Po­lí­ti­ca e intolerância

Folha de Londrina Domingo - - OPINIÃO - CHARGE

ca­da vez mais pre­o­cu­pan­te o acir­ra­men­to das ma­ni­fes­ta­ções nas ru­as e nas re­des so­ci­ais en­tre de­fen­so­res da pre­si­den­te afas­ta­da Dil­ma Rous­seff e aque­les que que­rem o im­pe­a­ch­ment da pe­tis­ta. As agres­sões que par­tem dos dois la­dos des­mas­ca­ram o mi­to de cor­di­a­li­da­de do povo bra­si­lei­ro, co­mo mos­tra re­por­ta­gem de ho­je da Fo­lha de Lon­dri­na. Qu­an­do o as­sun­to é po­lí­ti­ca, re­li­gião e fu­te­bol, o ní­vel de intolerância do povo ten­de a su­bir. A si­tu­a­ção fi­cou mais evi­den­te a par­tir das elei­ções de 2014, com uma im­por­tan­te ajuda das re­des so­ci­ais e seus co­men­tá­ri­os agres­si­vos, pro­vo­can­do até bri­gas en­tre fa­mi­li­a­res. No mundo cor­po­ra­ti­vo, tam­bém há con­sequên­ci­as para qu­em se ex­põe de­mais ou mos­tra idei­as di­fe­ren­tes.

Há uma ten­dên­cia mui­to for­te à intolerância e é pre­ci­so to­mar cui­da­do por­que, em mui­tos ca­sos, as po­si­ções po­lí­ti­cas vi­ra­ram uma cren­ça. O bra­si­lei­ro mu­dou nos úl­ti­mos três anos, des­de as ma­ni­fes­ta­ções de ju­nho de 2013, qu­an­do o povo foi às ru­as exi­gir mu­dan­ças. Mas o que res­tou do “Vem pra rua” e “O gi­gan­te acor­dou”? O com­ba­te à cor­rup­ção ain­da é o te­ma co­mum, po­rém, a po­pu­la­ção de um país tão di­vi­di­do se ma­ni­fes­ta ago­ra por car­ta­zes e slo­gans mui­to mais agres­si­vos.

É al­ta­men­te po­si­ti­vo o fa­to do bra­si­lei­ro ter co­me­ça­do a se in­te­res­sar por po­lí­ti­ca, mas o ci­da­dão pre­ci­sa per­ce­ber que se tra­ta de um pro­ces­so que ca­mi­nha pe­lo debate das idei­as. Dis­cu­tir po­lí­ti­ca de for­ma sau­dá­vel é dei­xar o in­di­vi­du­a­lis­mo de la­do e ou­vir edu­ca­da­men­te as opi­niões di­ver­gen­tes. Na de­mo­cra­cia não há lu­gar para a intolerância. Se a so­ci­e­da­de não acor­dar para is­so, con­ti­nu­a­rá ven­do apa­re­cer as fi­gu­ras au­to­ri­tá­ri­as com idei­as pre­con­cei­tu­o­sas e ten­dên­cia à ra­di­ca­li­za­ção.

Qu­an­do es­se po­si­ci­o­na­men­to chega às ru­as, sur­gem os epi­só­di­os de vi­o­lên­cia. Co­mo es­que­cer do ca­so de uma do­na de ca­sa do Gu­a­ru­já (SP) que, ao ser con­fun­di­da com uma pe­dó­fi­la, foi lin­cha­da e mor­ta por uma mul­ti­dão en­fu­re­ci­da? Ou o do pro­fes­sor de his­tó­ria de São Pau­lo que, con­fun­di­do com um la­drão, só con­se­guiu im­pe­dir o seu lin­cha­men­to dan­do uma au­la so­bre Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa aos agres­so­res e po­li­ci­ais?

A intolerância le­va à vi­o­lên­cia. Im­pe­dir o cres­ci­men­to des­se cli­ma de ódio pas­sa pe­lo en­ten­di­men­to de que a pa­tru­lha ide­o­ló­gi­ca não com­bi­na com as re­gras de­mo­crá­ti­cas. No pro­ces­so de mu­dan­ça do País, o ci­da­dão tem que con­tri­buir com idei­as e não com in­sul­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.