Não é Cam­pa­ri

Folha de Londrina Domingo - - POLÍTICA -

Oquev em­po raí nãoéu ma mar­go-doce co­mo Cam­pa­ri, mas al­go me­nos as­si­mi­lá­vel do que o lu­bri­fi­can­te óleo de rí­ci­no, que vem da se­men­te de ma­mo­na, efi­ci­en­te até em fo­gue­tes es­pa­ci­ai se­que Ro­ber­to Re­quião ex­pe­ri­men­tou pa­ra agra­dar Lula. Des­sa es­tó­ria de re­mé­di­os he­roi­cos do pas­sa­do, en­tre os qu­ais aque­le clás­si­co da la­va­gem in­tes­ti­nal, uma fra­se clás­si­ca:“o que ar­de cu­ra, o que aper­ta se­gu­ra” e dá-lhe cris­téis in­fa­lí­veis.

Da mes­ma forma que os po­lí­ti­cos a far­ma­co­lo­gia se ren­de a in­di­ca­ções mar­que­tei­ras co­mo ade al­te­rar o gos­to dos pro­du­to se­que lem­bram até re­bu­ça­dos, es­pe­ci­al­men­te pa­ra as cri­an­ças. Co­mo tor­nar me­nos pe­no­so um re­mé­dio amar­go se ele te ca­pa os ganhos sa­la­ri­ais que fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos do mun­do in­tei­ro con­si­de­ram“sa­gra­dos ”? Me­xer com es­sa sa­cra­li­da­de é que os po­lí­ti­cos não gos­tam, ainda que no ca­so pa­ra­na­en­se des­vi­as­se o fo­co de Be­to Ri­cha pa­ra Mi­chelTe­mer, cu­jo es­ti­lo não se ajus­ta à pi­ra dos sa­cri­fí­ci­os, co­mo aliás tem de­mons­tra­do em seus re­cu­os gros­sei­ros na­lu ta­pa­ra re­du­zi­ra Dí­vi­da Pú­bli­ca. Aqui­lo que é nor­mal no Mi­nis­tro da Fa­zen­da, Hen­ri­que Mei­rel­les, ne­le não se ajus­ta por sua com­pul­são po­pu­lis­ta.

Pa­ra com­pen­sar as de­fi­ci­ên­ci­as de equi­pe o go­ver­na­dor pa­ra­na­en­se tem Mauro Ricardo Costa na Fa­zen­da e Rei­nhold Stepha­nes na Ad­mi­nis­tra­ção e Pre­vi­dên­cia, es­te com ata­re­fa de ten­tar evi­tar que o fun­do de pen­são vá, co­mo tu­do in­di­ca, pa­ra as cu­cui­as. Até por­que na­ci­o­nal­men­te co­mo mi­nis­tro da Pre­vi­dên­cia em si­tu­a­ção an­te­ri­or per­deu por um vo­to a ques­tão que ho­je é re­co­lo­ca­da na me­xi­da na ida­de dos apo­sen­ta­dos. No ca­so pa­ra­na­en­se tra­ta-se de re­vi­a­bi­li­zar a Pa­ra­na Pre­vi­dên­cia que fi­cou por três go­ver­nos se­gui­dos, e mais qua­tro me­ses de Ler­ner,sem­re­ce be­ra con­tri­bui­ção pa­tro­nal que ca­be­ria ao Es­ta­do o que res­trin­giu dras­ti­ca­men­te o seu ho­ri­zon­te atu­a­ri­al de 70 anos pa­ra dez, con­for­me cál­cu­los mais oti­mis­tas.

Na­lu ta­pa­ra ajus­ta­ra Pre­vi­dên­cia na­ci­o­nal o en­tão mi­nis­tro Rei­nhold Stepha­nes so­freu nas mãos dos ad­ver­sá­ri­os que ex­plo­ra­ram, tam­bém, o fa­to de ele pró­prio ter si­do apo­sen­ta­do mui­to jo­vem na pre­fei­tu­ra de Cu­ri­ti­ba. O cui­da­do ago­ra deve ser o de não pas­sar pa­ra a his­tó­ria co­mo um dos que afun­dou o nos­so tão ba­da­la­do fun­do de pen­são, daí a con­fi­an­ça em sua au­to­ri­da­de co­mo me­di­a­dor do pro­ces­so.

Já do se­cre­tá­rio da Fa­zen­da, Mauro Ricardo Costa, se es­pe­ra fir­me­za em sua dis­po­si­ção, mes­mo que ir­ri­tan­do co­mo poucos aclas­se po­lí­ti­ca, de man­ter os con­tro­les da si­tu­a­ção ad­ver­sa ainda que o com­pa­rem ao“ho­mem te­sou­ra” co­mo aque­le do fil­me, lem­bran­do-se que o pa­ra­na­en­se Ma­no­el Ri­bas se trans­for­mou, no vul­go, em Ma­ne­co Fa­cão pe­la fir­me­za de sua po­lí­ti­ca de cor­tar gas­to se­que afi­nal o con­sa­gra ram­no ape­li­do lu­mi­no­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.