Ali­ce ago­ra mo­ra aqui

De vol­ta a Lon­dri­na, man­te­nho meu olhar para a ci­da­de e seu en­can­ta­men­to

Folha de Londrina Domingo - - FOLHA 2 -

Em 2010 mu­dei-me de Lon­dri­na e dei­xei uma crô­ni­ca cha­ma­da “Ali­ce não mo­ra mais aqui.” Seis anos de­pois, ve­nho in­for­mar que Ali­ce vol­tou ou que, no fun­do, nun­ca se mu­dou. Há qual­quer coi­sa em Lon­dri­na que me im­preg­na os po­ros, uma es­pé­cie de al­ma, um es­pí­ri­to ur­ba­no que faz meu co­ra­ção dis­pa­rar qu­an­do che­go à ci­da­de, de­sem­bar­can­do no seu ae­ro­por­to ou na ro­do­viá­ria que Ni­e­meyer pro­je­tou co­mo um dis­co vo­a­dor de on­de sa­em con­ter­râ­ne­os e ali­e­ní­ge­nas que lo­go se in­te­gram à pai­sa­gem.

Pou­cos lu­ga­res me des­per­tam o mes­mo en­can­ta­men­to. São Pau­lo tam­bém tem um guar­dião que atrai pes­so­as de to­do o Bra­sil, Lon­dri­na tem is­so em es­ca­la mi­cro, num cru­za­men­to de cul­tu­ras que nos faz sair pe­lo mundo e vol­tar fa­lan­do ou­tras lín­guas com o mes­mo so­ta­que: “de per­r­r­to, sem­pre dá mais cer­r­r­to.”

Qu­an­do fui dis­se que era li­ga­da a Lon­dri­na pe­la pa­la­vra, vol­to tam­bém li­ga­da à pa­la­vra co­mo jor­na­lis­ta de uma em­pre­sa com a qu­al, além do la­ço pro­fis­si­o­nal, te­nho la­ços afe­ti­vos. Qu­an­tas ve­zes olhei a ci­da­de das ja­ne­las da re­da­ção ten­tan­do de­ci­frar seus ques­ti­o­na­men­tos e o que es­pe­ra de mim, de nós, por­ta­do­res da no­tí­cia. Ain­da ve­jo Lon­dri­na co­mo ci­da­de-ar­te, por­que es­sa foi mi­nha for­ma­ção jor­na­lís­ti­ca num lu­gar que me ofe­re­ce mú­si­ca, te­a­tro e po­e­sia, lin­gua­gens que me con­ta­mi­na­ram em me­di­das di­fe­ren­tes e for­mam o ca­lei­dos­có­pio por on­de pas­sa­ram mi­nhas es­co­lhas.

Du­ran­te 25 anos mo­rei de nor­te a sul, em to­dos os seus pon­tos car­de­ais, coin­ci­den­te­men­te sem­pre na ro­ta dos aviões que me lem­bram a val­sa de Ar­ri­go Bar­na­bé em noi­tes etí­li­cas ou não: “Olha o avião,” Lon­dri­na fi­lha da ma­ta, em­ba­la­da por vo­os ur­ba­nos.

Ou­tras ci­da­des me aco­lhe­ram, na­mo­rei ou­tros es­ta­dos, mas le­vei Lon­dri­na e o Pa­ra­ná co­mi­go. Tal­vez nes­sa an­dan­ça te­nha fi­ca­do bi­par­ti­da, con­tra­ri­an­do os ver­sos de Ce­cí­lia Mei­rel­les so­bre a im­pos­si­bi­li­da­de de ha­bi­tar dois lu­ga­res di­fe­ren­tes: “Ou se tem chu­va e não se tem sol,/ ou se tem sol e não se tem chu­va!/ Ou se cal­ça a lu­va e não se põe o anel,/ ou se põe o anel e não se cal­ça a lu­va!/ Qu­em so­be nos ares não fi­ca no chão,/ qu­em fi­ca no chão não so­be nos ares./ É uma gran­de pe­na que não se pos­sa es­tar/ ao mes­mo tem­po nos dois lu­ga­res!”

Du­ran­te seis anos, meu gran­de elo com a ci­da­de fo­ram as crô­ni­cas na Fo­lha de Lon­dri­na, o contato com os lei­to­res para qu­em en­vi­ei “car­tas” de amor e de re­vol­ta, eles sem­pre cor­res­pon­de­ram. Aos do­min­gos re­ce­bo e-mails des­ses in­ter­lo­cu­to­res, ra­zão pe­la qu­al tam­bém vol­to para con­ver­sar e ou­vir “Lon­don, Lon­don” pro­cu­ran­do dis­cos vo­a­do­res. O céu de Lon­dri­na é pro­pí­cio à aven­tu­ra.

Na in­ti­mi­da­de des­ta ci­da­de te­nho in­ter­lo­cu­ção com o Pa­ra­ná e com a pró­pria lin­gua­gem que de­vo ter apri­mo­ra­do em mi­nhas an­dan­ças e tra­ves­si­as. Vol­to com ale­gria e afe­to, ago­ra bem per­to, em to­dos os di­as pos­sí­veis e até nos im­pos­sí­veis.

Mu­dei-me de Lon­dri­na co­mo qu­em saiu em­pres­ta­da, mas dis­se que vol­ta­ria. Ali­ce mo­ra de novo aqui, es­te é meu en­de­re­ço, sem nú­me­ros, man­te­nho a pa­la­vra. Va­mos con­ti­nu­ar es­sa lon­ga con­ver­sa aos do­min­gos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.