A trí­pli­ce crise e o re­co­me­ço

Folha de Londrina Domingo - - OPINIÃO - ES­PA­ÇO ABER­TO Jo­sé Pio Martins

O Bra­sil es­tá mer­gu­lha­do em uma trí­pli­ce crise: mo­ral, po­lí­ti­ca e econô­mi­ca. A con­fi­an­ça na po­lí­ti­ca, nos po­lí­ti­cos e nas ins­ti­tui­ções es­tá pro­fun­da­men­te aba­la­da. Co­mo agra­van­te, aju­da­do pe­la crise in­ter­na­ci­o­nal, o go­ver­no ba­gun­çou os fun­da­men­tos da eco­no­mia e pi­o­rou os prin­ci­pais in­di­ca­do­res. O PIB caiu, o de­sem­pre­go au­men­tou, a in­fla­ção su­biu, o or­ça­men­to fis­cal es­tou­rou e o im­pos­to cres­ceu. Ou se­ja, é uma crise com­ple­ta.

As cri­ses têm a fun­ção de mos­trar o que es­tá fun­ci­o­nan­do e o que não es­tá, quais prá­ti­cas se tor­na­ram ob­so­le­tas e quais sis­te­mas en­tra­ram em co­lap­so. No Bra­sil, é es­sen­ci­al des­co­brir quais pe­ças da en­gre­na­gem so­ci­al en­tra­ram em co­lap­so e pre­ci­sam ser dei­xa­das pa­ra trás. Um imen­so di­ag­nós­ti­co na­ci­o­nal é ne­ces­sá­rio, a fim de iden­ti­fi­car que me­di­das são re­que­ri­das pa­ra su­pe­rar a crise e re­to­mar o ca­mi­nho da pros­pe­ri­da­de. En­tre­tan­to, não se tra­ta de ape­nas su­pe­rar a crise, tra­ta-se de re­for­mar ra­di­cal­men­te a es­tru­tu­ra da na­ção.

Fa­zen­do aná­li­se da crise nor­te-ame­ri­ca­na, o pre­si­den­te da Ge­ne­ral Ele­tric, Jef­frey Im­melt, dis­se al­go in­te­res­san­te: “Es­ta crise econô­mi­ca não re­pre­sen­ta um ci­clo; re­pre­sen­ta um co­lap­so, um do­lo­ro­so re­set. Um re­set emo­ci­o­nal, so­ci­al e econô­mi­co. As pes­so­as que en­ten­de­rem is­so pros­pe­ra­rão. Quem não en­ten­der fi­ca­rá pa­ra trás”. Por re­set po­de­mos en­ten­der uma gran­de re­or­ga­ni­za­ção po­lí­ti­ca, so­ci­al e econô­mi­ca, um “re­co­me­ço” tan­to pa­ra as pes­so­as, quan­to pa­ra as em­pre­sas e o go­ver­no.

O Bra­sil pre­ci­sa se rein­ven­tar. Ao fim do re­gi­me mi­li­tar, di­zia-se que o país ti­nha de ser “pas­sa­do a lim­po”, epí­gra­fe usa­da co­mo mo­te pa­ra a no­va Cons­ti­tui­ção apro­va­da em ou­tu­bro de 1988, in­fe­liz­men­te um ano an­tes da que­da do mu­ro de Ber­lim e an­tes da der­ro­ca­da do im­pé­rio so­vié­ti­co. Ti­ves­se se atra­sa­do um ano, tal­vez não te­ria si­do con­ta­mi­na­da por idei­as do co­mu­nis­mo, re­gi­me que de­sa­bou por ter se tor­na­do uma fá­bri­ca de po­bre­za e de re­pres­são, ao cus­to de 100 mi­lhões de vi­das ex­ter­mi­na­das.

A ques­tão é sa­ber se o Bra­sil apro­vei­ta­rá a trí­pli­ce crise pa­ra fa­zer um am­plo de­ba­te na­ci­o­nal e ini­ci­ar um gran­de re­co­me­ço. A so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra pre­ci­sa se per­gun­tar por que, sen­do tão ri­co de re­cur­sos, o país in­sis­te em con­ti­nu­ar po­bre e afun­da­do nos er­ros de sem­pre. Em en­tre­vis­ta à Glo­bo News, o se­na­dor Jo­sé Ser­ra afir­mou que o de­ba­te no Bra­sil aca­bou, in­clu­si­ve no Con­gres­so. Se no par­la­men­to – uma Ca­sa que de­ve­ria ser exem­plo de in­te­li­gên­cia e sa­ber – o de­ba­te ine­xis­te, dá pa­ra ima­gi­nar o que ocor­re nos es­ta­dos e nos mu­ni­cí­pi­os.

De iní­cio, o gran­de re­co­me­ço do Bra­sil pas­sa por am­pli­ar e mo­der­ni­zar a in­fra­es­tru­tu­ra e trans­for­mar o sis­te­ma edu­ca­ci­o­nal. O pro­gres­so na era da cri­a­ti­vi­da­de e da ino­va­ção de­pen­de es­sen­ci­al­men­te do ca­pi­tal hu­ma­no, pa­ra o que é ne­ces­sá­rio trans­for­mar a edu­ca­ção. Ao co­men­tar es­tu­do do Ban­co Mun­di­al so­bre a edu­ca­ção bra­si­lei­ra, o jor­nal Fi­nan­ci­al Ti­mes ob­ser­vou, em 2009, que “o ca­pi­tal hu­ma­no pa­re­ce ser o pon­to crí­ti­co pa­ra a en­tra­da do Bra­sil na eco­no­mia do co­nhe­ci­men­to”.

A his­tó­ria re­ve­la que as gran­des cri­ses po­dem con­ter a se­men­te de gran­des re­vo­lu­ções tec­no­ló­gi­cas. Is­so ocor­reu com a re­cu­pe­ra­ção ale­mã após ser de­vas­ta­da pe­la guer­ra e ocor­reu tam­bém com a gran­de de­pres­são dos anos 1930. A ex­plo­são de ino­va­ções tec­no­ló­gi­cas e de in­ven­ções após es­ses dois even­tos cri­ou as ba­ses pa­ra a ex­pan­são mun­di­al das dé­ca­das após o fim da Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al. Ca­be a nós apro­vei­tar ou não a trí­pli­ce crise que se aba­teu so­bre o Bra­sil.

A his­tó­ria re­ve­la que as gran­des cri­ses po­dem con­ter a se­men­te de gran­des evo­lu­ções

tec­no­ló­gi­cas

JO­SÉ PIO MARTINS

é eco­no­mis­ta e rei­tor da Uni­ver­si­da­de Po­si­ti­vo em Cu­ri­ti­ba

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.