Go­ver­no­fe­de­ral­po­de vol­ta­ra­o­a­zul­sóem2022

Si­mu­la­ções para o cres­ci­men­to da eco­no­mia e in­fla­ção su­ge­rem que so­men­te em 2026 o su­pe­rá­vit pri­má­rio che­ga­ria a um pa­ta­mar mais con­for­tá­vel, de 2,2% do PIB

Folha de Londrina Domingo - - POLÍTICA - Adri­a­na Fer­nan­des Agên­cia Es­ta­do

Bra­sí­lia -

Se o te­to para o cres­ci­men­to dos gas­tos pú­bli­cos pro­pos­to pe­lo go­ver­no Mi­chel Te­mer for apro­va­do pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal, as con­tas pú­bli­cas só de­vem co­me­çar a re­gis­trar su­pe­rá­vit no úl­ti­mo ano de man­da­to do pró­xi­mo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. E, mes­mo com a im­ple­men­ta­ção da­que­le que po­de ser o mai­or ar­ro­cho nas des­pe­sas da his­tó­ria do País, o su­pe­rá­vit pri­má­rio (a eco­no­mia para pa­ga­men­to dos ju­ros da dí­vi­da pú­bli­ca) de 0,3% do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) pre­vis­to para 2022 não se­rá su­fi­ci­en­te para es­ta­bi­li­zar a tra­je­tó­ria da dí­vi­da sem um au­men­to de im­pos­tos.

Pro­je­ções fei­tas pe­lo es­pe­ci­a­lis­ta em fi­nan­ças pú­bli­cas Ro­dri­go Orair, do Ipea, apon­tam que os gas­tos do go­ver­no po­dem cair qua­tro pon­tos por­cen­tu­ais em dez anos, pas­san­do de 19,8% do PIB es­te ano para 15,8% em 2026. As si­mu­la­ções, que usam co­mo pa­râ­me­tro a mé­dia de es­ti­ma­ti­vas dos ana­lis­tas do mer­ca­do fi­nan­cei­ro para cres­ci­men­to da eco­no­mia e in­fla­ção, su­ge­rem que so­men­te em 2026 o su­pe­rá­vit pri­má­rio che­ga­ria a um pa­ta­mar mais con­for­tá­vel, de 2,2% do PIB. As previsões usa­das fo­ram as do bo­le­tim Fo­cus, do Ban­co Cen­tral.

“O te­to de gas­tos não é su­fi­ci­en­te para con­ter o en­di­vi­da­men­to e o au­men­to da car­ga tri­bu­tá­ria se­rá ine­vi­tá­vel, mais ce­do ou mais tar­de. A gran­de ques­tão é co­mo fa­zer”, diz Orair. Ele ava­lia que a pro­pos­ta apre­sen­ta­da pe­la equi­pe do mi­nis­tro da Fa­zen­da, Hen­ri­que Mei­rel­les, de li­mi­tar o cres­ci­men­to dos gas­tos à in­fla­ção do ano an­te­ri­or, é bas­tan­te “ou­sa­da”, mas de di­fí­cil im­ple­men­ta­ção, prin­ci­pal­men­te pe­la pres­são de­mo­grá­fi­ca com o en­ve­lhe­ci­men­to da po­pu­la­ção.

Ele lem­bra que o en­ve­lhe­ci­men­to dos bra­si­lei­ros le­va ho­je a uma ex­pan­são anu­al de 2% do es­to­que de be­ne­fi­ciá­ri­os da Pre­vi­dên­cia.

Pe­las pro­je­ções do pes­qui­sa­dor do Ipea, para con­se­guir im­ple­men­tar o te­to de gas­tos da for­ma co­mo foi anun­ci­a­da, com cres­ci­men­to re­al ze­ro, o go­ver­no te­rá ne­ces­sa­ri­a­men­te de mu­dar a vin­cu­la­ção atu­al dos be­ne­fí­ci­os da Pre­vi­dên­cia ao sa­lá­rio mí­ni­mo, além da re­gra de cor­re­ção anu­al.

