Bra si léo ter­cei­ro país mais ame­a­ça­dor à vi­da dos jo­vens

Le­van­ta­men­to co­lo­ca o País en­tre as três na­ções que mais re­gis­tram ho­mi­cí­di­os de pes­so­as com até 19 anos. En­quan­to ado­les­cen­tes e cri­an­ças da clas­se mé­dia são vi­ti­ma­dos pe­lo trân­si­to, jo­vens da pe­ri­fe­ria com pou­co aces­so à edu­ca­ção e ser­vi­ços de saúde e s

Folha de Londrina Domingo - - PRIMEIRA PÁGINA - Ca­ro­li­na Avan­si­ni Re­por­ta­gem Lo­cal

OB­ra­sil é um lu­gar pe­ri­go­so pa­ra cri­an­ças e ado­les­cen­tes. Pe­lo me­nos é o que mos­tram os da­dos da Pes­qui­sa Ma­pa da Vi­o­lên­cia 2015, se­gun­do a qual o País ocu­pa um ver­go­nho­so ter­cei­ro lu­gar em um ran­king de 85 na­ções que mais re­gis­tram ho­mi­cí­di­os de pes­so­as en­tre 0 e 19 anos. A ta­xa de 16,3 ho­mi­cí­di­os pa­ra ca­da 100 mil ha­bi­tan­tes nes­ta fai­xa etá­ria só não é pi­or que a re­gis­tra­da no México e em El Sal­va­dor, como apon­ta o es­tu­do fei­to pe­lo so­ció­lo­go Ju­lio Ja­co­bo Wai­sel­fisz, da Fa­cul­da­de La­ti­no-Americana de Ci­ên­ci­as So­ci­ais (Flac­so).

A pes­qui­sa des­ta­ca tam­bém que, em 2013, os ho­mi­cí­di­os re­pre­sen­ta­vam qua­se me­ta­de das cau­sas de mor­tes de jo­vens de 16 e 17 anos no Bra­sil. As principais ví­ti­mas são ado­les­cen­tes do se­xo mas­cu­li­no, ne­gros e com bai­xa es­co­la­ri­da­de. O au­men­to da vi­o­lên­cia contra es­sa par­ce­la da po­pu­la­ção é his­tó­ri­co. En­quan­to as mor­tes de cri­an­ças e ado­les­cen­tes por cau­sas na­tu­rais di­mi­nuí­ram 78,5% de 1980 a 2013, as mor­tes pe­las cha­ma­das cau­sas ex­ter­nas, que in- clu­em ho­mi­cí­di­os, sui­cí­di­os e aci­den­tes, au­men­ta­ram 22,4%.

O trân­si­to tam­bém se mostra pe­ri­go­so pa­ra as cri­an­ças e jo­vens bra­si­lei­ros. Se até um ano de ida­de eles mor­rem como ocu­pan­tes de veí­cu­los au­to­mo­to­res, a par­tir des­ta ida­de até os 14 anos a mai­or in­ci­dên­cia de óbi­tos ocor­re quan­do tran­si­tam pe­las ru­as a pé. Já en­tre os 15 e 19 anos, a mai­or pro­por­ção das mor­tes en­vol­ve ocu­pan­tes de mo­to­ci­cle­tas. Os pa­ra­na­en­ses correm mais ris­cos que gran­de par­te dos bra­si­lei­ros ao se mo­ve­rem pe­las ci­da­des e rodovias. Em 2013, o Estado foi o quar­to on­de mais mor­re­ram cri­an­ças e jo­vens ví­ti­mas de aci­den­tes de trân­si­to.

Flá­vio Leão Bas­tos Pe­rei­ra, pro­fes­sor de Di­rei­to Cons­ti­tu­ci­o­nal da Uni­ver­si­da­de Mac­ken­zie, des­ta­ca que o Ma­pa da Vi­o­lên­cia mostra, a ca­da ano, que a ame­a­ça aos ado­les­cen­tes é diferente de­pen­den­do da clas­se so­ci­o­e­conô­mi­ca. Ado­les­cen­tes da pe­ri­fe­ria, por exem­plo, que ti­ve­ram pou­co aces­so a ser­vi­ços bá­si­cos de qua­li­da­de em edu­ca­ção e saúde e que não vi­vem em áre­as bem es­tru­tu­ra­das do pon­to de vis­ta do saneamento bá­si­co, são ame­a­ça­dos prin­ci­pal­men­te pe­la vi­o­lên­cia do Estado e do cri­me or­ga­ni­za­do.

