Opre­ço­deu­ma­ges­tão­te­me­rá­ria

Folha de Londrina Domingo - - OPINIÃO - ES­PA­ÇO ABER­TO Re­gi­nal­do Gonçalves

As cri­ses, à me­di­da que não têm res­pos­tas po­si­ti­vas das po­lí­ti­cas pú­bli­cas e da ges­tão da eco­no­mia, re­tro­a­li­men­tam-se a ca­da da­do ne­ga­ti­vo, num ine­vi­tá­vel efei­to do­mi­nó psi­co­ló­gi­co na po­pu­la­ção e nos se­to­res pro­du­ti­vos. Exem­plo dis­so foi o re­fle­xo da di­vul­ga­ção da que­da do PIB em 2015, de 3,8%. O im­pac­to foi ime­di­a­to nos em­pre­gos, nos re­sul­ta­dos da in­dús­tria e do co­mér­cio, nas com­pras de fi­nal de ano e até no car­na­val: me­nos vi­a­gens, des­ti­nos mais ba­ra­tos e freio no con­su­mo.

De­ve-se re­gis­trar que a pre­sen­te crise atin­giu ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te aque­les que ti­ve­ram me­lho­ria sig­ni­fi­ca­ti­va na qua­li­da­de de vi­da a par­tir do Pla­no Re­al, prin­ci­pal­men­te as clas­ses C e D, que pas­sa­ram a con­su­mir, in­cluin­do vi­a­gens, ar­ti­gos de tou­ca­dor, ci­rur­gia plás­ti­ca, aca­de­mi­as e ou­tros itens de be­le­za e saúde. As ações do go­ver­no, nos 20 anos que se se­gui­ram ao Pla­no Re­al, até 2014, fo­ram im­por­tan­tes. Ob­ser­vou­se cres­ci­men­to no mer­ca­do in­ter­no das in­dús­tri­as, co­mér­cio e ser­vi­ços, mes­mo com a for­ma as­sis­ten­ci­a­lis­ta de re­dis­tri­bui­ção de ren­da do Bol­sa Fa­mí­lia, que de­mons­trou ser efi­ci­en­te ao dar às pes­so­as de bai­xa ren­da uma es­pe­ran­ça de me­lho­res di­as. Há, ain­da, o fi­nan­ci­a­men­to da edu­ca­ção, bol­sas de es­tu­do e in­cen­ti­vos à com­pra da ca­sa pró­pria, den­tre ou­tros fa­to­res de in­clu­são so­ci­o­e­conô­mi­ca.

Os pro­ble­mas bra­si­lei­ros ma­ni­fes­ta­ram-se, pau­la­ti­na­men­te, a par­tir de 2008, quan­do eclo­diu a gran­de crise mun­di­al nas­ci­da no crash imo­bi­liá­rio nor­te-ame­ri­ca­no. Em nos­so país, as au­to­ri­da­des di­zi­am que era “ape­nas uma ma­ro­li­nha”. Ago­ra, con­tu­do, o mun­do es­tá se re­cu­pe­ran­do, mas o Bra­sil afun­da nu­ma gra­ve re­tra­ção econô­mi­ca. In­fe­liz­men­te, não se sou­be ge­rir os re­cur­sos ea­po­lí­ti­ca­e­conô­mi­ca­no­con­tex­to­da­con­jun­tu­ra glo­bal. As­sis­ten­ci­a­lis­mo sem con­tro­le, des­vi­os de fi­na­li­da­de dos re­cur­sos or­ça­men­tá­ri­os, ocul­ta­ção dos nú­me­ros da eco­no­mia e uso de es­ta­tais, co­moa Pe­tro­bras, pa­ra re­ter a in­fla­ção, cas­ti­gan­do o cai­xa da com­pa­nhia. O go­ver­no gas­tou mui­to mais do que ar­re­ca­da e ge­rou um enor­me de­fi­cit fis­cal. Co­mo se não bas­tas­se, os ca­sos de cor­rup­ção apu­ra­dos na Ope­ra­ção La­va Ja­to mi­na­ram a con­fi­an­ça na eco­no­mia na­ci­o­nal.