Ain­da as­sim as des­pe­sas com o pa­ga­men­to da Pre­vi- dên­cia vão con­ti­nu­ar cres­cen­do mais que a in­fla­ção. Is­so, na prá­ti­ca, sig­ni­fi­ca que os ou­tros gas­tos do go­ver­no te­rão de cres­cer abai­xo da in­fla­ção para o te­to fun­ci­o­nar, pro­mo­ven­do um “ar­ro­cho” mui­to for­te em to­do o res­tan­te de des­pe­sas do Or­ça­men­to, co­mo in­ves­ti­men­tos, edu­ca­ção, saú­de, cul­tu­ra, pes­so­al e ci­ên­cia e tec­no­lo­gia.

“Se­ria uma re­du­ção do ta­ma­nho do Es­ta­do sem pre­ce­den­tes e in­sus­ten­tá­vel po­li­ti­ca­men­te. O go­ver­no não tem co­mo im­pe­dir o en­ve­lhe­ci­men­to da po­pu­la­ção”, res­sal­ta.

Para mos­trar o ta­ma­nho do ajus­te, o es­pe­ci­a­lis­ta des­ta­ca que, no se­gun­do man­da­to do pre­si­den­te Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so, as des­pe­sas ti­ve­ram cres­ci­men­to re­al anu­al, em mé­dia, de 3,9% do PIB. Com Lu­la, o pa­ta­mar de cres­ci­men­to das des­pe­sas fi­cou em 5,2% no pri­mei­ros qua­tro anos e de 4,9% no se­gun­do man­da­to. Já no pri­mei­ro go­ver­no da pre­si­den­te afas­ta­da Dil­ma Rous­seff, a ex­pan­são che­gou a 4,2%.

Para con­se­guir es­ta­bi­li­zar o cres­ci­men­to do en­di­vi­da­men­to, o pes­qui­sa­dor do Ipea res­sal­ta que se­rá pre­ci­so re­du­zir a ta­xa im­plí­ci­ta de ju­ros da dí­vi­da, que mes­mo nos pe­río­dos de bo­nan­ça, qua­se sem­pre­su­pe­rou­o­pa­ta­mar­de 15% para ní­veis abai­xo de 10% já em dois ou três anos. Ta­re­fa de di­fí­cil exe­cu­ção. Mes­mo as­sim, a es­ta­bi­li­za­ção só ocor­re­ria em 2021. Até en­tão, o País te­ria de con­vi­ver com um cres­cen­te en­di­vi­da­men­to.

NOVACONSTITUIÇÃO

Na­a­va­li­a­ção­do­e­co­no­mis­ta­che­fe da cor­re­to­ra Tul­lett Pre­bon, Fer­nan­do Mon­te­ro, a pro­pos­ta do te­to de gas­to, se apro­va­da, re­pre­sen­ta, do pon­to de vis­ta fis­cal, qua­se uma ou­tra Cons­ti­tui­ção. “É mui­to for­te. Uma Cons­ti­tui­ção que man­da gas­tar ca­da vez mais pas­sa­ria a ter uma proi­bi­ção de gas­tar mais”, diz.

Ele res­sal­ta que a di­fe­ren­ça en­tre a pro­pos­ta de li­mi­te de gas­tos fei­ta pe­lo ex-mi­nis­tro da Fa­zen­da, Nel­son Bar­bo­sa, e a de Mei­rel­les é que a pri­mei­ra não diz se o li­mi­te au­men­ta­ria, man­te­ria ou di­mi­nui­ria as des­pe­sas re­ais.

Para ele, o mé­ri­to do pro­je­to de Bar­bo­sa era de­ta­lhar os pas­sos a se­guir, ca­so hou­ves­se ris­co de fu­rar o li­mi­te. “Na pro­pos­ta de Mei­rel­les, ade­quar a li­mi­ta­ção de gas­tos re­ais con­ge­la­dos en­vol­ve mui­tas mu­dan­ças, al­gu­mas cons­ti­tu­ci­o­nais”, diz.

Ote­to­de­gas­tos­nãoé su­fi­ci­en­te para con­ter o en­di­vi­da­men­to­e­o­au­men­to­da car­ga tri­bu­tá­ria se­rá ine­vi­tá­vel”

Tas­so Mar­ce­lo/Es­ta­dão Con­teú­do

Com gra­va­dor em pu­nho, Sér­gio Ma­cha­do usou o seu trân­si­to fá­cil pe­los ga­bi­ne­tes de Bra­sí­lia para re­gis­trar con­ver­sas com ca­ci­ques co­mo Jo­sé Sar­ney e Re­nan Ca­lhei­ros

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.