ODiá­ri­o­deu­ma ca­ma­rei­raé­re­lan­ça­do

Folha de Londrina Domingo - - FOLHA 2 -

Es­tá che­gan­do às li­vra­ri­as “O Diá­rio de uma ca­ma­rei­ra”, de Oc­ta­ve Mir­be­au, ro­man­ce que ins­pi­rou qua­tro fil­mes, in­clu­si­ve um por Luis Buñu­el. Mir­be­au foi um agu­do ob­ser­va­dor da de­ca­dên­cia da Bel­le Épo­que e foi con­si­de­ra­do, por Le­on Tols­toi, “o me­lhor es­cri­tor fran­cês” em seu tem­po. O“Diá­rio de uma ca­ma­rei­ra” foi lan­ça­do, em 1900, no apo­geu do ca­so Drey­fus, um pro­ces­so ju­di­ci­al que ra­chou a so­ci­e­da­de fran­ce­sa e que é re­fle­ti­do no ro­man­ce. Em pou­co tem­po ven­deu mais de 140 mil exem­pla­res. A tra­du­ção bra­si­lei­ra foi acres­ci­da de um pre­fá­cio e di­ver­sas no­tas ex­pli­ca­ti­vas pe­lo tra­du­tor, Ma­teus Ka­cowicz. A per­so­na­gem cen­tral, Ce­les­ti­ne, per­cor­re de con­ven­tos a man­sões, sem­pre su­jei­ta a cair e vol­tar a le­van­tar-se, mas sem­pre do­na d de si ide de seu cor­po. ÉdÉ, de uma f for­ma tal­vezl i in­gê­nua,ê uma pre­cur­so­ra das con­quis­tas fe­mi­ni­nas. De ca­da lu­gar ela re­co­lhe a sor­di­dez e a vir­tu­de. E em sua vi­a­gem ao fun­do do ví­cio e da hi­po­cri­sia ela con­se­gue ser ino­cen­te e per­ver­sa, exer­cen­do-se in­tei­ra, pron­ta para o amor e – por­que não? – para o cri­me.

Re­pro­du­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.