Intolerância não pou­pa cri­an­ças

Folha de Londrina Domingo - - REPORTAGEM -

Nem mes­mo as cri­an­ças es­tão li­vres dos dis­cur­sos de ódio que per­mei­am os de­ba­tes po­lí­ti­cos atu­ais. Foi com sur­pre­sa que a pro­fes­so­ra Ju­li­a­na Mar­tins ou­viu o fi­lho Ar­tur, de 7 anos, can­tar uma mú­si­ca iro­ni­zan­do a pre­si­den­te afas­ta­da Dil­ma Rous­sef após che­gar da es­co­la. Ao ques­ti­o­nar so­bre on­de o ga­ro­to ti­nha apren­di­do a mú­si­ca, ele res­pon­deu que foi na sa­la de au­la com a pro­fes­so­ra. “Fui ques­ti­o­nar, pois acho que a sa­la de au­la não é o lo­cal ide­al para tra­tar do as­sun­to com as cri­an­ças, até por­que ca­da fa­mí­lia tem uma pos­tu­ra di­fe­ren­te em re­la­ção ao te­ma, mas ela ne­gou”, afir­ma.

Al­guns di­as de­pois, Ar­tur che­gou cho­ran­do da es­co­la com as “pro­vas” de que os ami­gos não es­ta­vam res- pei­tan­do o am­bi­en­te es­co­lar. “Em uma ati­vi­da­de que ia usar re­cor­tes de re­vis­tas, vá­ri­as cri­an­ças cor­ta­ram fo­tos da Dil­ma e jo­ga­ram na ca­be­ça de­le”, re­la­ta a mãe, que foi no­va­men­te con­ver­sar com a pro­fes­so­ra so­bre a im­por­tân­cia de in- cen­ti­var a to­le­rân­cia. “Acho que ela fi­nal­men­te per­ce­beu que a si­tu­a­ção na sa­la de au­la es­ta­va pe­sa­da”, diz.

Pa­ra­le­la­men­te, Ju­li­a­na, que da­va au­las na mes­ma es­co­la, co­men­tou no gru­po de pro­fes­so­res e co­or­de­na- do­res no WhatsApp que aque­le não era o lo­cal para com­par­ti­lhar me­mes po­lí­ti­cos com viés pre­con­cei­tu­o­so. “A co­or­de­na­do­ra dis­se que eu es­ta­va er­ra­da. Dis­cor­dei e saí do gru­po, dei­xan­do meu e-mail para co­mu­ni­ca­ções so­bre as ati- vi­da­des da es­co­la”, re­la­ta. Al­gum tem­po de­pois do epi­só­dio, Ju­li­a­na foi de­mi­ti­da sem ne­nhu­ma jus­ti­fi­ca­ti­va pe­da­gó­gi­ca. “Dis­se­ram que eu não ti­nha per­fil para tra­ba­lhar na es­co­la, mas es­tou con­vic­ta que foi por cau­sa das mi­nhas con­vic­ções po­lí­ti­cas. Até en­tão, não ti­nha re­ce­bi­do ne­nhu­ma ori­en­ta­ção ou avi­so so­bre qual­quer re­cla­ma­ção em re­la­ção à mi­nha ati­vi­da­de pro­fis­si­o­nal”, la­men­ta ela, que tam­bém dá au­las na re­de es­ta­du­al e nun­ca te­ve es­se ti­po de pro­ble­ma. “No es­ta­do, a ori­en­ta­ção é pro­mo­ver o dis­cur­so crítico sem ma­ni­pu­lar os alu­nos”, com­pa­ra.

O fa­to trou­xe con­sequên­ci­as fi­nan­cei­ras para a vi­da da pro­fes­so­ra. Além de ter per­di­do um em­pre­go, ela ma­tri­cu­lou o fi­lho na es­co­la por cau­sa da bol­sa de 50% ofe­re­ci­da aos pro­fes­so­res. “Per­di a bol­sa, es­tou ten­do que pa­gar uma men­sa­li­da­de que não ca­be no or­ça­men­to em uma es­co­la na qu­al não acre­di­to”, opi­na.

Em ati­vi­da­de com re­cor­tes de re­vis­tas,vá­ri­as cri­an­ças cor­ta­ram fo­tos da Dil­ma e jo­ga­ram na ca­be­ça de­le”

(C.A.)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.