem­po­rais.

Os in­di­ca­do­res me­te­o­ro­ló­gi­cos in­di­cam que a chu­va não vai ces­sar em Mi­nas. O res­tan­te do mês de fe­ve­rei­ro ain­da de­ve ser de mui­ta ne­bu­lo­si­da­de, e, pe­lo me­nos até os pró­xi­mos di­as, Mi­nas se­gue sob aler­ta la­ran­ja, que sig­ni­fi­ca a pos­si­bi­li­da­de de pre­ci­pi­ta­ções de mai­or in­ten­si­da­de. De acor­do com o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Me­te­o­ro­lo­gia (In­met), po­de ocor­rer chu­va en­tre 30 e 60 mi­lí­me­tros por ho­ra ou 50 e 100 mi­lí­me­tros por dia. Os ven­tos tam­bém são in­ten­sos, po­den­do che­gar a 100km/h. Há ris­co de rai­os, cor­te de ener­gia elé­tri­ca, que­da de ga­lhos de ár­vo­res e ala­ga­men­tos em to­das as re­giões do es­ta­do.

A ex­pli­ca­ção pa­ra as tem­pes­ta­des no de­cor­rer des­te mês é a atu­a­ção das áre­as de ins­ta­bi­li­da­de at­mos­fé­ri­cas as­so­ci­a­das à Zo­na de Con­ver­gên­cia do Atlân­ti­co Sul (ZCAS). Es­se fenô­me­no, con­si­de­ra­do nor­mal nes­ta épo­ca do ano, foi tam­bém res­pon­sá­vel pe­las for­tes chu­vas em ja­nei­ro do ano pas­sa­do, que de­vas­ta­ram Be­lo Ho­ri­zon­te e ci­da­des da re­gião me­tro­po­li­ta­na. Des­ta vez, ele as­so­la mais con­cen­tra­da­men­te a Re­gião Les­te do es­ta­do, mas, se­gun­do o me­te­o­ro­lo­gis­ta do In­met Li­san­dro Ge­mi­ac­ki, to­do o ter­ri­tó­rio es­tá su­jei­to aos al­tos vo­lu­mes de chu­va.

“Ge­ral­men­te ocor­re a for­ma­ção des­ses sis­te­mas ao lon­go da es­ta­ção chu­vo­sa que vai até mar­ço, fa­vo­re­cen­do a for­ma­ção de nu­vens de di­fe­ren­tes for­mas, tan­to a ga­roa qu­an­to tem­pes­ta­des de in­ten­si­da­de for­te que po­dem cau­sar mais trans­tor­nos. A com­po­si­ção des­ses dois ti­pos de chu­vas fa­vo­re­ce mui­to os des­li­za­men­tos”, aler­ta Li­san­dro. “Pra­ti­ca­men­te to­do o es­ta­do es­tá sen­do atin­gi­do por pre­ci­pi­ta­ções for­tes. Te­mos per­ce­bi­do vo­lu­me de chu­va aci­ma dos 100 mi­lí­me­tros em to­das as re­giões do es­ta­do”, ob­ser­vou.

Es­pe­ci­al­men­te na área Cen­tral, Zo­na da Ma­ta e Va­le do Aço, o vo­lu­me de pre­ci­pi­ta­ção po­de pro­vo­car en­xur­ra­das e ala­ga­men­tos, além de ele­va­ção do ní­vel dos cór­re­gos e ri­os, o que po­de cau­sar trans­tor­nos à po­pu­la­ção. “Na Zo­na da Ma­ta, o re­le­vo é mais aci­den­ta­do, en­tão a res­pos­ta em ter­mos de en­chen­te é mui­to rá­pi­da. Mas a chu­va es­tá acon­te­cen­do em vá­ri­as re­giões do es­ta­do”, ex­pli­cou. No ca­so de San­ta Ri­ta de Ita­bi­ra o re­le­vo tam­bém con­tri­buiu, já que a ci­da­de fi­ca em um va­le, cu­jas pa­re­des re­gis­tra­ram des­mo­ro­na­men­to, con­tri­buin­do pa­ra o trans­bor­da­men­to do Rio Gi­rau, que cor­ta o mu­ni­cí­pio.

Li­san­dro res­sal­ta que es­se fenô­me­no du­ran­te o ve­rão é ver­sá­til. “A Zo­na de Con­ver­gên­cia do Atlân­ti­co Sul tem ca­rac­te­rís­ti­ca de, às ve­zes, pro­vo­car chu­va con­tí­nua e tam­bém dá con­di­ções de pan­ca­das iso­la­das no fim da tar­de e noi­te. Além de po­der acon­te­cer os dois jun­tos tam­bém”, ex­pli­ca. “A pre­vi­são é man­ter es­sa mes­ma con­di­ção va­ri­an­do de chu­vas mais in­ten­sas com chu­vas con­tí­nu­as por pe­lo me­nos os pró­xi­mos cin­co di­as, com mui­ta chan­ce de tem­po­rais iso­la­dos em pra­ti­ca­men­te to­do o es­ta­do”.

