Novo CPC e o re­gis­tro de imó­veis

Folha de Londrina Domingo - - IMOBILIÁRIA - PAI­NEL IMO­BI­LIÁ­RIO

O novo Có­di­go de Pro­ces­so Ci­vil (CPC) ino­vou, tra­zen­do sig­ni­fi­ca­ti­vos re­fle­xos para o Re­gis­tro de Imó­veis quan­to à fle­xi­bi­li­za­ção de pro­ce­di­men­tos. De­le­gou-se um grau mai­or de au­to­no­mia às par­tes e ao pró­prio Re­gis­tra­dor de Imó­veis em de­ter­mi­na­das si­tu­a­ções. Nes­se con­tex­to, des­ta­cam-se, den­tre ou­tros, a aver­ba­ção pre­mo­ni­tó­ria e a pe­nho­ra.

A aver­ba­ção pre­mo­ni­tó­ria, ato re­gis­tral pra­ti­ca­do na ma­trí­cu­la de imó­veis do de­ve­dor-Exe­cu­ta­do e que se des­ti­na a pre­ve­nir a ocor­rên­cia de frau­de à exe­cu­ção, dan­do co­nhe­ci­men­to da exis­tên­cia da exe­cu­ção a ter­cei­ros (pe­la pu­bli­ci­da­de re­gis­tral), es­tá pre­vis­ta no art. 799, IX e no art. 828, com des­ta­que para es­te úl­ti­mo ar­ti­go e seu pa­rá­gra­fo 1º a pre­ve­rem: “O exe­quen­te po­de­rá ob­ter cer­ti­dão de que a exe­cu­ção foi ad­mi­ti­da pe­lo juiz, com iden­ti­fi­ca­ção das par­tes e do va­lor da cau­sa, para fins de aver­ba­ção no re­gis­tro de imó­veis, de veí­cu­los ou de ou­tros bens su­jei­tos a pe­nho­ra, ar­res­to ou in­dis­po­ni­bi­li­da­de”. “No pra­zo de 10 (dez) di­as de sua con­cre­ti­za­ção, o exe­quen­te de­ve­rá co­mu­ni­car ao juí­zo as aver­ba­ções efe­ti­va­das”.

Por­tan­to, ca­be­rá ao Exe­quen­te re­que­rer ao Re­gis­tra­dor a aver­ba­ção, ane­xan­do cer­ti­dão do Juí­zo da Exe­cu­ção de que a mes­ma foi ad­mi­ti­da (acei­ta com o des­pa­cho or­de­na­tó­rio da ci­ta­ção) con­ten­do os de­mais re­qui­si­tos ex­pres­sos re­pro­du­zi­dos. Tam­bém, a ele ca­be­rá a co­mu­ni­ca­ção da fei­tu­ra das aver­ba­ções ao Juí­zo e o seu can­ce­la­men­to (em ra­zão da for­ma­li­za­ção da pe­nho­ra em bens su­fi­ci­en­tes para ga­ran­tir a Exe­cu­ção, se­gun­do o pa­rá­gra­fo 2º do art. 828), sob pe­na, in­clu­si­ve, de in­de­ni­zar a par­te con­trá­ria ca­so não as can­ce­le (pa­rá­gra­fo 5º do art. 828) e is­to ge­re pre­juí­zo efe­ti­vo ao Exe­cu­ta­do. A atu­a­ção do Juiz da Exe­cu­ção so­men­te ocor­re­rá ca­so o Exe­quen­te se omi­ta quan­to ao can­ce­la­men­to da aver­ba­ção (pa­rá­gra­fo 3º do mes­mo ar­ti­go).

Quan­to à pe­nho­ra, o art. 844 pre­vê: “Para pre­sun­ção ab­so­lu­ta de co­nhe­ci­men­to por ter­cei­ros, ca­be ao exe­quen­te pro­vi­den­ci­ar a aver­ba­ção do ar­res­to ou da pe­nho­ra no re­gis­tro com­pe­ten­te, me­di­an­te apre­sen­ta­ção de có­pia do au­to ou do ter­mo, in­de­pen­den­te­men­te de man­da­do ju­di­ci­al”.

No Pa­ra­ná, o Có­di­go de Nor­mas não pre­vê o ato re­gis­tral de aver­ba­ção, mas sim de re­gis­tro da pe­nho­ra. In­de­pen­den­te­men­te dis­so, o dis­po­si­ti­vo aci­ma re­ve­la a des­ne­ces­si­da­de de man­da­do ju­di­ci­al para o re­gis­tro, bas­tan­do a apre­sen­ta­ção de có­pia do au­to ou ter­mo de pe­nho­ra re­a­li­za­do. Is­to al­te­ra a qu­a­li­fi­ca­ção re­gis­tral que an­tes se ba­se­a­va na apre­sen­ta­ção de man­da­do/ofí­cio do Juí­zo da Exe­cu­ção acom­pa­nha­do do res­pec­ti­vo au­to ou ter­mo de pe­nho­ra. Ago­ra, o man­da­do ju­di­ci­al não é re­qui­si­to es­sen­ci­al para o Re­gis­tro de Imó­veis, so­men­te o au­to ou ter­mo de pe­nho­ra (que de­ve es­tar, lo­gi­ca­men­te, as­si­na­do e ob­ter com­pro­va­ção de sua au­ten­ti­ci­da­de pe­lo Re­gis­tra­dor).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.