Ga­nhou o FMI e o po­vo?

Folha de Londrina Domingo - - POLÍTICA -

Até ago­ra as me­di­das do go­ver­no in­te­ri­no fo­ram po­si­ti­vas no in­te­res­se do mer­ca­do, co­mo se viu nas re­a­ções do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal em tor­no das pre­ten­sões e dos no­mes até aqui co­gi­ta­dos a par­tir do prin­ci­pal de­les, Hen­ri­que Mei­rel­les, na Fa­zen­da e de so­lu­ções co­mo a do exe­cu­ti­vo Pe­dro Pa­ren­te na Pe­tro­bras. Não cri­ou um só fa­to po­lí­ti­co jun­to à mas­sa em ter­mos po­si­ti­vos já que ao con­trá­rio se es­pe­ra jus­ta­men­te uma es­ca­la­da de res­tri­ções no cam­po so­ci­al, co­mo se não bas­tas­se a man­ca­da do nos­so mi­nis­tro da Saú­de com re­la­ção ao aten­di­men­to uni­ver­sal pe­lo Sis­te­ma Úni­co de Saú­de.

En­quan­to is­so, a re­sis­tên­cia se acir­ra em acam­pa­men­tos per­ma­nen­tes co­mo o do Iphan na Ca­pi­tal, nas ma­ni­fes­ta­ções de rua e nas re­des so­ci­ais e a pró­pria pre­si­den­te afas­ta­da, do seu bun­ker, dá en­tre­vis­tas à mí­dia in­ter­na­ci­o­nal. De ou­tro la­do, em fun­ção de ame­a­ças ao ve­lho e im­ba­tí­vel en­tu­lho tra­ba­lhis­ta e pre­vi­den­ciá­rio, cen­trais sin­di­cais se fun­dem e com o pro­pó­si­to de su­pe­rar, em efe­ti­vo, a CUT, bra­ço sin­di­cal do lu­lo­pe­tis­mo,

Co­mo se vê, os avan­ços do go­ver­no fa­vo­re­cem o ar­ca­bou­ço sim­bó­li­co na pers­pec­ti­va do mer­ca­do, con­se­quen­te­men­te da eli­te, e re­es­cre­vem a pan­to­mi­ma vol­ta e meia re­pe­ti­da de que per­ma­ne­ce­mos en­tre a Ca­sa Gran­de e a Sen­za­la, me­tá­fo­ra vol­ta e meia re­fe­ri­da por Mi­no Car­ta, co­mo se es­sa li­nha de fren­te do pe­tis­mo, a dos que es­tão na ca­deia ou la­de­an­do o alam­bra­do pa­ra ne­la in­gres­sar, fos­sem ex­pres­são do pro­le­ta­ri­a­do so­fre­dor e ex­plo­ra­do ou mes­mo do lúm­pen. Pa­re­ce que não é exa­ta­men­te da vo­ca­ção e do es­ti­lo dos que as­su­mi­ram o go­ver­no cor­te­jar as mas­sas, o que não se­ria um mal no ca­so bra­si­lei­ro, tan­tas as nos­sas con­ces­sões po­pu­lis­tas, e is­so po­de, nes­sa al­tu­ra do cam­pe­o­na­to, ge­rar um vá­cuo, cu­ja den­si­da­de psi­cos­so­ci­al não de­ve ser, em hi­pó­te­se al­gu­ma, su­bes­ti­ma­da. O im­pe­a­ch­ment ga­nhou vi­si­vel­men­te a ba­ta­lha das ru­as em es­ca­la­da nu­mé­ri­ca da­que­les que a ele se opu­nham, po­rém até aqui não hou­ve co­lher de chá pa­ra as mas­sas e no cam­po sim­bó­li­co, ar­ma sem­pre bem ope­ra­da por Lu­la, os cam­pos que res­ta­ram, ge­ra­dos pe­lo ma­ni­queís­mo pri­má­rio, fa­vo­re­cem os atu­ais per­de­do­res, que com is­so acu­mu­lam ener­gia pa­ra uma vi­ra­da, sa­bi­da­men­te não im­pos­sí­vel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.