DU­AS PAI­XÕES

Lon­dri­nen­se apos­ta no ge­ren­ci­a­men­to de tem­po para se­guir si­mul­ta­ne­a­men­te com as car­rei­ras de pro­mo­tor de Jus­ti­ça e mú­si­co

Folha de Londrina Domingo - - PRIMEIRA PÁGINA - GEN­TE

- Lu­ke de Held con­ci­lia as car­rei­ras de pro­mo­tor de Jus­ti­ça e mú­si­co. Ele de­fi­ne o di­rei­to co­mo “uma fer­ra­men­ta de li­ber­ta­ção”; na mú­si­ca, va­lo­ri­za o po­der de “to­car o co­ra­ção das pes­so­as”.

Lu­ke de Held es­co­lheu um pro­gra­ma ti­pi­ca­men­te lon­dri­nen­se co­mo ce­ná­rio da en­tre­vis­ta para a Fo­lha de Lon­dri­na: o do­min­go de ma­nhã no Mer­ca­do Shan­gri-lá.“Só não po­de ser mui­to ce­do por­que te­nho show na vés­pe­ra”, avi­sou. Mas foi ape­nas du­ran­te o bate-papo que ele con­tou o que o le­vou a su­ge­rir o en­de­re­ço.“Além de ser um lo­cal icô­ni­co da ci­da­de, o Mer­ca­do foi ide­a­li­za­do pe­lo meu pai”, con­ta o pro­mo­tor de Jus­ti­ça e mú­si­co lon­dri­nen­se.

Fi­lho do em­pre­en­de­dor Lu­ci­lio de Held, Lu­ke lem­bra que o pai tam­bém foi o res­pon­sá­vel pe­lo lo­te­a­men­to do Jar­dim Shan­gri-lá. “E o Mer­ca­do es­ta­va in­te­gra­do ao lo­te­a­men­to”, con­ta. “Lon­dri­na vi­via um sur­to enor­me de de­sen­vol­vi­men­to em fun­ção da eco­no­mia ca­fe­ei­ra e is­so cons­pi­rou a fa­vor dos em­pre­en­de­do­res, e meu pai ti­nha es­se es­pí­ri­to.”

Com a pai­xão pe­la mú­si­ca, que des­co­briu aos 6 anos, Lu­ke tam­bém vem de­sen­vol­ven­do um la­do em­pre­en­de­dor to­do pró­prio. No mês pas­sa­do, pro­mo­veu o 1º Re­dland Mu­sic Fes­ti­val em Lon­dri­na e já pla­ne­ja re­pe­tir a do­se no ano que vem. Em três di­as de fes­ti­val, fo­ram 30 shows em três en­de­re­ços di­fe­ren­tes. “O pró­xi­mo vai ser co­mo ges­tar um fi­lho, va­mos co­me­çar a pla­ne­jar no­ve me­ses an­tes.”

“Em 2013 fui con­vi­da­do para acom­pa­nhar o De­cio Ca­e­ta­no no Mis­sis­si­pi Del­ta Blu­es Fes­ti­val, em Ca­xi­as do Sul (RS), que é o se­gun­do mai­or fes­ti­val de blu­es do mundo. E vol­tei de lá ma­ra­vi­lha­do”, con­ta Lu­ke. “Mu­dou mi­nha vi­da mu­si­cal­men­te. Ti­ve opor­tu­ni­da­de de ver e in­te­ra­gir com os me­lho­res do mundo. To­car um set de uma ho­ra e meia com um ca­ra co­mo Ála­mo Le­al va­le por 10 anos de apren­di­za­do”, con­ta.

Na vol­ta a Lon­dri­na, Lu­ke elen­cou al­gu­mas se­me­lhan­ças de Ca­xi­as do Sul com a ci­da­de na­tal: “As du­as são as se­gun­das mai­o­res ci­da­des de seus es­ta­dos e têm mais ou me­nos o mes­mo nú­me­ro de ha­bi­tan­tes.” E foi as­sim que sur­giu a ideia de “ten­tar re­a­li­zar al­go pa­re­ci­do por aqui”. Mes­mo an­tes da pri­mei­ra edi­ção do Re­dland, Lu­ke já vi­nha se es­me­ran­do na pro­mo­ção do Cir­cui­to In­ter­na­ci­o­nal de Blu­es na ci­da­de.

Uma cu­ri­o­si­da­de de cri­an­ça o le­vou, aos 6 anos, a co­lo­car o vi­nil dos Be­a­tles para to­car na “So­na­ti­nha azul, que ti­nha a cai­xa de som na tam­pa”, res­ga­ta. “Meu co­ra­ção dis­pa­rou, foi uma ex­pe­ri­ên­cia sen­so­ri­al in­ten­sa.” Es­se foi o pri­mei­ro dos três mo­men­tos mar­can­tes que Lu­ke ci­ta co­mo de­fi­ni­ti­vos em sua tra­je­tó­ria mu­si­cal.

