EXEM­PLO

Se­cre­tá­rio-ge­ral da Con­tas Aber­tas acre­di­ta que afas­ta­men­to de Dil­ma po­de ser­vir de aler­ta pa­ra ou­tros ges­to­res na uti­li­za­ção do di­nhei­ro pú­bli­co

Folha de Londrina Domingo - - PRIMEIRA PÁGINA - Ed­son Fer­rei­ra Re­por­ta­gem Lo­cal

Afas­ta­men­to de Dil­ma Rous­seff po­de ser­vir pa­ra cha­ma­ra­ten­ção­da so­ci­e­da­de quan­to à im­por­tân­cia da Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal, apon­ta se­cre­tá­rio-ge­ral da ONG Con­tas Aber­tas

Opro­ces­so de im­pe­a­ch­ment da pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff (PT), acu­sa­da de su­pos­to cri­me de res­pon­sa­bi­li­da­de, re­ve­lou uma prá­ti­ca co­mum dos ges­to­res pú­bli­cos no País: o des­res­pei­to à Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal (LRF). Na mai­o­ria das ve­zes, o de­se­qui­lí­brio das con­tas pú­bli­cas fi­ca es­con­di­do do elei­tor e sem a de­vi­da pu­ni­ção pe­lo Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU) e pe­los tri­bu­nais de con­tas es­ta­du­ais, cu­jas com­po­si­ções são fei­tas por in­di­ca­ções po­lí­ti­cas, em de­tri­men­to da ca­pa­ci­da­de téc­ni­ca.

Nes­ta en­tre­vis­ta à FO­LHA, o se­cre­tá­rio-ge­ral da ONG Con­tas Aber­tas, Gil Castello Bran­co, apos­ta no efei­to pe­da­gó­gi­co da in­ves­ti­ga­ção con­tra a pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e na sua re­per­cus­são jun­to a pre­fei­tos e go­ver­na­do­res, além de ser­vir pa­ra cha­mar a aten­ção de to­da a so­ci­e­da­de pa­ra a im­por­tân­cia da LRF. “Se um go­ver­na­dor ou pre­fei­to des­cum­priu a LRF, por si só já es­tá pas­sí­vel de pu­ni­ção, mes­mo que o tri­bu­nal de con­tas lo­cal não te­nha apon­ta­do aque­la ir­re­gu­la­ri­da­de”, dis­se.

O pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment con­tra a pre­si­den­te au­men­tou o in­te­res­se da so­ci­e­da­de e a aten­ção dos po­lí­ti­cos so­bre o con­tro­le das con­tas pú­bli­cas,com ba­se na LRF?

Com cer­te­za, eu acho que o pon­to mais po­si­ti­vo des­se im­pe­a­ch­ment é es­sa ques­tão pe­da­gó­gi­ca. Em­bo­ra a LRF se­ja de maio de 2000, nós sa­be­mos que mui­tos ain­da a ig­no­ra­vam. De cer­ta for­ma, mui­tos não cum­prem to­das as exi­gên­ci­as e a par­tir do mo­men­to em que a pró­pria pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca es­tá so­fren­do as con­sequên­ci­as pe­lo não cum­pri­men­to da lei, acho que is­so se­rá um aler­ta pa­ra os ges­to­res es­ta­du­ais, mu­ni­ci­pais e até fe­de­rais, no sen­ti­do de que a LRF é um bem pú­bli­co, uma con­quis­ta da so­ci­e­da­de pa­ra evi­tar que as con­tas pú­bli­cas se­jam de­te­ri­o­ra­das. Is­so acon­te­cia an­tes de 2000, com es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os, e fre­quen­te­men­te os ges­to­res que­bra­vam os es­ta­dos e dei­xa­vam uma he­ran­ça mal­di­ta pa­ra os su­ces­so­res. In­clu­si­ve, mui­tos, não sa­tis­fei­tos em que­brar os es­ta­dos, que­bra­vam tam­bém os ban­cos es­ta­tais. En­tão a LRF, que já exis­tia em ou­tros paí­ses, te­ve es­sa pri­mei­ra mis­são de es­ta­bi­li­zar as con­tas pú­bli­cas, até por­que na­que­la épo­ca a con­ta caía no co­lo da União e so­bre to­dos nós. Não é jus­to que os ges­to­res, pro­po­si­tal­men­te, e so­bre­tu­do no úl­ti­mo ano do man­da­to, con­si­gam de­ses­ta­bi­li­zar as con­tas pú­bli­cas dei­xan­do pro­ble­mas pa­ra os su­ces­so­res e pa­ra o ci­da­dão, que no fun­do é qu­em ar­ca com as des­pe­sas. A União, es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os não ge­ram­ne­nhum­cen­ta­vo,ape­nas fun­ci­o­nam com os im­pos­tos que nós pa­ga­mos.

