‘Gos­ta­ri­aGos­ta­ria de­de ser res­pei­ta­do’

De­ba­tes apai­xo­na­dos so­bre fu­te­bol e re­li­gião mui­tas ve­zes re­sul­tam em ofen­sas e até rom­pi­men­to de ami­za­des

Folha de Londrina Domingo - - REPORTAGEM - Ca­ro­li­na Avan­si­ni Re­por­ta­gem Lo­cal

Qu­em gos­ta de fu­te­bol e tem um ti­me pre­fe­ri­do sa­be que acom­pa­nhar o es­por­te sem pai­xão não tem gra­ça. Qu­an­do a ri­va­li­da­de ex­tra­po­la as pre­fe­rên­ci­as em cam­po, po­rém, a fal­ta de cui­da­do no dis­cur­so po­de ter­mi­nar em ofen­sas pes­so­ais e até rom­pi­men­to de ami­za­des. Os tor­ce­do­res do Co­rinthi­ans sa­bem bem co­mo é de­fen­der um ti­me odi­a­do por to­dos os ou­tros, afi­nal, qu­an­do os jo­ga­do­res en­tram em cam­po, a tor­ci­da se di­vi­de en­tre co­rin­ti­a­nos e os ‘an­tis’, ou se­ja, tor­ce­do­res de ri­vais que se unem para tor­cer pe­la der­ro­ta do al­vi­ne­gro pau­lis­ta. “Tem gen­te que fa­la que o se­gun­do ti­me é o que es­tá jo­gan­do con­tra o Co­rinthi­ans”, ob­ser­va o ser­vi­dor pú­bli­co e pro­fes­sor Thiago Au­gus­to Do­min­gos, ele mes­mo um co­rin­ti­a­no fa­ná­ti­co.

Do­min­gos afir­ma que le­va na es­por­ti­va as pi­a­das após der­ro­tas e tam­bém iro­ni­za os ri­vais qu­an­do ou­tros ti­mes per­dem. “É uma dis­cus­são com­ple­ta­men­te inú­til, mas é di­ver­ti­da”, ga­ran­te ele, que não acom­pa­nha fu­te­bol em ge­ral. “Só acom­pa­nho o Co­rinthi­ans”. As pi­a­das per­dem a gra­ça, po­rém, qu­an­do sa­em do âm­bi­to es­por­ti­vo e vi­ram jul­ga­men­tos so­bre o ca­rá­ter do tor­ce­dor.

“Já me in­co­mo­dei com co­men­tá­ri­os que es­tig­ma­ti­zam os co­rin­ti­a­nos co­mo pes­so- as de­so­nes­tas. Ti­ve von­ta­de de jul­gar de vol­ta, co­mo se a es­co­lha de um ti­me de fu­te­bol dis­ses­se al­go so­bre o ca­rá­ter das pes­so­as”, cri­ti­ca. Ele afir­ma que até en­ten­de que a iro­nia te­nha ob­je­ti­vo de ser uma “brin­ca­dei­ra”, mas o con­teú­do dos dis­cur­sos é ofen­si­vo. “Já ti­ve von­ta­de de res­pon­der, mas aí pen­sei que era só fu­te­bol e a dis­cus­são não ia le­var a na­da”, pon­de­ra.

O fa­to da tor­ci­da ser mui­to apai­xo­na­da e dar re­tor­no mi­diá­ti­co, para ele, é uma das cau­sas do “ódio” con­tra o Co­rinthi­ans. “Apa­re­ce­mos mais que os ou­tros, aca­ba ge­ran­do ciú­mes”, diz. A his­tó­ria do ti­me, que fi­cou 23 anos sem ga­nhar um tí­tu­lo e mes­mo as­sim man­te­ve a fi­el tor­ci­da uni­da, tam­bém ex­pli­ca as re­a­ções dos “an­tis”.

O pre­con­cei­to so­ci­al se ma­te­ri­a­li­za qu­an­do o ad­je­ti­vo “fa­ve­la­do” é usa­do para ca­rac­te­ri­zar co­rin­ti­a­nos. Para Do­min­gos, is­so re­me­te ao fa­to do ti­me ter si­do fun­da­do por ope­rá­ri­os e, até ho­je, re-

Fo­ra da igre­ja,mui­ta gen­te acha ab­sur­do eu di­zer que pre­ten­do ter uma fa­mí­lia tra­di­ci­o­nal”

pre­sen­tar uma ca­ma­da da po­pu­la­ção mais po­bre e opri­mi­da. “O le­gal é que os pró­pri­os tor­ce­do­res as­su­mi­ram o fa­to de ser um ti­me de fa­ve­la co­mo po­si­ti­vo e vi­rou uma iden­ti­da­de”, ava­lia.

