Ins­ta­la­ção do kit po­de cus­tar até R$ 5 mil

Folha de Londrina Domingo - - CARRO & CIA -

Se­gun­do o co­or­de­na­dor do cur­so Téc­ni­co em Ma­nu­ten­ção Au­to­mo­ti­va do Se­nai Lon­dri­na, Edi­son Bo­ni­fa­cio, os ci­lin­dros usa­dos no ar­ma­ze­na­men­to de gás na­tu­ral vei­cu­lar não tra­zem ne­nhum ti­po de emen­da, além de te­rem uma es­pes­su­ra re­for­ça­da, de 8 mm, mai­or que os bo­ti­jões de gás de co­zi­nha, que nor­mal­men­te têm de 1 mm a 2 mm de es­pes­su­ra. “Por is­so nun­ca é re­co­men­da­do o uso de gás de co­zi­nha no car­ro”, aler­ta.

Bo­ni­fa­cio, ex­pli­ca que o ci­lin­dro é aco­pla­do ge­ral­men­te no por­ta-ma­las ou de­bai­xo do veí­cu­lo - em ca­so de mo­de­los mais al­tos - de for­ma a fi­car lon­ge do es­ca­pa­men­to. Uma vál­vu­la de abas­te­ci­men­to li­ga o ci­lin­dro ao mo­tor. “Ao abas­te­cer, a pri­mei­ra coi­sa que o fren­tis­ta faz é abrir o capô e co­nec­tar no veí­cu­lo o ca­bo ter­ra que sai da bom­ba do pos­to, para des­car­re­gar a es­tá­ti­ca e evi­tar in­cên­dio. Em se­gui­da, ele des­tam­pa a vál­vu­la e abas­te­ce o veí­cu­lo com gás na­tu­ral por pres­são”, en­si­na o co­or­de­na­dor. Ele lem­bra que os veí­cu­los adap­ta­dos con­tam com uma cha­ve se­le­to­ra para aci­o­nar o sis­te­ma, nor­mal­men­te fi­xa­da sob o vo­lan­te.

Para Bo­ni­fa­cio, só é vá­li- do usar o GNV se o mo­to­ris­ta ro­dar gran­des dis­tân­cia diá­ri­as. “É pre­ci­so ver o cus­to-be­ne­fí­cio da ins­ta­la­ção do kits, que cus­ta, em mé­dia, R$ 5 mil para car­ros com in­je­ção ele­trô­ni­ca. Com­pen­sa para vi­a­gens lon­gas, qu­an­do o pro­pri­e­tá­rio an­da mais de mil quilô­me­tros por mês”, diz o co­or­de­na­dor, in­for­man­do que o GNV ren­de me­lhor em veí­cu­los com mo­tor a ál­co­ol, de al­ta com­pres­são. (M.G.)

Fren­tis­ta abre o capô e co­nec­ta o ca­bo ter­ra que sai da bom­ba do pos­to, para des­car­re­gar a es­tá­ti­ca e evi­tar in­cên­dio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.