Co­mo vo­cê dis­se, mui­tos ges­to­res vêm des­res­pei­tan­do a LRF, po­rém, não es­tão res­pon­den­do nem res­pon­de­ram a al­gum pro­ces­so por is­so. O ca­so de Dil­ma tem al­go mais que o des­res­pei­to às con­tas pú­bli­cas?

Não é o TCU nem são os tri­bu­nais de con­tas es­ta­du­ais que ao apre­sen­ta­rem uma quei­xa con­tra o pre­si­den­te, go­ver­na­dor ou pre­fei­to vão ca­rac­te­ri­zar a ir­re­gu­la­ri­da­de. A ir­re­gu­la­ri­da­de exis­te pe­lo des­cum­pri­men­to da lei. Se um go­ver­na­dor ou pre­fei­to des­cum­priu a LRF, por si só já es­tá pas­sí­vel de pu­ni­ção, mes­mo que o tri­bu­nal de con­tas lo­cal não te­nha apon­ta­do aque­la ir­re­gu­la­ri­da­de em um de­ter­mi­na­do mo­men­to. Ou­tra ques­tão im­por­tan­te: não há qual­quer com­pa­ra­ti­vo com aqui­lo que acon­te­ceu em 2014, com a pre­si­den­te, com aqui­lo que vi­nha acon­te­cen­do em anos an­te­ri­o­res com ou­tros pre­si­den­tes. Co­mum nas ati­vi­da­des da Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral (CEF) é o pa­ga­men­to do Bol­sa Fa­mí­lia, que cus­ta apro­xi­ma­da­men­te à União cer­ca de R$ 2 bi­lhões por mês. É sem­pre mui­to di­fí­cil a União ca­li­brar es­sa trans­fe­rên­cia no va­lor exa­to, até por­que exis­te um mo­vi­men­to gran­de no pro­gra­ma, al­guns en­tram, ou­tros sa­em, al­guns não re­ti­ram o di­nhei­ro, en­tão, é mui­to di­fí­cil. O que vi­nha acon­te­cen­do é que a União trans­fe­ria es­ses re­cur­sos pa­ra a CEF, even­tu­al­men­te fal­ta­va ou so­bra­va al­gu­ma coi­sa e es­sa di­fe­ren­ça era re­gu­la­ri­za­da umas 24 ho­ras de­pois. Is­so é bem di­fe­ren­te de 2014, quan­do a União fi­cou de­ven­do pa­ra os ban­cos pú­bli­cos cer­ca de R$ 60 bi­lhões, o que só foi qui­ta­do por­que se tor­nou um es­cân­da­lo pú­bli­co. Do con­trá­rio, não te­ria si­do pa­go por­que fez par­te da es­tra­té­gia elei­to­ral da pre­si­den­te, no mo­men­to em que o Bra­sil atra­ves­sa­va uma si­tu­a­ção eco­no­mi­ca­men­te di­fí­cil e ela não que­ria re­ve­lar. En­quan­to a Cai­xa e o Ban­co do Bra­sil pa­ga­vam dí­vi­das e obri­ga­ções que eram do Te­sou­ro, es­ses re­cur­sos aca­ba­vam fi­can­do nos co­fres da União. Na­que­le ano ela pô­de até au­men­tar al­guns pro­gra­mas so­ci­ais, cri­an­do uma ilu­são na so­ci­e­da­de de que o País es­ta­va em equi­lí­brio fi­nan­cei­ro. Na cam­pa­nha ela usou es­se ar­gu­men­to:“Qu­em es­tá fa­lan­do de cri­se é a opo­si­ção”. Ou­tra ir­re­gu­la­ri­da­de é que es­sa dí­vi­da que a União ti­nha com os ban­cos não foi re­gis­tra­da pe­lo Ban­co Cen­tral, e aca­bou fi­can­do es­con­di­da. Foi um es­te­li­o­na­to elei­to­ral que te­ve co­mo ins­tru­men­to a frau­de fis­cal.

Go­ver­na­do­res já pe­di­ram ao pre­si­den­te do Se­na­do, Renan Calheiros (PMDB-AL), fle­xi­bi­li­za­ção da LRF, ale­gan­do que é mui­to ri­go­ro­sa com ges­to­res em tem­pos de cri­se.A lei cor­re ris­co?

