Condô­mi­nos­têm­con­tas aa­cer­tar­co­moLeão

Pro­pri­e­tá­ri­os de imó­veis de­vem de­cla­rar os ga­nhos com alu­guel de áre­as co­muns e os sín­di­cos pre­ci­sam in­for­mar o ren­di­men­to, mes­mo que se­ja a isen­ção da ta­xa de con­do­mí­nio

Folha de Londrina Domingo - - IMOBILIÁRIA - Ali­ne Ma­cha­do Pa­ro­di Re­por­ta­gem Lo­cal PAI­NEL IMO­BI­LIÁ­RIO

Opra­zo pa­ra a en­tre­ga da de­cla­ra­ção do im­pos­to de ren­da ter­mi­na no dia 29 de abril. Qu­em é pro­pri­e­tá­rio de imó­vel ou sín­di­co de con­do­mí­nio e ain­da não acer­tou as con­tas com o Leão e pre­ci­sa fi­car aten­to a al­guns de­ta­lhes pa­ra não cair na ma­lha fi­na.

Pa­ra a Receita Fe­de­ral, con­do­mí­ni­os são isen­tos do pa­ga­men­to de Im­pos­to de Ren­da, por is­so, não pre­ci­sam fa­zer de­cla­ra­ção de ren­da, o que ca­be ao sín­di­co e seus mo­ra­do­res.

Épre­ci­so­de­cla­ra­ros­ga­nhos ob­ti­dos pe­la lo­ca­ção de áre­as co­muns nos con­do­mí­ni­os e o ren­di­men­to de sín­di­co. A con­ta­do­raCa­ri­nePe­rei­raMar­ques da Cos­ta, da Marques Con­ta­bi­li­da­de, ex­pli­ca que “as­sim co­mo é fei­to o ra­teio das des­pe­sas en­tre os condô­mi­nos, tam­bém é re­pas­sa­do os va­lo­res re­ce­bi­dos com o alu­guel, por exem­plo, de an­te­nas de te­le­fo­nia, apar­ta­men­tos que per­ten­cem ao con­do­mí­nio, en­tre ou­tros. E es­se ra­tei­ro de ga­nhos de­ve ser in­for­ma­do na de­cla­ra­ção de IR no item “ou­tras re­cei­tas”.

A legislação tri­bu­tá­ria de­ter­mi­na que os va­lo­res re­ce­bi­dos pe­la lo­ca­ção de es­pa­ços fí­si­cos se su­jei­tam ao re­co­lhi­men­to men­sal do IR, por meio do car­nê leão se re­ce­bi­dos de pes­so­as fí­si­cas ou de fon­te no ex­te­ri­or, ou à re­ten­ção na fon­te se pa­gas por pes­so­as ju­rí­di­cas.

O con­ta­dor do con­do­mí­nio de­ve en­vi­ar a ca­da condô­mi­no o in­for­me de ren­di­men­tos pa­ra que o con­tri­buin­te pos­sa fa­zer a de­cla­ra­ção.“Ape­sar de ser uma ren­da ex­tra do condô­mi­no e ele ter obri­ga­ção de de­cla­rar, não é de pra­xe os con­ta­do­res en­ca­mi­nha­rem os in­for­me de ren­di­men­to.”

De acor­do com o Por­tal Sin­di­coNet, o pa­ga­men­to pe­la ocu­pa­ção de áre­as co­muns co­mo sa­lão de fes­tas, pis­ci­nas e chur­ras­quei­ras pe­los pró­pri­os condô­mi­nos não é con­si­de­ra- do ren­di­men­to de alu­guel.

O por­tal res­sal­ta ain­da, que “de acor­do com o li­vro ‘Re­vo­lu­ci­o­nan­do o Con­do­mí­nio’, de Ro­sely Be­ne­vi­des de Oli­vei­ra Schwartz, as re­cei­tas men­sais pro­ve­ni­en­tes da lo­ca­ção de área co­mum de­ve­rão ser di­vi­di­das de acor­do com a fra­ção ide­al, ou a for­ma es­ti­pu­la­da na con­ven­ção e os re­ci­bos en­ca­mi­nha­dos pa­ra ca­da condô­mi­no.

Va­le lem­brar tam­bém que, se os ga­nhos de­vem ser de­cla­ra­dos, as des­pe­sar com o con­do­mí­nio não são de­du­tí­vel do IR.

RE­MU­NE­RA­ÇÃO

DOSÍNDICO O sín­di­co que tem isen­ção da ta­xa con­do­mi­ni­al pre­ci­sa in­cluir es­se be­ne­fí­cio em sua de­cla­ra­ção, já que a isen­ção se­ria pro­por­ci­o­nal a um pa­ga­men­to pe­los ser­vi­ços pres­ta­dos.

A con­ta­do­ra ex­pli­ca que a isen­ção ou mes­mo uma aju­da de cus­to que o sín­di­co re­ce­ba pre­ci­sa ser in­for­ma­do no IR. “Os sín­di­cos pre­ci­sam se aten­tar que qual­quer ti­po de re­mu­ne­ra­ção pre­ci­sa ser de­cla­ra­da. A Receita não fa­la em sa­lá­rio e sim em re­mu­ne­ra­ção, e pa­ra a Receita não exis­te aju­da de cus­to, é tu­do re­mu­ne­ra­ção. In­clu­si­ve, os apo­sen­ta­dos que são sín­di­cos pre­ci­sam fa­zer a de­cla­ra­ção”, aler­ta Ca­ri­ne.

Ca­so o sín­di­co não in­clua as in­for­ma­ções na sua de­cla­ra­ção anu­al, cor­re o ris­co de cair na ma­lha fi­na, uma vez que o con­ta­dor faz a de­cla­ra­ção men­sal des­te va­lor (isen­ção, sa­lá­rio ou aju­da de cus­to) na Guia de Re­co­lhi­men­to do FGTS e In­for­ma­ções à Pre­vi­dên­cia So­ci­al (GFIP).“A Receita po­de cru­zar as in­for­ma­ções da GFIP e da DIRF (De­cla­ra­ção de Im­pos­to de Ren­da Re­ti­do na Fon­te) e a pes­soa ser pe­ga na ma­lha fi­na.”

De acor­do com Ca­ri­ne, o úni­co ca­so em que o sín­di­co po­de se exi­mir de fa­zer a de­cla­ra­ção da re­mu­ne­ra­ção é quan­do ele já de­duz de ou­tra fon­te pa­ga­do­ra o te­to má­xi­mo do INSS (R$ 570).

O Por­tal Sín­di­coNet in­for­ma que se es­sa receita ul­tra­pas­sar os R$ 6 mil anu­ais o va­lor de­ve ser de­cla­ra­do na DIRF e se o sín­di­co re­ce­ber sa­lá­rio, de­ve de­cla­rar­da­mes­ma­ma­nei­ra.

Em­bo­ra não se ca­rac­te­ri­ze co­mo pes­soa ju­rí­di­ca, o con­do­mí­nio é res­pon­sá­vel pe­la re­ten­ção e re­co­lhi­men­to do im­pos­to so­bre a ren­da in­ci­den­te na fon­te, quan­do se en­qua­drar co­mo em­pre­ga­dor, em fa­ce da legislação tra­ba­lhis­ta e pre­vi­den­ciá­ria, de­ven­do re­ter o im­pos­to so­bre os ren­di­men­tos pa­gos aos seus em­pre­ga­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.