ABAFAMENTO De acor­do com o In­met, ho­je (23/2) se­rá mais um dia de tem­po ins­tá­vel. Ha­ve­rá mui­tas nu­vens, prin­ci­pal­men­te no Cen­tro-Nor­te, Les­te e Zo­na da Ma­ta, com mo­men­tos de aber­tu­ra do céu, fa­vo­re­cen­do a ocor­rên­cia de pan­ca­das de chu­va e tro­vo­a­das nes­ses se­to­res. No res­tan­te do es­ta­do, as nu­vens au­men­tam ao lon­go do dia e as pan­ca­das de chu­va ten­dem a ocor­rer pre­fe­ren­ci­al­men­te à tar­de e à noi­te. As tem­pe­ra­tu­ras se­guem es­tá­veis, man­ten­do a sen­sa­ção de abafamento dos úl­ti­mos di­as.

A pre­vi­são de pan­ca­das de chu­va se­gue em mu­ni­cí­pi­os afe­ta­dos no fim de se­ma­na, co­mo Ma­nhu­a­çu, Ca­ran­go­la e San­ta Ma­ria de Ita­bi­ra. De acor­do com o bo­le­tim di­vul­ga­do pe­la De­fe­sa Ci­vil Es­ta­du­al, des­de ou­tu­bro do ano pas­sa­do até on­tem, Mi­nas so­ma 9.807 desalojado­s – pes­so­as que pre­ci­sa­ram sair de su­as ca­sas. Os de­sa­bri­ga­dos – pes­so­as que ne­ces­si­ta­ram de abri­go pú­bli­co, co­mo ha­bi­ta­ção tem­po­rá­ria –, che­ga­ram a 1.358.

En­quan­to is­so, o ór­gão tem re­a­li­za­do uma sé­rie de ações hu­ma­ni­tá­ri­as de as­sis­tên­cia aos atin­gi­dos pa­ra mi­ni­mi­zar o so­fri­men­to da­que­les que ti­ve­ram que dei­xar su­as ca­sas. Fo­ram dis­tri­buí­dos 845 colchões, 505 kits lim­pe­za (de­ter­gen­te, sa­bão em bar­ra, es­pon­ja du­pla fa­ce, água sa­ni­tá­ria, lã de aço, sa­bão em pó, pa­no de chão), 715 kits de hi­gi­e­ne (sa­bo­ne­te, pa­pel hi­gi­ê­ni­co, ab­sor­ven­te, cre­me den­tal, es­co­va de den­tes) e ou­tros 4.772 itens avul­sos co­mo água sa­ni­tá­ria, ves­tuá­rio, água mi­ne­ral, ál­co­ol em gel, más­ca­ras, fa­ce shi­eld, lo­nas, kit dor­mi­tó­rio e ali­men­ta­ção.

EM BH A ca­pi­tal mi­nei­ra re­gis­tra chu­vas aci­ma da mé­dia his­tó­ri­ca nes­te mês. De 1º de fe­ve­rei­ro até as 9h de on­tem, cho­veu na ca­pi­tal 383,2 mi­lí­me­tros, 111% aci­ma da mé­dia pa­ra o mês, que é de 181,4 mi­lí­me­tros. O re­cor­de de fe­ve­rei­ro mais chu­vo­so ain­da é o de 1978, quan­do as pre­ci­pi­ta­ções al­can­ça­ram 487,3 mi­lí­me­tros na ci­da­de. Pa­ra a me­te­o­ro­lo­gis­ta Ane­te Fer­nan­des, do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Me­te­o­ro­lo­gia (In­met), es­te mês po­de não ba­ter es­se vo­lu­me, mas é pos­sí­vel que su­pe­re o to­tal re­gis­tra­do em fe­ve­rei­ro do ano pas­sa­do, quan­do cho­veu 392 mi­lí­me­tros na ca­pi­tal.. A tem­pe­ra­tu­ra na ca­pi­tal apre­sen­tou uma li­gei­ra ele­va­ção. On­tem, a mí­ni­ma foi de 16°C e a má­xi­ma de 28°C. . Ho­je, a pre­vi­são é de mí­ni­ma de 17°C e má­xi­ma de 28°C, com mui­tas nu­vens e pan­ca­das de chu­vas ao lon­go do dia.

 ??  ?? No bairro em que mor­re­ram cin­co das seis ví­ti­mas de San­ta Ma­ria de Ita­bi­ra, bar­ro to­mou con­ta das ruas, on­de car­ros co­ber­tos de su­jei­ra até o te­to de­mons­tra­vam o qu­an­to a água su­biu
No bairro em que mor­re­ram cin­co das seis ví­ti­mas de San­ta Ma­ria de Ita­bi­ra, bar­ro to­mou con­ta das ruas, on­de car­ros co­ber­tos de su­jei­ra até o te­to de­mons­tra­vam o qu­an­to a água su­biu
 ?? FO­TOS: RAMON LIS­BOA/EM/D.A PRESS ?? Na ca­sa em que cri­an­ça foi so­ter­ra­da, lama e de­tri­tos de­sa­fi­a­ram bom­bei­ros
FO­TOS: RAMON LIS­BOA/EM/D.A PRESS Na ca­sa em que cri­an­ça foi so­ter­ra­da, lama e de­tri­tos de­sa­fi­a­ram bom­bei­ros
 ??  ?? Fon­tes: De­fe­sa Ci­vil de Mi­nas Ge­rais e Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Me­te­o­ro­lo­gia (In­met)
Fon­tes: De­fe­sa Ci­vil de Mi­nas Ge­rais e Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Me­te­o­ro­lo­gia (In­met)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil