Tra­ba­lha­dor ru­ral so­fre para aces­sar a Pre­vi­dên­cia

Se­cre­tá­rio da Fe­ta­ep diz que in­for­ma­li­da­de gran­de do se­tor di­fi­cul­ta aten­di­men­to de so­li­ci­ta­ções jun­to ao INSS

Folha de Londrina Domingo - - PRIMEIRA PÁGINA - EN­TRE­VIS­TA

Es­te mês, re­pre­sen­tan­tes das fe­de­ra­ções dos tra­ba­lha­do­res ru­rais do Sul do País se reu­ni­ram em Flo­ri­a­nó­po­lis para dis­cu­tir apo­sen­ta­do­ria. De acor­do com a Fe­de­ra­ção dos Tra­ba­lha­do­res na Agri­cul­tu­ra do Es­ta­do do Pa­ra­ná (Fe­ta­ep), 56% dos be­ne­fí­ci­os so­li­ci­ta­dos pe­la ca­te­go­ria ao Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Se­gu­ro So­ci­al (INSS) no Es­ta­do no ano pas­sa­do fo­ram ne­ga­dos. Par­te des­sas ne­ga­ti­vas é re­ver­ti­da na Jus­ti­ça. Mas mui­tos não con­se­guem se apo­sen­tar.

“Até 2010, a Lei nº 8.213 da­va opor­tu­ni­da­de para o tra­ba­lha­dor ru­ral se apo­sen­tar pro­van­do 15 anos de ati­vi­da­de. Mas, em 2008, sur­giu a Lei nº 11.718, que pas­sa a exi­gir 15 anos de con­tri­bui­ção”, afir­ma o se­cre­tá­rio da área de Pre­vi­dên­cia So­ci­al da Fe­ta­ep, Car­los Al­ber­to Ga­bi­at­to. Po­rém, a in­for­ma­li­da­de é de 70% no Bra­sil e de 38% no Pa­ra­ná. “A par­tir de 2010, o tra­ba­lha­dor tem de com­pro­var con­tri­bui­ção. Co­mo não é for­ma­li­za­do, não tem re­gis­tro em car­tei­ra, fi­ca pe­na­li­za­do pe­la lei”, de­cla­ra.

O me­do das en­ti­da­des é que, com a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia que de­ve­rá ser fei­ta pe­lo go­ver­no fe­de­ral, a ca­te­go­ria se­ja ain­da mais pre­ju­di­ca­da.

O que vo­cês dis­cu­ti­ram no en­con­tro de Flo­ri­a­nó­po­lis?

Foi uma dis­cus­são so­bre a es­tru­tu­ra­ção da Pre­vi­dên­cia que vem sen­do fei­ta pe­lo go­ver­no fe­de­ral. A Pre­vi­dên­cia So­ci­al tem 93 anos no País. E ago­ra, o go­ver­no man­da o Mi­nis­té­rio da Pre­vi­dên­cia para o Mi­nis­té­rio da Fa­zen­da e o INSS para o Mi­nis­té­rio do De­sen­vol­vi­men­to So­ci­al e Agrá­rio. Is­so por si só já traz uma gran­de pre­o­cu­pa­ção para a gen­te. Des­de o ano pas­sa­do, há es­pe­cu­la­ções de que pre­ten­dem fa­zer a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. E a gen­te vê com maus olhos por­que sig­ni­fi­ca cor­te nos di­rei­tos dos tra­ba­lha­do­res.

Re­por­ta­gem pu­bli­ca­da pe­la FO­LHA no ano re­tra­sa­do mos­trou que o nú­me­ro de be­ne­fí­ci­os con­ce­di­dos ao tra­ba­lha­dor ru­ral vi­nha cain­do. Por que is­so acon­te­ce?

A ca­da mês, o nú­me­ro de be­ne­fí­ci­os di­mi­nui por con­ta das exi­gên­ci­as do Mi­nis­té­rio da Pre­vi­dên­cia, do INSS. Até 2010, a Lei nº 8.213 da­va opor­tu­ni­da­de para o tra­ba­lha­dor ru­ral se apo­sen­tar pro­van­do 15 anos de ati­vi­da­de. Mas, em 2008, sur­giu a Lei nº 11.718, que pas­sa a exi­gir 15 anos de con­tri­bui­ção. Mas a in­for­ma­li­da­de no Bra­sil ho­je chega a mais de 70%. No Pa­ra­ná, é de 38%. A par­tir de 2010, o tra­ba­lha­dor tem de com­pro­var con­tri­bui­ção. Co­mo não é for­ma­li­za­do, não tem re­gis­tro em car­tei­ra, fi­ca pe­na­li­za­do pe­la lei. O tra­ba­lha­dor que é re­gis­tra­do tem co­mo com­pro­var tran­qui­la­men­te, mas o não for­ma­li­za­do, o boia-fria, ou vo­lan­te, não tem.

E o que po­de ser fei­to?

A gen­te vem tra­ba­lhan­do atra­vés da Con­tag (Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal dos Tra­ba­lha­do­res na Agri­cul­tu­ra), das fe­de­ra­ções, para cri­ar uma for­ma sim­pli­fi­ca­da de re­co­lhi­men­to para eles. Até ago­ra não foi cri­a­da. Por con­ta do cha­ma­do con­tra­to de cur­ta du­ra­ção, o tra­ba­lha­dor vo­lan­te tra­ba­lha três a qua­tro di­as nu­ma pro­pri­e­da­de, dez a 12 di­as em ou­tra. Não tem uma for­ma de re­co­lher para es­se tra­ba­lha­dor. Qu­em tem res­pon­sa­bi­li­da­de de cri­ar es­sa for­ma sim­pli­fi­ca­da é o po­der pú­bli­co, que ain­da não fez. O tra­ba­lha­dor ru­ral não se ne­ga a con­tri­buir, mas o go­ver­no não es­tá dan­do con­di­ções para ele. E tam­bém não faz fis­ca­li­za­ção no cam­po. Não fis­ca­li­za os em­pre­ga­do­res que não re­gis­tram o em­pre­ga­do.

Quan­tos tra­ba­lha­do­res ru­rais exis­tem no Pa­ra­ná?

Nós te­mos em tor­no de 300 mil as­sa­la­ri­a­dos ru­rais. Des­ses, 38% não têm re­gis­tro em car­tei­ra e con­se­quen­te­men­te es­tão fo­ra do be­ne­fí­cio da Pre­vi­dên­cia. Te­mos em tor­no de 100 mil tra­ba­lha­do­res sem re­gis­tro em car­tei­ra. Eles es­tão pra­ti­ca­men­te fo­ra dos pro­gra­mas do go­ver­no. Não é só a apo­sen­ta­do­ria, mas ou­tros be­ne­fí­ci­os co­mo au­xí­li­o­do­en­ça,sa­lá­rio-ma­ter­ni­da­de, au­xí­lio-re­clu­são, fun­do de ga­ran­tia. No ano pas­sa­do, 56% dos be­ne­fí­ci­os re­que­ri­dos fo­ram ne­ga­dos e fo­ram para a Jus­ti­ça. Des­ses, em mé­dia 30% são con­ce­di­dos via ju­di­ci­al.

O Re­gi­me Ge­ral da Pre­vi­dên­cia es­tá de­fi­ci­tá­rio por- que o tra­ba­lha­dor ur­ba­no sub­si­dia o ru­ral. Há pro­pos­tas de que o pró­prio agro­ne­gó­cio pas­se a fa­zer es­se sub­sí­dio.Vo­cês acom­pa­nham es­sa dis­cus­são?

Es­sa dis­cus­são exis­te, mas não é es­sa a nos­sa vi­são. A Pre­vi­dên­cia So­ci­al es­tá no con­tex­to da se­gu­ri­da­de so­ci­al a par­tir do ar­ti­go 194 da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral. Ela com­pre­en­de saú­de, pre­vi­dên­cia so­ci­al e as­sis­tên­cia so­ci­al. Na Cons­ti­tui­ção, tam­bém fo­ram pre­vis­tas as fon­tes de re­cur­sos que iri­am man­ter a se­gu­ri­da­de so­ci­al. Es­sas fon­tes se­ri­am as con­tri­bui­ções de ca­da um de nós, as con­tri­bui­ções dos em­pre­ga­do­res, as lo­te­ri­as, a pró­pria União, es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os. Ocor­re que es­tão olhan­do so­men­te um la­do da mo­e­da. E, há al­guns anos, hou­ve a de­so­ne­ra­ção da fo­lha de pa­ga­men­to. Os em­pre­ga­do­res con­tri­bu­em com mui­to pou­co. Os tra­ba­lha­do­res ru­rais só pas­sa­ram a ter di­rei­to à apo­sen­ta­do­ria a par­tir de 1972. E era meio sa­lá­rio mí­ni­mo, mas já con­tri­buíam com a Pre­vi­dên­cia an­tes. De 1972 a 1993, eles fi­ca­ram re­ce­ben­do meio sa­lá­rio mí­ni­mo. Só a par­tir de 1994 co­me­ça­ram a se apo­sen­tar com um sa­lá­rio mí­ni­mo. O tra­ba­lha­dor ru­ral for­ma­li­za­do con­tri­bui tal qu­al o ur­ba­no, nos mes­mos per­cen­tu­ais. O que ocor­re é que o em­pre­ga­dor ru­ral te­ve a par­te de­le de­so­ne­ra­da. Não tem obri­ga­to­ri­e­da­de de con­tri­buir co­mo o em­pre­ga­dor ur­ba­no con­tri­bui.

Vo­cê não con­cor­da com a ideia de que o ur­ba­no sub­si­dia o tra­ba­lha­dor ru­ral?

De for­ma al­gu­ma. O tra­ba­lha­dor ru­ral tem uma vi­da to­da di­fe­ren­te do ur­ba­no. Co­me­ça a tra­ba­lhar aos oi­to, dez anos de ida­de, quei­ra­mos ou não. E já co­me­ça a ge­rar ren­da a par­tir da ado­les­cên­cia. Para ele se apo­sen­tar aos 60, se co­me­çou a tra­ba­lhar com dez, con­tri­buiu 50 anos, en­quan­to o ur­ba­no se apo­sen­ta com 30 ou 35, de­pen­den­do se mu­lher ou ho­mem.

O tra­ba­lha­dor ru­ral não se ne­ga a con­tri­buir, mas o go­ver­no não es­tá dan­do con­di­ções para ele”

Mas exis­te um de­fi­cit na Pre­vi­dên­cia.

O que te­mos de le­var em con­si­de­ra­ção é que exis­tem fon­tes pre­vis­tas para man­ter a se­gu­ri­da­de so­ci­al. São di­ver­sas. Não é para ti­rar só di­nhei­ro do tra­ba­lha­dor e em­pre­ga­dor. A pró­pria po­pu­la­ção ur­ba­na de­ve ter um ou­tro olhar para a po­pu­la­ção ru­ral. 70% dos ali­men­tos que vão para a me­sa do ci­da­dão ur­ba­no vêm da agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar. São uma ca­te­go­ria que to­dos sa­bem que tem su­as pe­cu­li­a­ri­da­des. Os di­fe­ren­tes têm de ser tra­ta­dos de for­ma di­fe­ren­te. A par­tir do mo­men­to que co­me­çam a ti­rar di­rei­to do tra­ba­lha­dor, qu­al es­tí­mu­lo que nos­sos jo­vens têm para con­ti­nu­ar no cam­po, pro­du­zin­do co­mi­da sau­dá­vel para nós to­dos?

A par­tir do mo­men­to que co­me­çam a ti­rar di­rei­to do tra­ba­lha­dor,qu­al es­tí­mu­lo os jo­vens têm para con­ti­nu­ar no cam­po?”

Di­vul­ga­ção

Car­los Al­ber­to Ga­bi­at­to, se­cre­tá­rio da área de Pre­vi­dên­cia So­ci­al da Fe­ta­ep

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.