Se­lo­a­ju­da­con­su­mi­do­ra es­co­lhe­ra­li­men­to­sau­dá­vel

Folha de Londrina Domingo - - GERAL - Isa­be­la Vi­ei­ra Agên­cia Bra­sil FALECIMENTOS

Cu­ri­ti­ba - Um se­lo com até cin­co es­tre­las es­tam­pa­das em em­ba­la­gens de ali­men­tos in­dus­tri­a­li­za­dos tor­nou-se um ali­a­do do con­su­mi­dor. Na Aus­trá­lia, a ini­ci­a­ti­va ajuda fa­mí­li­as a es­co­lher me­lhor o que co­mer en­tre os ali­men­tos ul­tra­pro­ces­sa­dos – aque­les in­dus­tri­a­li­za­dos pron­tos ou qua­se pron­tos, co­mo piz­zas, la­sa­nhas, bis­coi­tos re­che­a­dos e re­fri­ge­ran­tes.

Para que não es­tra­guem e te­nham boa apa­rên­cia, es­ses pro­du­tos pas­sam por pro­ce­di­men­tos que re­ti­ram nu­tri­en­tes na­tu­rais e al­te­ram sua com­po­si­ção. Por cau­sa da adi­ção ex­tra de sal/só­dio, açú­car ou gor­du­ra, os ali­men­tos ul­tra­pro­ces­sa­dos são pre­ju­di­ci­ais à saú­de e es­tão re­la­ci­o­na­dos a do­en­ças co­mo a obe­si­da­de e a hi­per­ten­são. Na Aus­trá­lia, mais da me­ta­de dos adul­tos (63%) es­tão aci­ma do pe­so ou é obe­sa. No Bra­sil, 52% da po­pu­la­ção têm so­bre­pe­so.

Em Cu­ri­ti­ba para par­ti­ci­par da 22ª Con­fe­rên­cia de Pro­mo­ção da Saú­de, He­ather Ye­at­man – uma das ide­a­li­za­do­ras da ini­ci­a­ti­va na Aus­trá­lia e pro­fes­so­ra da Uni­ver­si­da­de de Wol­lon­gong – ex­pli­ca que o se­lo foi uma de­man­da do go­ver­no do país, pres­si­o­na­do pe­la so­ci­e­da­de. Tra­du­zin­do um mo­de­lo es­ta­tís­ti­co que ava- lia os in­gre­di­en­tes da ca­da pro­du­to, o sis­te­ma clas­si­fi­ca os ali­men­tos com uma es­ca­la que vai de meia a cin­co es­tre­las, co­lo­ca­das na fren­te do pro­du­to.

Se­gun­do a es­pe­ci­a­lis­ta, as in­for­ma­ções nu­tri­ci­o­nais no ver­so dos pro­du­tos, já pre­vis­tas na­que­la país, as­sim co­mo no Bra­sil, não são com­pre­en­sí­veis ao pon­to de ori­en­tar o con­su­mi­dor so­bre o que co­mer ou o que dei­xar na pra­te­lei­ra do su­per­mer­ca­do. “Es­sas in­for­ma­ções vêm em le­tras pe­que­nas, di­fí­ceis de ler, no ver­so, e são di­fí­ceis de in­ter­pre­tar”. Já as es­tre­las da clas­si­fi­ca­ção tra­du­zem es­sas in­for­ma­ções nu­tri­ci­o­nais de for­ma cla­ra, por as­si­mi­la­ção.

CONCORRÊNCIA

E SAÚ­DE Com ade­são vo­lun­tá­ria da in­dús­tria de ul­tra­pro­ces­sa­dos aus­tra­li­a­na, os ce­re­ais ma­ti­nais fo­ram os pri­mei­ros. As es­tre­las aca­ba­ram pro­vo­can­do concorrência no se­tor, con­ta a aus­tra­li­a­na. “As em­pre­sas co­me­ça­ram a al­te­rar a com­po­si­ção de seus pro­du­tos para tor­ná-los me­lho­res.”

Ali­a­da à pro­mo­ção da ali­men­ta­ção sau­dá­vel e da re­gu­la­ção da pu­bli­ci­da­de des­se ti­po de pro­du­to, a im­plan­ta­ção do se­lo nas em­ba­la­gens é uma im­por­tan­te es­tra­té­gia para aju­dar a en­fren­tar pro­ble­mas de saú­de co­mo obe­si­da­de, des­ta­ca a pro­fes­so­ra de Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al do Rio de Ja­nei­ro (Uerj) Inês Ru­ga­ni. Ela de­fen­de mu­dan­ça na le­gis­la­ção no Bra­sil para que in­for­ma­ções des­se ti­po se­jam im­ple­men­ta­das.

“Eles che­ga­ram a um pon­to que con­se­gui­ram iden­ti­fi­car que pro­du­tos abai­xo de 2,5 es­tre­las não eram re­co­men­da­dos para a saú­de e ori­en­ta­ram as cam­pa­nhas para que as pes­so­as só con­su­mis­sem aque­les aci­ma de três es­tre­las, no mí­ni­mo”, dis­se Inês. Ela tam­bém acre­di­ta que a pu­bli­ci­da­de in­flu­en­cia o con­su­mo de ul­tra­pro­ces­sa­dos e de­ve ser res­trin­gi­da.

No Bra­sil, pes­qui­sa re­cen­te mos­tra que mais de dois em ca­da gru­po de dez ado­les­cen­tes es­tão aci­ma do pe­so. De acor­do com o es­tu­do Eri­ca, di­vul­ga­do re­cen­te­men­te pe­lo Mi­nis­té­rio da Saú­de, um em ca­da gru­po de cin­co ado­les­cen­tes hi­per­ten­sos, en­tre 12 e 17 anos, cer­ca de 200 mil, po­de­ria não ter a do­en­ça ca­so não fos­se obe­sos.

Es­tre­las da clas­si­fi­ca­ção nas em­ba­la­gens tra­du­zem as in­for­ma­ções nu­tri­ci­o­nais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.