Dis­cur­sos de ódio si­len­ci­am omi­to da cor­di­a­li­da­de

Exa­cer­ba­ção do in­di­vi­du­a­lis­mo nas dis­cus­sões so­bre po­lí­ti­ca, fu­te­bol e re­li­gião ex­põe intolerância e der­ru­ba mi­to da cor­di­a­li­da­de do bra­si­lei­ro

Folha de Londrina Domingo - - PRIMEIRA PÁGINA - Ca­ro­li­na Avan­si­ni Re­por­ta­gem Lo­cal

O bra­si­lei­ro se van­glo­ria de res­pei­tar as di­fe­ren­ças. Mas a agres­si­vi­da­de em opi­niões ma­ni­fes­ta­das re­cen­te­men­te, em es­pe­ci­al nas re­des so­ci­ais, dei­xa cla­ro que, qu­an­do o as­sun­to é po­lí­ti­ca, fu­te­bol ou re­li­gião, es­tá lon­ge de ser um povo cor­di­al.“Na so­ci­e­da­de in­di­vi­du­a­lis­ta em que vi­ve­mos, man­ter a pró­pria opi­nião é mais im­por­tan­te que a ami­za­de com al­guém”, des­cre­ve o psi­có­lo­go Au­ré­lio Me­lo.A es­tu­dan­te My­le­na Lamô­ni­ca Aze­ve­do da Sil­va re­la­ta que foi al­vo de pre­con­cei­to pe­la sua op­ção re­li­gi­o­sa e por ser fi­lha de pas­tor

Aguer­ra ver­bal tra­va­da en­tre de­fen­so­res da pre­si­den­te afas­ta­da Dil­ma Rous­sef e os par­ti­dá­ri­os do im­pe­a­ch­ment e do pre­si­den­te in­te­ri­no Mi­chel Te­mer des­mas­ca­ra um mi­to so­bre o povo bra­si­lei­ro: qu­an­do o as­sun­to é po­lí­ti­ca, fu­te­bol ou re­li­gião, não so­mos cor­di­ais. As re­des so­ci­ais são o re­fle­xo de tan­ta agres­si­vi­da­de, afi­nal, são em posts, co­men­tá­ri­os e com­par­ti­lha­men­tos que mui­ta gen­te ex­pres­sa a fal­ta de to­le­rân­cia com opi­niões di­fe­ren­tes.No­pla­no“re­al”,po­rém, ma­ni­fes­ta­ções de ódio co­me­çam a fa­zer par­te da ro­ti­na. Car­ta­zes, pa­la­vras de or­dem nas ma­ni­fes­ta­ções ou mes­mo a tro­ca de ofen­sas e até cus­pa­ra­das en­tre de­pu­ta­dos, du­ran­te a vo­ta­ção do im­pe­di­men­to da pre­si­den­te na Câ­ma­ra, por exem­plo, evi­den­ci­am o cli­ma de dis­cór­dia.

“O que ob­ser­va­mos é uma for­te ten­dên­cia à intolerância e à afir­ma­ção de pai­xões”, ava­lia o psi­có­lo­go Au­ré­lio Me­lo, pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Pres­bi­te­ri­a­na Mac­ken­zie. Se­gun­do ele, os bra­si­lei­ros nun­ca fo­ram cor­di­ais. “O que se vê nos de­ba­tes po­lí­ti­cos atu- ais é que as pes­so­as es­tão apai­xo­na­das, mas na pai­xão não há re­fle­xão, as po­si­ções vi­ram uma cren­ça. O apaixonado só vê um la­do, não con­se­gue de­ba­ter”, ex­pli­ca.

Me­lo diz que te­ve es­pe­ran­ças na elei­ção de 2014, qu­an­do co­me­çou a per­ce­ber bra­si­lei­ros fi­nal­men­te se in­te­res­san­do por po­lí­ti­ca. “Mas lo­go en­ten­di que não era po­lí­ti­ca, no sen­ti­do de dis­cus­são ou de mi­li­tân­cia, mas sim dis­cur­sos apai­xo­na­dos”, diz.