Se­gun­do ele, a fal­ta de po­lí­ti­cas pú­bli­cas efe­ti­vas ti­ra opor­tu­ni­da­des do jo­vem ne­gro e po­bre da pe­ri­fe­ria e os tor­na vul­ne­rá­veis a se­rem co­op­ta­dos pe­lo cri­me ou atingidos pe­la vi­o­lên­cia es­ta­tal. “Es­ta vi­o­lên­cia se con­fi­gu­ra na fal­ta de aces­so a ser­vi­ços que só o Estado de­ve­ria for­ne­cer com qua­li­da­de e igual­da­de, es­pe­ci­al­men­te nas áre­as de saúde, edu­ca­ção e se­gu­ran­ça pú­bli­ca. Quan­do o Estado não ocu­pa es­se es­pa­ço, ele pas­sa a ser ocu­pa­do por es­tru­tu­ras pa­ra­le­las, como o cri­me or­ga­ni­za­do”, opi­na. Se­gun­do o pro­fes­sor, é co­mum que es­tru­tu­ras de po­der pa­ra­le­lo for­ne­çam me­di­ca­men­tos e se­gu­ran­ça, dei­xan­do uma po­pu­la­ção re­fém das ne­ces­si­da­des e in­ten­ções de quem dá.

Pa­ra­le­la­men­te, Pe­rei­ra lem­bra que exis­te uma ação es­ta­tal re­pres­si­va so­bre es­sa po­pu­la­ção, visto que a op­ção do Estado bra­si­lei­ro em re­la­ção ao com­ba­te ao cri­me é pe­la re­pres­são, e não pe­la in­ves­ti­ga­ção. Es­ses in­gre­di­en­tes dei­xam os jo­vens da pe­ri­fe­ria, que vi­vem em um mun­do con­su­mis­ta – on­de são con­si­de­ra­dos pe­lo que têm e não pe­lo que são – com pou­cas op­ções. “Eles não têm opor­tu­ni­da­des no mer­ca­do de tra­ba­lho, até por­que a es­co­la pú­bli­ca é su­ca­te­a­da, e is­so os dei­xa vul­ne­rá­veis ao cri­me or­ga­ni­za­do que cau­sa vi­o­lên­cia le­tal e à ação re­pres­si­va do Estado”, ana­li­sa.

TRÂN­SI­TO Já o jo­vem de clas­se mé­dia é ame­a­ça­do pe­lo trân­si­to, que ain­da é vi­o­len­to no Bra­sil ape­sar das nor­mas se­rem mais rí­gi­das, prin­ci­pal­men­te por cau­sa da cor­rup­ção e pou­ca fis­ca­li­za­ção. “A cor­rup­ção au­men­ta a vi­o­lên­cia da so­ci­e­da­de e atinge tam­bém o jo­vem”, diz Pe­rei­ra.

Além dis­so, são vi­ti­ma­dos pe­lo ál­co­ol e pe­las dro­gas. “O trá­fi­co atinge to­das as ca­ma­das com di­fe­ren­tes efei­tos e di­fe­ren­tes dro­gas, de­pen­den­do do po­der aqui­si­ti­vo”, ava­lia, des­ta­can­do que o ál­co­ol é uma das gran­des ame­a­ças à ju­ven­tu­de e re­fle­te di­re­ta­men­te nos aci­den­tes de trân­si­to que vi­ti­mam es­sa po­pu­la­ção. “O jo­vem tem aces­so à be­bi­da e é in­cen­ti­va­do a be­ber pe­la pu- bli­ci­da­de in­ten­sa de be­bi­das, o que de­mons­tra a fra­gi­li­da­de das ins­ti­tui­ções do Estado que não fa­zem fren­te ao lobby po­de­ro­so da in­dús­tria de be­bi­das”, cri­ti­ca.

Pa­ra o pro­fes­sor, es­sa con­jun­tu­ra re­ve­la a fal­ta de cons­ci­en­ti­za­ção dos ado­les­cen­tes so­bre o risco das be­bi­das, das dro­gas e prin­ci­pal­men­te da ne­ces­si­da­de de res­pei­tar o ou­tro, o que in­clui a cons­ci­ên­cia de, por exem­plo, não di­ri­gir após be­ber. “A es­co­la pú­bli­ca su­ca­te­a­da é uma das pi­o­res tra­gé­di­as do nos­so País. O Bra­sil é mui­to pe­ri­go­so pa­ra o jo­vem de clas­se mé­dia e le­tal pa­ra o jo­vem de pe­ri­fe­ria, o que re­fle­te o au­men­to da vi­o­lên­cia cau­sa­do pe­la fal­ta de jus­ti­ça so­ci­al. É pre­ci­so que a po­pu­la­ção vol­te pa­ra as ru­as pa­ra pres­si­o­nar por bo­as es­co­las e hos­pi­tais pú­bi­cos. Só a pres­são ma­ci­ça da po­pu­la­ção é que vai trazer mu­dan­ça”, de­fen­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.