SemNey­mar,Dun­ga­de­ve mu­da­res­que­ma­tá­ti­co

Além da pres­são por não ven­cer gran­des se­le­ções sul-ame­ri­ca­nas, trei­na­dor ain­da te­rá que mexer na equi­pe con­tra o Pa­ra­guai por cau­sa da sus­pen­são do ca­mi­sa 10

Folha de Londrina Domingo - - ESPORTE - Das Agên­ci­as

Re­ci­fe - Dun­ga não te­rá Ney­mar pe­la ter­cei­ra vez no sex­to jo­go das Eli­mi­na­tó­ri­as pa­ra a Co­pa do Mun­do-2018. A au­sên­cia do ata­can­te, sus­pen­so no­va­men­te, des­ta vez pe­lo se­gun­do car­tão ama­re­lo - an­tes ha­via per­di­do dois jo­gos por xin­gar o ár­bi­tro En­ri­que Os­ses na Co­pa Amé­ri­ca de 2015 - for­ça­rá o téc­ni­co a al­te­rar o es­que­ma tático. Ape­sar do em­pa­te por 2 a 2 com o Uru­guai, na úl­ti­ma sex­ta-fei­ra, o sis­te­ma de jo­go bra­si­lei­ro tem sur­ti­do efei­to ofen­si­va­men­te. O téc­ni­co, co­mo de cos­tu­me, não con- fir­mou qu­em es­ta­rá na va­ga de Ney­mar no ata­que. Ele de­ve man­ter o mis­té­rio até ter­ça-fei­ra, quan­do a se­le­ção vi­si­ta­rá o Pa­ra­guai em As­sun­ção. São bo­as as chan­ces de o ti­me dei­xar de usar três jo­ga­do­res ha­bi­li­do­sos na li­nha de fren­te (Wil­li­an pe­la di­rei­ta, Ney­mar cen­tra­li­za­do e Dou­glas Cos­ta na es­quer­da) e co­lo­car um cen­tro­a­van­te fi­xo, for­ma­ção que não é usa­da des­de o pri­mei­ro tem­po no em­pa­te com a Ar­gen­ti­na, por 1 a 1, em no­vem­bro. Des­de lá, fo­ram dois jo­gos sem o ca­mi­sa 9. No elen­co, as op­ções são Ri­car­do Oli­vei­ra, do Santos, e Jo­nas, do Ben­fi­ca. O san­tis­ta, ar­ti­lhei­ro do úl­ti­mo Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro, é o fa­vo­ri­to, por já ter ti­do chan­ce co­mo ti­tu­lar com Dun­ga. Jo­nas só foi cha­ma­do por­que Ro­ber­to Fir­mi­no, do Li­ver­po­ol, se ma­chu­cou e foi cor­ta­do. Se Ri­car­do Oli­vei­ra en­trar, Wil­li­an e Dou­glas Cos­ta não de­vem mu­dar de fun­ção, mas per­de­rão o “fa­ci­li­ta­dor”, que é Ney­mar, res­pon­sá­vel por pu­xar a mar­ca­ção ad­ver­sá­ria. “Acho que es­se es­que­ma que o Dun­ga es­ta­va fa­zen­do vi­nha dan­do mui­to cer­to, nas úl­ti­mas par­ti­das que ti­ve­mos jo­ga­mos bem. É uma perda gran­de não ter o Ney­mar”, dis­se Wil­li­an.

DE­SA­TEN­ÇÃO Ao fi­nal da par­ti­da con­tra o Uru­guai, os bra­si­lei­ros ad­mi­ti­ram que a fal­ta de aten­ção após o se­gun­do gol do ti­me fez a di­fe­ren­ça de for- ma ne­ga­ti­va pa­ra a equi­pe de Dun­ga.

“Achei que quan­do abri­mos 2 a 0, tí­nha­mos o jo­go na mão e va­ci­la­mos na mar­ca­ção do pri­mei­ro gol do Uru­guai. Co­lo­ca­mos eles de vol­ta no jo­go e, quan­do con­se­gui­ram o em­pa­te, se fe­cha­ram e jo­ga­ram no con­tra-ata­que. Nos­so gran­de er­ro foi le­var o pri­mei­ro gol”, ana­li­sou o meia Re­na­to Au­gus­to, um dos des­ta­ques do ti­me bra­si­lei­ro.

O go­lei­ro Alis­son, que fez pe­lo me­nos du­as gran­des de­fe­sas e evi­tou a der­ro­ta, acre­di­ta que te­nha fal­ta­do tran­qui­li­da­de pa­ra sa­ber ad­mi­nis­trar a vi­tó­ria por dois gols de di­fe­ren­ça. “A gen­te co­me­çou mui­to bem e fi­ze­mos o gol ce­do. Tal­vez fal­tou um pou­co de tran­qui­li­da­de pa­ra con­tro­lar o jo­go. Eles jo­gam atrás, por uma bo­la, um vacilo. To­ma­mos o gol que não po­día­mos ter to­ma­do. In­fe­liz­men­te, não deu pa­ra sair com a vi­tó­ria”, la­men­tou.

Já o téc­ni­co Dun­ga ad­mi­tiu que a de­fe­sa da se­le­ção bra­si­lei­ra não es­te­ve bem con­tra a Ce­les­te. “Ti­ve­mos al­gu­mas si­tu­a­ções que são fo­ra do nor­mal pe­la experiência dos nos­sos jo­ga­do­res”, co­men­tou. Com o re­sul­ta­do, o Bra­sil se man­te­ve na ter­cei­ra co­lo­ca­ção com oi­to pon­tos, en­quan­to o Uru­guai é o se­gun­do co­lo­ca­do, com dez.

Ch­ris­topher Si­mon/AFP

Des­ta­que da par­ti­da com gol de em­pa­te, Suá­rez con­so­la o com­pa­nhei­ro do Bar­ce­lo­na, sus­pen­so do pró­xi­mo jo­go na ter­ça-fei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.