Os go­ver­na­do­res e pre­fei­tos em gran­de par­te não cum­pri­ram a LRF. Ao per­ce­be­rem que es­tá­va­mos em cri­se, ca­be­ria aos ges­to­res re­du­zir des­pe­sas, mas o que nós vi­mos foi na ver­da­de au­men­to de gas­tos com pes­so­al. Quan­do ve­mos os da­dos no Re­la­tó­rio de Ges­tão Fis­cal (RGF), per­ce­be­mos o com­pro­me­ti­men­to das des­pe­sas cor­ren­tes li­qui­das com pes­so­al. En­quan­to a re­cei­ta vi­nha de­cres­cen­do, em fun­ção da cri­se, aca­ba­ram ele­van­do des­pe­sa. É um ti­po de des­pe­sa di­fí­cil de fa­zer re­tor­nar aos co­fres. É pas­sí­vel de pu­ni­ção pe­los tri­bu­nais de con­tas es­ta­du­ais, mas mes­mo quan­do não há o jul­ga­men­to não sig­ni­fi­ca que a ir­re­gu­la­ri­da­de não exis­tiu. No ca­so da pre­si­den­te, por ter acon­te­ci­do em ano elei­to­ral e com di­men­são fi­nan­cei­ra nun­ca vis­ta no País, cha­mou a aten­ção do Mi- nis­té­rio Pú­bli­co de Con­tas (MPC), tan­to que as con­tas de 2014 da pre­si­den­te fo­ram re­pro­va­das. Is­so pros­se­guiu em 2015, com pos­ter­ga­ções me­no­res, em pe­da­la­das no Ban­co do Bra­sil, com sub­sí­di­os agrí­co­las e ou­tros de­cre­tos. Mes­mo com a me­ta fis­cal não sen­do cumprida, ge­ra­ram mais cus­tos. Se tor­nou um fa­to na­ci­o­nal por ter ocor­ri­do no go­ver­no fe­de­ral, on­de tem im­pren­sa em ci­ma, gran­de fis­ca­li­za­ção, en­tão, to­das as pes­so­as co­me­ça­ram a con­vi­ver com es­se ter­mo “pe­da­la­da”, mas es­sa ir­re­gu­la­ri­da­de tam­bém tem acon­te­ci­do em es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os, sem a pu­ni­ção de­vi­da. Mas daí, co­mo já fa­lei, (há) o ca­rá­ter pe­da­gó­gi­co do im­pe­a­ch­ment, por­que os pró­pri­os tri­bu­nais es­tão aler­ta­dos pa­ra es­se fa­to, te­rão uma re­fe­rên­cia pa­ra as pu­ni­ções.

Os tri­bu­nais de con­tas,on­de os con­se­lhei­ros são in­di­ca­dos por in­te­res­ses po­lí­ti­cos, são os prin­ci­pais fis­cais da LRF.Até que pon­to is­so in­ter­fe­re?

Ain­da te­mos mui­tos pro­ble­mas na com­po­si­ção des­tes tri­bu­nais. Mui­tas ve­zes não dei­xa­ram de pu­nir por­que pas­sou ao lar­go ou fal­tou um cri­té­rio téc­ni­co, mas por ra­zões po­lí­ti­cas. Pe­la for­ma co­mo são in­di­ca­dos os con­se­lhei­ros e os mi­nis­tros no TCU, aca­bam po­li­ti­zan­do de­ci­sões. Mas em ge­ral o cor­po de téc­ni­cos des­tes tri­bu­nais é com­pe­ten­te, são con­cur­sa­dos. O TCU, por exem­plo, tem um dos con­cur­sos mais di­fí­ceis do País e se não pre­va­le­ce a in­ge­rên­cia po­lí­ti­ca a pu­ni­ção é qua­se uma con­sequên­cia na­tu­ral. Es­pe­ra-se que se­ja mo­di­fi­ca­da es­sa for­ma de de­sig­na­ção dos con­se­lhei­ros, por­que es­sa for­ma, com na­tu­re­za po­lí­ti­ca, faz que o tri­bu­nal aja po­li­ti­ca­men­te pa­ra de­fen­der um pre­fei­to ou go­ver­na­dor, o que aca­ba sen­do mui­to ruim pa­ra nós, ci­da­dãos.

Mui­tas ve­zes (osTCs) não dei­xa­ram de pu­nir por­que pas­sou ao lar­go ou fal­tou um cri­té­rio téc­ni­co,mas por ra­zões po­lí­ti­cas”

Di­vul­ga­ção

Gil Castello Bran­co, se­cre­tá­ri­o­ge­ral da ONG Con­tas Aber­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.