Me­nos es­pe­ran­ça, mais frus­tra­ção

Folha de Londrina Domingo - - REPORTAGEM -

Os mais jo­vens são os pri­mei­ros a so­frer com desemprego em ca­so de crise e os úl­ti­mos a ser in­cor­po­ra­dos pe­lo mer­ca­do quan­do ocor­re a re­cu­pe­ra­ção econô­mi­ca. O aler­ta é da eco­no­mis­ta Lei­la Rocha Pel­le­gri­no, pro­fes­so­ra da Uni­ver­si­da­de Mac­ken­zie Cam­pi­nas, pa­ra qu­em o ce­ná­rio atu­al po­de com­pro­me­ter as ex­pec­ta­ti­vas de to­da uma ge­ra­ção em re­la­ção à em­pre­ga­bi­li­da­de.

“O ce­ná­rio com­pro­me­te a es­pe­ran­ça. É uma ge­ra­ção que não co­nhe­cia a crise, que ti­nha gran­des pro­mes­sas pro­fis­si­o­nais, mas não es­tá re­ce­ben­do na­da dis­so e vai ter que li­dar com um ele­men­to de frus­tra­ção im­por­tan­te”, opi­na. Uma das con­sequên­ci­as do ce­ná­rio atu­al é que os jo­vens com mais pos­si­bi­li­da­des econô­mi­cas po­dem op­tar por pas­sar mais tem­po es­tu­dan­do e in­ves­tin­do em qua­li­fi­ca­ção. “A gra­vi­da­de é o jo­vem que não tem es­sa pos­si­bi­li­da­de e pre­ci­sa en­fren­tar o mer­ca­do an­tes de ter­mi­nar o En­si­no Mé­dio. Es­se jo­vem po­de aca­bar in­gres­san­do na in­for­ma­li­da­de e vai ter mui­ta di­fi­cul­da­de pa­ra se for­ma­li­zar no fu­tu­ro”, acre­di­ta.

Com is­so, ela ava­lia que a con­cen­tra­ção de ren­da vai se agra­var, pois gran­de par­te da ju­ven­tu­de bra­si­lei­ra não con­se­gui­rá se de­fen­der.“Po­de ha­ve­ru­ma­pi­o­ra­no­sin­di­ca­do­res de de­si­gual­da­de, po­ten­ci­a­li­zan­do até mes­mo a vi­o­lên­cia”, la­men­ta, lem­bran­do que o pre­juí­zo econô­mi­co de uma po­pu­la­ção su­bo­cu­pa­da é ruim pa­ra a ge­ra­ção de ren­da, mas o ce­ná­rio cau­sa tam­bém da­nos psi­co­ló­gi­cos pa­ra a ju­ven­tu­de, que po­de fi­car com sen­ti­men­to de frus­tra­ção e im­po­tên­cia. “A ge­ra­ção que en­tra ago­ra no mer­ca­do pos­si­vel­men­te se­rá me­nos con­fi­an­te, pois as opor­tu­ni­da­des são me­no­res”, afir­ma.

Lei­la opi­na que os jo­vens já es­tão per­ce­ben­do pi­o­ra na quan­ti­da­de e na qua­li­da­de da ofer­ta de em­pre­go. “Is­so com­pro­me­te a ca­pa­ci­da­de de ou­sar, o es­pí­ri­to em­pre­en­de­dor da ju­ven­tu­de no tra­ba­lho”, la­men­ta.

Pa­ra qu­em es­tá pen­san­do ago­ra so­bre qual pro­fis­são es­co­lher, a pro­fes­so­ra acon­se­lha a fo­car na boa qua­li­fi­ca­ção. “Não adi­an­ta ir pa­ra uma área com a qual não te­nha afi­ni­da­de só por­que o se­tor pa­re­ce ter mais opor­tu­ni­da­des. Quan­do anun­ci­am as áre­as pro­mis­so­ras, mui­ta gen­te vai pa­ra elas, que aca­bam in­flan­do. E aí o que era opor­tu­ni­da­de dei­xa de ser”, diz. Por is­so, ela re­for­ça que, den­tro da área de pre­fe­rên­cia, o me­lhor é in­ves­tir na qua­li­da­de do tra­ba­lho que po­de ofe­re­cer pa­ra ga­ran­tir com is­so me­lho­res opor­tu­ni­da­des. “Jo­vens de­vem bus­car ex­ce­lên­cia do en­si­no, de qua­li­fi­ca­ção e ter ati­tu­de ali­nha­da com o mer­ca­do do tra­ba­lho, pa­ra me­lho­rar a em­pre­ga­bi­li­da­de.” (C.A.)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.