A fal­ta de trans­pa­rên­cia, au­sên­cia de com­pli­an­ce e a ges­tão te­me­rá­ria da eco­no­mia apro­fun­dam a crise. O que se per­ce­be nes­sa si­tu­a­ção é que os ju­ros co­me­ça­ram a au­men­tar por con­ta do cres­ci­men­to da in­fla­ção. Po­rém, nem mes­mo a Se­lic em 14,25% ao ano não con­tém os ín­di­ces in­fla­ci­o­ná­ri­os. Não se ob­ser­va a pos­si­bi­li­da­de de che­gar a 4,5% ao ano, com viés de 2% em 2016. A bai­xa cre­di­bi­li­da­de pro­vo­cou o re­bai­xa­men­to das no­tas de cré­di­to do País, di­fi­cul­tan­do e en­ca­re­cen­do os fi­nan­ci­a­men­tos ex­ter­nos.

Co­mo o ce­ná­rio é de re­du­ção do PIB, o efei­to em cas­ca­ta ma­ni­fes­ta-se no desemprego, que­da na ar­re­ca­da­ção tri­bu­tá­ria e pro­ble­mas pa­ra ge­rir uma má­qui­na ad­mi­nis­tra­ti­va in­cha­da e one­ro­sa de­mais­pa­ra­a­so­ci­e­da­de.Omais­gra­veé­que­ain­da se bus­ca o equi­lí­brio fis­cal por meio do au­men­to de tri­bu­tos e não da re­du­ção de su­as des­pe­sas. É uma imen­sa con­tra­di­ção. Se a União in­sis­tir em con­ti­nu­ar au­men­tan­do im­pos­tos, a re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia po­de­rá de­mo­rar mui­to tem­po. A fal­ta de di­nhei­ro do go­ver­no fe­de­ral pa­ra in­ves­ti­men­tos é ní­ti­da e, pas­mem, já atin­ge a pró­pria Ca­sa da Mo­e­da. Da­dos os cus­tos da im­pres­são e do pa­pel, es­tu­da­se uma for­ma de am­pli­ar o uso de car­tões.

De­vi­do à fal­ta de re­cur­sos, mes­mo­co­ma­vol­ta­daCPMF de­fen­di­da pe­lo go­ver­no, a si­tu­a­ção fis­cal é ca­da vez pi­or. A bus­ca ago­ra é pe­la ven­da de ati­vos, con­ces­sões e até o uso de di­nhei­ro do FGTS pa­ra aque­cer o mer­ca­do, in­clu­si­ve o imo­bi­liá­rio. A re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia bra­si­lei­ra de­pen­de­rá de uma ação con­jun­ta e da exem­plar pu­ni­ção pe­los des­vi­os de fi­na­li­da­de no or­ça­men­to da União, pa­ra res­ga­tar a con­fi­an­ça da po­pu­la­ção nas ins­ti­tui­ções. Tam­bém é fun­da­men­tal, além das pri­sões de em­pre­sá­ri­os e agen­tes pú­bli­cos, que a Ope­ra­ção La­va Ja­to con­si­ga re­cu­pe­rar e re­pa­tri­ar to­do o di­nhei­ro rou­ba­do do po­vo. O preço de uma ges­tão te­me­rá­ria é mui­to al­to pa­ra um país, em es­pe­ci­al pa­ra as camadas po­pu­la­ci­o­nais de mais bai­xa ren­da. Es­ta­mos jo­gan­do na la­ta do li­xo da his­tó­ria a gran­de opor­tu­ni­da­de de de­sen­vol­vi­men­to cri­a­da pe­lo Pla­no Re­al.

O go­ver­no gas­tou mui­to mais do que ar­re­ca­da e ge­rou um enor­me de­fi­cit fis­cal

REGINALDOGONÇALVES

é co­or­de­na­dor do cur­so de Ci­ên­ci­as Con­tá­beis da Fa­cul­da­de

San­ta Mar­ce­li­na em São Pau­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.