Ro­ti­na com­pli­ca­da pa­ra qu­em pre­ci­sa vo­ar

Em­pre­sá­ri­os re­la­tam a di­fi­cul­da­de de or­ga­ni­zar a vi­da pro­fis­si­o­nal di­an­te da fal­ta de bons ho­rá­ri­os de vo­os

Folha de Londrina Domingo - - REPORTAGEM - Ca­ro­li­na Avan­si­ni Re­por­ta­gem Lo­cal

No meio do jo­go de em­pur­ra en­tre com­pa­nhi­as aé­re­as, en­ti­da­des e go­ver­no do Es­ta­do, qu­em pre­ci­sa de mo­bi­li­da­de aérea pa­ra ga­nhar a vi­da já en­fren­ta mui­tos pro­ble­mas pa­ra con­se­guir cum­prir com­pro­mis­sos. É o ca­so do con­sul­tor em­pre­sa­ri­al Luís Carlos Moz­za­to, que mo­ra em Lon­dri­na mas aten­de cli­en­tes em São Paulo, Rio de Ja­nei­ro, Re­ci­fe, Cam­pi­nas, Cu­ri­ti­ba e Be­lo Ho­ri­zon­te. Sem op­ções de vo­os e com his­tó­ri­co de atra­sos e can­ce­la­men­tos cons­tan­tes cau­sa­dos pe­la fal­ta do ILS no ae­ro­por­to lo­cal, ele con­ta­bi­li­za pre­juí­zos na vi­da pro­fis­si­o­nal e pes­so­al.

O con­sul­tor con­ta que man­ti­nha um es­que­ma de tra­ba­lhar fo­ra de Lon­dri­na de terça a sex­ta-fei­ra, to­das as se­ma­nas, re­ser­van­do o fim de se­ma­na e a se­gun­da-fei­ra pa­ra aten­der cli­en­tes da ci­da­de e, cla­ro, pas­sar mais tem­po com a es­po­sa e a filha de 10 anos. “Te­nho cli­en­tes em­pre­sa­ri­ais e tam­bém aten­do par­ti­cu­la­res co­mo co­a­ching”, de­ta­lha, des­ta­can­do que tem agen­da pre­en­chi­da até de­zem­bro, mas está en­con­tran­do di­fi­cul­da­des pa­ra ade­quar os com­pro­mis­sos à es­tru­tu­ra lo­gís­ti­ca da ci­da­de, agra­va­da pe­los cons­tan­tes can­ce­la­men­tos de vo­os em fun­ção do cli­ma. “Não à toa me tor­nei cli­en­te fi­de­li­da­de de uma lo­ca­do­ra de veí­cu­los, pois mui­tas ve­zes ti­ve que alu­gar um car­ro e pe­gar a es­tra­da até São Paulo pa­ra ga­ran­tir pe­lo me­nos meio dia de tra­ba­lho”, la­men­ta.

Moz­za­to cos­tu­ma­va che­gar em Lon­dri­na na sex­ta­fei­ra à noi­te e vi­a­jar no­va­men­te nos pri­mei­ros vo­os da ma­nhã de terça. Com a re­du­ção de ro­tas, está ten­do que re­a­de­quar os pla­nos, com che­ga­das no sábado e par­ti­das na se­gun­da. Além de one­rar os cus­tos com um dia a mais de hos­pe­da­gem, ele perde tam­bém a possibilidade de aten­der cli­en­tes em Lon­dri­na no sábado de ma­nhã, o que di­fi­cul­ta o planejamento. “Eu con­se­guia ir pa­ra São Paulo e Rio de Ja­nei­ro no mes­mo dia do com­pro­mis­so, ago­ra não dá mais. Tam­bém fi­cou com­pli­ca­do ir e vol­tar pa­ra Cu­ri­ti­ba no mes­mo dia”, la­men­ta.

Du­as noi­tes a me­nos com a fa­mí­lia tam­bém en­tram no rol dos gran­des pre­juí­zos cau­sa­dos pe­la fal­ta de mo­bi­li­da­de. “Mi­nha filha tem dez anos, a au­sên­cia é com­pli­ca­da”, diz.

Por tu­do is­so, ele re­ve­la que, ape­sar de nun­ca ter pen­sa­do em sair de Lon­dri­na, pas­sou a co­gi­tar a possibilidade di­an­te das di­fi­cul­da­des de trans­por­te. “Já re­ce­bi con­vi­tes pa­ra São Paulo e Cam­pi­nas, mas não que­ria abrir mão da qu­a­li­da­de de vi­da. Tor­ço pa­ra a si­tu­a­ção me­lho­rar e que não se­ja pre­ci­so to­mar es­sa decisão. In­fe­liz­men­te Lon­dri­na per­deu a cre­di­bi­li­da­de di­an­te das com­pa­nhi­as aé­re­as”, cri­ti­ca.

Em Ma­rin­gá, Jef­fer­son No­ga­ro­li, pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do Si­co­ob Central Uni­co­ob, ex­pli­ca que a fal­ta de­vo os im­põe uma ne­ces­si­da­de de pla­ne­jar me­lhor o des­lo­ca­men­to de pes­so­as da Central do Si­co­ob pa­ra as co­o­pe­ra­ti­vas afi­li­a­das e vi­ce­ver­sa. Pa­ra con­tor­nar as di­fi­cul­da­des de mo­bi­li­da­de, ele re­ve­la que a em­pre­sa tem re­cor­ri­do aos mei­os di­gi­tais pa­ra re­a­li­zar reu­niões que não ne­ces­si­tem da pre­sen­ça fí­si­ca.