Para ele, o atu­al mo­men­to po­lí­ti­co de­ve­ria ser en­ca­ra­do co­mo uma opor­tu­ni­da­de para de­ba­ter idei­as e des­co­brir que é pos­sí­vel pen­sar di­fe­ren­te, mas con­ti­nu­ar con­vi­ven­do. “Po­rém, na so­ci­e­da­de in­di­vi­du­a­lis­ta em que vi­ve­mos, man­ter a pró­pria opi­nião é mais im­por­tan­te que a ami­za­de com al­guém. Eu mes­mo te­nho dú­vi­das so­bre ex­pres­sar mi­nha opi­nião e as pes­so­as não en­ten­de­rem que con­ti­nuo gos­tan­do de­las”, exem­pli­fi­ca.

Uma con­sequên­cia im­por­tan­te des­ta re­a­li­da­de é a per­da da pos­si­bi­li­da­de de dis­cu­tir po­lí­ti­ca de for­ma sau­dá­vel. “Ou­tra per­da é não ser­mos ca­pa­zes de de­sen­vol­ver re­la­ções mais hu­ma­nas e vín­cu­los mais sig­ni­fi­ca­ti­vos”, afir­ma, lem­bran­do que nas re­des so­ci­ais os vín­cu­los são frá­geis. “Na dis­cor­dân­cia, vo­cê de­le­ta a pes­soa e tu­do bem”, cri­ti­ca.

O pro­fes­sor en­xer­ga a exa­cer­ba­ção do in­di­vi­du­a­lis­mo nas dis­cus­sões so­bre po­lí­ti­ca, mas tam­bém em re­la­ção a fu­te­bol e re­li­gião. “Há um ele­men­to em co­mum nas con­ver­sas so­bre es­ses te­mas, que é a intolerância”, opi­na. As con­sequên­ci­as para a vi­da pú­bli­ca, po­rém, são mais gra­ves na po­lí­ti­ca. “Há o ris­co da ra­di­ca­li­za­ção, o que dá mar­gem para o apa­re­ci­men­to de fi­gu­ras au­to­ri­tá­ri­as que vão sin­te­ti­zar es­sa in­ca­pa­ci­da­de para con­vi­ver com a di­fe­ren­ça. De­mo­cra­cia não é fa­zer o que qu­er, mas vi­ver na di­fe­ren­ça e res­pei­tar a de­ci­são da mai­o­ria, o que é mui­to di­fí­cil”, pon­tua.

“Sair do gru­po deWhatsApp ou Fa­ce­bo­ok”, po­rém, não é a so­lu­ção para com­ba­ter a intolerância. “É pre­ci­so apren­der a emi­tir opi­niões sem ser in­to­le­ran­te, com po­li­dez”, de­fen­de.

AGRES­SI­VI­DA­DE A pro­fes­so­ra dou­to­raVa­ni­ce Ma­ria Oli­vei­ra Sar­gen­ti­ni, co­or­de­na­do­ra do La­bo­ra­tó­rio de Es­tu­dos do Dis­cur­so da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de São Car­los (UFSCar), afir­ma que “a intolerância que se exi­be nos dis­cur­sos dei­xa ver su­as raí­zes, que em ge­ral re­fle­tem a nos­sa his­tó­ria de de­si­gual­da­de so­ci­al, es­tan­do nis­so en­vol­vi­das as re­la­ções de po­der”.