Ele re­ve­la tam­bém que a pró­pria mo­ti­va­ção para acom­pa­nhar o ti­me é a pai­xão. “Não ve­jo mo­ti­vos para ra­ci­o­na­li­zar, até por­que qu­an­do a gen­te pen­sa ra­ci­o­nal­men­te so­bre fu­te­bol, per­ce­be que é ape­nas um co- mér­cio”, cri­ti­ca.

Na dú­vi­da, para não cri­ar ini­mi­za­des, o tor­ce­dor pre­fe­re as­sis­tir a jo­gos im­por­tan­tes so­zi­nho ou com um gru­po se­le­to de ami­gos que en­ten­dem es­te “es­ta­do de es­pí­ri­to”. “Co­me­cei a as­sis­tir so­zi­nho jus­ta­men­te para evi­tar dis­cus­sões. O bom é que, até ho­je, a ami­za­de vol­tou ao nor­mal no fim do jo­go”, brin­ca.

RE­LI­GIÃO

O of­fi­ce boy Ví­tor Hu­go Oli­vei­ra de Pai­va, de 17 anos, que tam­bém cui­da das re­des so­ci­ais da igre­ja evan­gé­li­ca que fre­quen­ta em Lon­dri­na, vi­ve des­de que nas­ceu em uma fa­mí­lia que se­gue va­lo­res re­li­gi­o­sos. Por con­ta da op­ção por com­par­ti­lhar os mes­mos va­lo­res da fa­mí­lia, tem que li­dar com cha­co­ta e jul­ga­men­tos dos ami­gos. “É nor­mal me cha­ma­rem de ‘cer­ti­nho’ ou de ‘cren­te’”, diz ele, que tam­bém de­fen­de o ca­sa­men­to tra­di­ci­o­nal, mas não se sen­te à von­ta­de para ex­ter­nar es­sa po­si­ção em al­guns gru­pos. “Fo­ra da igre­ja, mui­ta gen­te acha ab­sur­do eu di­zer que pre­ten­do ter uma fa­mí­lia tra­di­ci­o­nal”, afir­ma ele, que ga­ran­te res­pei­tar ou­tros ti­pos de união, co­mo por exem­plo o ca­sa­men­to ho­mo­a­fe­ti­vo, ape­sar de não de­fen­dê-los. “As­sim co­mo res­pei­to ou­tras opi­niões, gos­ta­ria de ser res­pei­ta­do”, pe­de.

O ra­paz afir­ma que já foi ri­di­cu­la­ri­za­do por ser evan­gé­li­co e per­deu ami­za­des após ex­pres­sar a pró­pria opi­nião. “Sin­to mui­to por não po­der pro­fes­sar a mi­nha fé”, la­men­ta.

A es­tu­dan­te de me­di­ci­na My­le­na Lamô­ni­ca Aze­ve­do da Sil­va, de 22, sen­tiu na pe- le a intolerância e o pre­con­cei­to na fa­cul­da­de que fre­quen­tou an­tes de ini­ci­ar os es­tu­dos na atu­al ins­ti­tui­ção. Por ser fi­lha de um pas­tor, ou­via to­do ti­po de pi­a­das so­bre “re­ce­ber o dí­zi­mo” e ou­tros co­men­tá­ri­os que in­si­nu­a­vam que o pai fi­ca­va com o di­nhei­ro da igre­ja. “Le­va­va na brin­ca­dei­ra, mas era bem pre­con­cei­tu­o­so”, diz ela, que tam­bém pre­ci­sa se im­por para con­quis­tar o pró­prio es­pa­ço nos gru­pos que fre- quen­ta. “Meus co­le­gas, por exem­plo, não en­ten­dem mi­nha op­ção de não fre­quen­tar ‘ba­la­das’ e fi­cam in­sis­tin­do para que eu mu­de de opi­nião”, acres­cen­ta.

Con­vic­ta so­bre os pre­cei­tos re­li­gi­o­sos que se­gue, a es­tu­dan­te sus­ten­ta de­ba­tes so­bre o te­ma, mas diz que pen­sa bem an­tes de en­trar em uma dis­cus­são. “Não me po­si­ci­o­no qu­an­do acho que a con­ver­sa não vai le­var a na­da”, co­men­ta.

Gus­ta­vo Car­nei­ro

“Já me in­co­mo­dei com co­men­tá­ri­os que es­tig­ma­ti­zam os co­rin­ti­a­nos co­mo pes­so­as de­so­nes­tas”, diz o ser­vi­dor pú­bli­co e pro­fes­sor Thiago Do­min­gos

Fa­bio Al­co­ver

O of­fi­ce boy Ví­tor Hu­go de Pai­va já foi ri­di­cu­la­ri­za­do por ser evan­gé­li­co: “Sin­to mui­to por não po­der pro­fes­sar a mi­nha fé”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.