Pon­de­ra, po­rém, que a fal­ta de vo­os traz pre­juí­zo pa­ra Ma­rin­gá co­mo um to­do. “A con­quis­ta do ae­ro­por­to e das ro­tas co­lo­cou Ma­rin­gá co­mo um dos prin­ci­pais des­ti­nos de ne­gó­ci­os no Es­ta­do, jun­to de Lon­dri­na, Cu­ri­ti­ba e Foz do Igua­çu. Is­so im­pul­si­o­nou a eco­no­mia lo­cal, com a am­pli­a­ção da re­de ho­te­lei­ra, trans­por­te, co­mér­cio e ser­vi­ços. A di­mi­nui­ção de ro­tas em Ma­rin­gá deve ame­a­çar es­sa po­si­ção da ci­da­de, que não será con­si­de­ra­da pa­ra a re­a­li­za­ção de even­tos de ne­gó­ci­os ou so­ci­ais, o que di­re­ta­men­te di­mi­nui­rá o flu­xo de pes­so­as e a cir­cu­la­ção de mo­e­da na eco­no­mia lo­cal”, opi­na.

Atu­al­men­te, o Si­co­ob Uni­co­ob ope­ra uma joint ven­tu­re com o Gru­po San­cor Se­gu­ros, na Ar­gen­ti­na. A San­cor Se­gu­ros do Bra­sil, se­gun­do ele, tem se­de em Ma­rin­gá e fi­li­ais no Sul do Bra­sil. Co­mo o con­se­lho é com­pos­to por am­bas ins­ti­tui­ções, as reu­niões ocor­rem no Bra­sil ou na Ar­gen­ti­na. “Com me­nos ro­tas dis­po­ní­veis é ne­ces­sá­rio um mai­or planejamento e com mais an­te­ce­dên­cia”, la­men­ta.

TU­RIS­MO

O se­tor de tu­ris­mo das ci­da­des do in­te­ri­or já não con­ta com gran­des atra­ti­vos pa­ra fo­men­tar ne­gó­ci­os. Sem vo­os, os pro­ble­mas au­men­tam, co­mo re­la­ta o em­pre­sá­rio Alexandre Cam­pi­nha, pro­pri­e­tá­rio da Atra­ti­va Tu­ris­mo, em Lon­dri­na, que tem en­con­tra­do di­fi­cul­da­des pa­ra aten­der a ne­ces­si­da­de dos cli­en­tes di­an­te da li­mi­ta­da gra­de de vo­os dis­po­ní­veis na ci­da­de.

“Qu­em está com vi­a­gem com­pra­da re­cla­ma por ter que tro­car de ae­ro­por­to, fa­zer co­ne­xões. Com a re­ti­ra­da de vo­os pa­ra o ae­ro­por­to de Gu­a­ru­lhos (de on­de sa­em vo­os in­ter­na­ci­o­nais em São Paulo), ha­ve­rá ainda mais di­fi­cul­da­des pa­ra mon­tar co­ne­xões”, pre­vê.

Ele re­co­nhe­ce que hou­ve di­mi­nui­ção na de­man­da por vo­os no iní­cio do ano, mas ga­ran­te que o mo­vi­men­to está sen­do re­to­ma­do. “Não jus­ti­fi­ca te­rem can­ce­la­do tan­tas ro­tas e ho­rá­ri­os”, opi­na ele, que tem per­ce­bi­do mui­tos cli­en­tes pre­fe­ri­rem ir pa­ra São Paulo de car­ro ou ôni­bus pa­ra em­bar­ques in­ter­na­ci­o­nais. “As pes­so­as não que­rem cor­rer o ris­co de per­der vo­os ou en­fren­tar a mão de obra de tro­car de ae­ro­por­to”, re­la­ta.

A con­sequên­cia da re­du­ção da ofer­ta, se­gun­do o em­pre­sá­rio, é o au­men­to das ta­ri­fas. “Pa­ra Cu­ri­ti­ba, por exem­plo, só con­se­gui­mos bons pre­ços com an­te­ce­dên­cia. Os cli­en­tes re­cla­mam”, diz, des­ta­can­do que o se­tor cria de­man­das a par­tir da ofer­ta de vo­os. “Se não tem ofer­ta, não mo­ti­va a de­man­da”, re­su­me.

Pa­ra Cam­pi­nha, a si­tu­a­ção de­mons­tra qual é o olhar das com­pa­nhi­as aé­re­as pa­ra o in­te­ri­or do Pa­ra­ná. “Ape­sar de ser­mos um gran­de po­lo de ne­gó­ci­os, as em­pre­sas es­tão com os olhos vol­ta­dos aos mer­ca­dos cor­po­ra­ti­vos, que são mais lu­cra­ti­vos. O in­te­ri­or aca­ba fi­can­do sem ofer­ta”, diz.

“Com me­nos ro­tas é pre­ci­so mai­or planejamento e com mais an­te­ce­dên­cia”

Gi­na Mar­do­nes/30-05-2016

Cel­so Pa­che­co

“Mui­tas ve­zes ti­ve que alu­gar um car­ro e pe­gar a es­tra­da até São Paulo pa­ra ga­ran­tir pe­lo me­nos meio dia de tra­ba­lho”, diz o con­sul­tor em­pre­sa­ri­al Luís Carlos Moz­za­to

Gus­ta­vo Car­nei­ro

Alexandre Cam­pi­nha, do­no de agên­cia de tu­ris­mo: “Com a re­ti­ra­da de vo­os pa­ra o ae­ro­por­to de Gu­a­ru­lhos, será mais di­fí­cil mon­tar co­ne­xões”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.