Con­su­mi­do­res­re­cla­mam de ne­go­ci­a­ção di­fí­cil

Folha de Londrina Domingo - - IMOBILIÁRIA -

Ne­go­ci­ar o dis­tra­to de um imó­vel com cons­tru­to­ras não é ta­re­fa fá­cil. De­pois de mui­ta con­ver­sa, o em­pre­sá­rio Pau­lo En­ri­que Ran­do con­se­guiu des­fa­zer o con­tra­to de com­pra de um apar­ta­men­to na plan­ta em Lon­dri­na. Ele de­sis­tiu do ne­gó­cio, não por ques­tões fi­nan­cei­ras – co­mo tem si­do co­mum no País de­vi­do à cri­se econô­mi­ca e o de­sem­pre­go -, mas por­que mu­dou de pla­nos e de­ci­diu in­ves­tir na cons­tru­ção de uma ca­sa.

A prin­cí­pio, se­gun­do ele, o ven­de­dor qu­e­ria co­brar 25% so­bre o mon­tan­te pa­go até en­tão ou 6% so­bre o va­lor to­tal do apar­ta­men­to. “As ta­xas são mui­to abu­si­vas”, afir­ma. Só de­pois de mui­ta ne­go­ci­a­ção, ele con­se­guiu, de for­ma ami­gá­vel, um acor­do para pa­gar 17% so­bre o va­lor que ha­via in­ves­ti­do até a da­ta do dis­tra­to. O pre­juí­zo foi de R$ 13 mil. A res­ti­tui­ção foi fei­ta em qua­tro par­ce­las.

O ca­so do em­pre­sá­rio ci­ta­do no iní­cio da re­por­ta­gem foi ain­da mais com­pli­ca­do. Ele tam­bém de­sis­tiu da com­pra por uma mu­dan­ça de pla­nos, mas mes­mo após três me­ses de ne­go­ci­a­ção, não con­se­guiu fle­xi­bi­li­zar a pro­pos­ta ini­ci­al da cons­tru­to­ra e te­ve que pa­gar mul­ta de 4% so­bre o va­lor to­tal do imó­vel. A res­ti­tui­ção foi par­ce­la­da em dez ve­zes. “São 13 me­ses para des­fa­zer o con­tra­to e re­ce­ber o di­nhei­ro”, re­cla­ma.

Ele con­ta que, além das pres­ta­ções e ba­lões pre­vis­tos em con­tra­to, co­lo­cou mais di­nhei­ro no ne­gó­cio, po­rém não re­ce­be­rá tal va­lor cor­ri­gi­do pe­la ven­de­do­ra. “O gran­de pro­ble­ma é o des­ca­so da cons­tru­to­ra na ho­ra do dis­tra­to. Eu es­tu­dei ou­tras pos­si­bi­li­da­des e até su­ge­ri a tro­ca por um imó­vel mais ba­ra­to, mas não acei­ta­ram.” Se­gun­do o em­pre­sá­rio, a mi­gra­ção de imó­veis, in­for­ma­da na ho­ra da ven­da, não ocor­re na prá­ti­ca. “Não é pos­sí­vel mi­grar para um imó­vel de me­nor va­lor”, ci­ta.

Ape­sar dos pre­juí­zos acu­mu­la­dos, o em­pre­sá­rio ain­da re­co­men­da que os con­su­mi­do­res pri­o­ri­zem uma ne­go­ci­a­ção ami­gá­vel com as cons­tru­to­ras em ca­so de dis­tra­to. “Mes­mo fi­can­do in­sa­tis­fei­to, é me­lhor re­ce­ber al­gu­ma coi­sa do que não re­ce­ber na­da”, opi­na. (A.D.S.)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.