“No se­gun­do mo­men­to eu ti­nha de 15 para 16 anos, nu­ma apre­sen­ta­ção no au­di­tó­rio do Ma­ris­ta. A Clau­di­aVol­pa­to to­cou du­as mú­si­cas e aqui­lo me­xeu co­mi­go. Per­ce­bi o po­der que a mú­si­ca tem de to­car o co­ra­ção das pes­so­as”, re­la­ta. Em dois di­as ele es­ta­va ma­tri­cu­la­do em um cur­so de vi­o­lão.“Mas fo­ram só três me­ses, não era aqui­lo que eu qu­e­ria, qu­e­ria rock. Saí pra ser au­to­di­da­ta”, con­ta.

O ter­cei­ro mo­men­to foi o contato com o pro­gra­ma de rá­dio Azy­lo Ho­tel, do Pau­lão Rock’n’roll. Foi nes­sa épo­ca que Lu­ke mon­tou a pri­mei­ra ban­da, ba­ti­za­da de Santo Pre­sé­pio, que ti­nha o can­tor Ivo Pes­soa co­mo um dos in­te­gran­tes. “Era uma ban­da au­to­ral, mas mais por­que não tí­nha­mos com­pe­tên­cia para ti­rar os co­vers”, di­ver­te-se o mú­si­co.

Ape­sar da veia mu­si­cal sur­gi­da na ado­les­cên­cia, Lu­ke es­co­lheu a fa­cul­da­de de Di­rei­to para se­guir car­rei­ra. “Ha­via uma co­bran­ça fa­mi­li­ar for­te”, lem­bra. “Sem­pre acre­di­tei, des­de a fa­cul­da­de, que o Di­rei­to é, an­tes de tu­do, uma fer­ra­men­ta de li­ber­ta­ção”, jus­ti­fi­ca. Mes­mo du­ran­te os cer­ca de três anos que es­tu­dou para se pre­pa­rar para os con­cur­sos, Lu­ke nun­ca pa­rou de to­car. “A épo­ca que me­nos to­quei fo­ram os qua­tro pri­mei­ros anos em Gu­a­ra­tu­ba”, lem­bra o mú­si­co, que por 10 anos foi pro­mo­tor no li­to­ral pa­ra­na­en­se, até pe­dir a trans­fe­rên­cia para As­tor­ga.

“A mú­si­ca vol­tou com mais frequên­cia qu­an­do re­ce­bi um con­vi­te de uns ami­gos para to­car no Cros­s­ro­ads, em Cu­ri­ti­ba. E aí sur­giu a ques­tão de ge­ren­ci­ar o tem­po para con­ci­li­ar as du­as coi­sas. Foi uma épo­ca par­ti­cu­lar­men­te de­sa­fi­a­do­ra. To­ca­va to­da sex­ta e sábado e vi­via no fu­so ho­rá­rio asiá­ti­co, tro­can­do a noi­te pe­lo dia”, con­ta.

Em Cu­ri­ti­ba, on­de cur­sou a Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Pa­ra­ná, in­te­grou a ban­da Crac­ker­jack, an­tes dis­so mon­tou A Cha­ve do Som, com o con­ter­râ­neo Eli­e­ser Bo­te­lho Jú­ni­or. Em Gu­a­ra­tu­ba, uniu-se aos ir­mãos Ro­nal­do e Re­na­to Pri­go­li na Rock­brothers. De vol­ta à ter­ra na­tal, em­pres­ta o no­me à Lu­ke de Held & The Lucky Band, com Sa­ra Sec­co De­lal­lo, Di­o­go Mor­ga­do eWel­ling­ton Sou­za.

“Sou um afi­ci­o­na­do por Star Wars e apro­vei­tei que meu no­me, Lu­ci­lio de Held Jú­ni­or, com­por­ta­va e as­su­mi o Lu­ke, em 1983, épo­ca da pri­mei­ra tri­lo­gia”, en­tre­ga o mú­si­co so­bre o ape­li­do que es­co­lheu para si mes­mo e trans­for­mou em gri­fe mu­si­cal.

“Sem­pre acre­di­tei,des­de a fa­cul­da­de,que o Di­rei­to é,an­tes de tu­do,uma fer­ra­men­ta de li­ber­ta­ção”

Fá­bio Al­co­ver

Fa­bio Al­co­ver

Lu­ke de Held com sua pri­mei­ra Gib­son: “A mú­si­ca tem o po­der de to­car o co­ra­ção das pes­so­as”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.