De acor­do com ela, a agres­si­vi­da­de do dis­cur­so po­de in­sul­tar, mes­mo não sen­do cons­truí­da com pa­la­vrões. En­tre exem­plos ci­ta­dos pe­la pes­qui­sa­do­ra es­tão o fa­to de uma gran­de re­vis­ta ter pu­bli­ca­do uma ca­pa ex­pon­do a su­pos­ta his­te­ria da pre­si­den­te afas­ta­da Dil­ma Rous­sef ou mes­mo qu­an­do ma­ni­fes­tan­tes re­pre­sen­tam o ex-pre­si­den­te Lu­la por um bo­ne­co in­flá­vel com ves­ti­men­ta de pre­si­diá­rio. “Is­so re­for­ça o es­tig­ma ne­ga­ti­vo atri­buí­do ao pre­si­diá­rio, que a prin­cí­pio, por um dis­cur­so so­ci­al, de­ve­ria ser aque­la pes­soa que es­tá re­ti­da para apren­der a se rein­te­grar na so­ci­e­da­de e não para ser pu­ni­da com so­fri­men­to.”

Pa­raVa­ni­ce, a dis­se­mi­na­ção de dis­cur­sos per­me­a­dos pe­la agres­si­vi­da­de con­tri­bui para a cons­tru­ção de uma po­lí­ti­ca co­mo es­pe­tá­cu­lo. “A po­lí­ti­ca­es­pe­tá­cu­lo, exi­bi­da ini­ci­al­men­te nas te­le­vi­sões e atu­al­men­te nas re­des so­ci­ais, uti­li­za uma ‘lín­gua de ven­to’, ou se­ja, uma no­va po­lí­ti­ca da fa­la, ca­rac­te­ri­za­da por for­mas bre­ves, pe­que­nas fra­ses slo­ga­ni­za­das, nas quais se va­lo­ri­za a as­tú­cia ver­bal e não a es­tra­té­gia po­lí­ti­ca”. Já o mo­de­lo an­te­ri­or era ba­se­a­do no que cha­ma da “lín­gua de ma­dei­ra”: dis­cur­sos lon­gos e re­pe­ti­ti­vos.

De for­ma pa­ra­do­xal,Va­ni­ce apon­ta que nos úl­ti­mos anos, no Bra­sil, hou­ve uma do­ci­li­za­ção do dis­cur­so po­lí­ti­co, se­gui­da­deu­main­ten­sa­a­gres­si­vi­da­de. “Nas cam­pa­nhas an­te­ri­o­res a 2002, o Lu­la era um can­di­da­to que fa­la­va para o elei­tor co­mo se es­ti­ves­se no pa­lan­que”, dis­se. Di­an­te da ne­ces­si­da­de de se tor­nar mais “po­li­do”, co­mo exi­gia a te­la da TV, ele pas­sou a abai­xar o tom de voz, con­tro­lan­do os ges­tos, de mo­do a tor­nar-se mais pa­la­tá­vel para es­se olhar dos elei­to­res me­di­a­do pe­la te­le­vi­são. “Pas­sou a ser de­sig­na­do co­mo ‘Lu­li­nha paz e amor’, uma vez que te­ria es­ma­e­ci­do as dis­ten­sões, para con­quis­tar os seus elei­to­res”, ana­li­sa.

Des­de a cam­pa­nha de 2014 até ho­je, en­tre­tan­to, ela ob­ser­va que o com­por­ta­men­to é o aves­so do que foi des­cri­to. “A pul­são agres­si­va fí­si­ca e psi­co­ló­gi­ca que se qu­er di­re­ci­o­nar ao opo­si­tor con­ver­te­se mui­tas ve­zes na ver­ba­li­za­ção”, aler­ta.

Na so­ci­e­da­de in­di­vi­du­a­lis­ta, man­ter a pró­pria opi­nião é mais im­por­tan­te que a ami­za­de”

Gus­ta­vo Car­nei­ro

Nil­son Bas­ti­an/Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos

A tro­ca de ofen­sas en­tre par­la­men­ta­res du­ran­te a vo­ta­ção do im­pe­a­ch­ment na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos evi­den­cia o cli­ma de dis­cór­dia no País atu­al­men­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.