DI­REI­TO DI­GI­TAL

Ad­vo­ga­da ale­ga que, se não hou­ver ter­mo de ajus­ta­men­to de con­du­ta en­tre Estado e em­pre­sa, blo­quei­os do What­sApp devem se re­pe­tir e usuá­ri­os con­ti­nu­a­rão sen­do pre­ju­di­ca­dos

Folha de Londrina Domingo - - PRIMEIRA PÁGINA - EN­TRE­VIS­TA

Ad­vo­ga­da de­fen­de ter­mo de ajus­ta­men­to de con­du­ta en­tre go­ver­no e oWhatsApp pa­ra evi­tar que blo­queio de apli­ca­ti­vo vol­te a pre­ju­di­car mi­lhões de usuá­ri­os no País

Cu­ri­ti­ba - Mi­lhões de usuá­ri­os do apli­ca­ti­vo What­sApp fi­ca­ram sem o serviço de ma­nei­ra abrup­ta na úl­ti­ma terça-fei­ra, por con­ta de uma de­ci­são ju­di­ci­al, a quar­ta des­de 2015. A juí­za Da­ni­e­la Bar­bo­sa As­sump­ção de Souza, da 2ª Va­ra Cri­mi­nal de Du­que de Ca­xi­as, de­ter­mi­nou o blo­queio por con­ta de uma in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal que cor­re em si­gi­lo na 62ª De­le­ga­cia de Po­lí­cia na ci­da­de da Bai­xa­da Flu­mi­nen­se.

O ato da juí­za re­a­cen­deu a dis­cus­são ain­da sem so­lu­ção em tor­no da que­da de bra­ço en­tre o di­rei­to ao serviço e à co­mu­ni­ca­ção por par­te dos usuá­ri­os e a so­be­ra­nia do País, bem como o di­rei­to da Jus­ti­ça de ter con­tro­le so­bre me­ca­nis­mos que po­dem in­ter­fe­rir na se­gu­ran­ça da so­ci­e­da­de.

A ad­vo­ga­da Ca­ro­li­ne Teó­fi­lo da Sil­va, só­cia do es­cri­tó­rio Patrícia Peck Pinheiro Ad­vo­ga­dos, es­pe­ci­a­li­za­do em di­rei­to di­gi­tal, con­si­de­rou des­pro­por­ci­o­nal a de­ci­são ju­di­ci­al, uma vez que um ca­so iso­la­do afe­tou mi­lhões de pes­so­as. Em en­tre­vis­ta, ela tra­çou um pa­no­ra­ma e avi­sou que “não po­de­mos mais fe­char os olhos pa­ra as ques­tões tec­no­ló­gi­cas que es­tão sur­gin­do na so­ci­e­da­de e im­pac­tan­do o di­rei­to”.

Quan­to às crí­ti­cas ao des­co­nhe­ci­men­to téc­ni­co da juí­za ao re­que­rer a de­sa­bi­li­ta­ção da cha­ve de crip­to­gra­fia, como se o apli­ca­ti­vo pu­des­se ser“gram­pe­a­do” como um te­le­fo­ne, Ca­ro­li­ne ate­nu­ou que tan­to o Po­der Ju­di­ciá­rio quan­to a em­pre­sa, que se viu obri­ga­da a pres­tar as in­for­ma­ções so­li­ci­ta­das, po­de­ri­am “ter apre­sen­ta­do um lau­do pa­ra explicar as ques­tões téc­ni­cas de sua pos­si­bi­li­da­de ou im­pos­si­bi­li­da­de”.

Em meio a tan­tas po­lê­mi­cas so­bre no­va sus­pen­são do serviço por con­ta de de­ci­são ju­di­ci­al, é im­por­tan­te lem­brar que es­sa ori­en­ta­ção so­bre a de­sa­bi­li­ta­ção da cha­ve não te­ria qual­quer uti­li­da­de pa­ra a in­ves­ti­ga­ção, uma vez que o pró­prio What­sApp, em abril des­te ano, anun­ci­ou um re­cur­so de crip­to­gra­fia que pro­te­ge a co­mu­ni­ca­ção en­tre os usuá­ri­os e nem mes­mo a em­pre­sa res­pon­sá­vel pe­lo apli­ca­ti­vo con­se­gue ter aces­so às con­ver­sas.

As sus­pen­sões ju­di­ci­ais co­me­ça­ram em fe­ve­rei­ro de 2015, com uma de­ci­são de blo­queio do What­sApp de­ter­mi­na­da por um juiz de Te­re­si­na. Em de­zem­bro, a se­gun­da sus­pen­são du­rou 48 ho­ras e foi fei­ta a pe­di­do da 1ª Va­ra Cri­mi­nal de São Bernardo do Cam­po (SP). A de­ci­são foi der­ru­ba­da 12 ho­ras de­pois, por meio de um man­da­do de se­gu­ran­ça ob­ti­do pe­lo Fa­ce­bo­ok, res­pon­sá­vel pe­lo apli­ca­ti­vo. Em maio des­te ano, a Jus­ti­ça de La­gar­to (SE) pro­mo­veu a ter­cei­ra sus­pen­são, por con­ta de uma in­ves­ti­ga­ção, e a ques­tão da pro­por­ci­o­na­li­da­de, já que a me­di­da afe­ta­va mi­lhões de usuá­ri­os en­quan­to os cri­mi­no­sos in­ves­ti­ga­dos eram pou­cos, tam­bém ser­viu de ar­gu­men­to pa­ra os ad­vo­ga­dos da em­pre­sa.

A ma­nei­ra como ocor­re­ram as sus­pen­sões do What­sApp fe­riu o di­rei­to dos usuá­ri­os?

Ob­vi­a­men­te há uma que­da de bra­ço en­tre o di­rei­to à co­mu­ni­ca­ção e li­ber­da­de de ex­pres­são dos usuá­ri­os e o di­rei­to da Jus­ti­ça bra­si­lei­ra de in­ves­ti­gar cri­mes que ocor­rem em seu ter­ri­tó­rio. No en­tan­to, um ca­so iso­la­do aca­bou afe­tan­do mi­lhões de usuá­ri­os do serviço e a de­ci­são foi con­si­de­ra­da des­pro­por­ci­o­nal. Es­ta­mos per­ce­ben­do que se tra­ta de uma pau­ta que de­ve­rá ser dis­cu­ti­da e ana­li­sa­da en­tre os agen­tes en­vol­vi­dos, pois se as­sim não for, a ques­tão está lon­ge de ser so­lu­ci­o­na­da.

Quem se sen­tiu le­sa­do te­ria como pro­cu­rar ór­gãos de de­fe­sa do con­su­mi­dor ou di­re­ta­men­te a Jus­ti­ça pa­ra algum tipo de re­pa­ra­ção?

Qual­quer ci­da­dão po­de­ria im­pe­trar um man­da­do de se­gu­ran­ça pa­ra res­guar­dar o seu di­rei­to e ten­tar re­ver­ter o blo­queio, as­sim como re­que­rer a re­pa­ra­ção de algum da­no que lhe te­nha si­do cau­sa­do em ra­zão da in­dis­po­ni­bi­li­da­de do serviço, des­de que se­ja com­pro­va­do o efe­ti­vo da­no e o ne­xo cau­sal.

Os prin­cí­pi­os do Mar­co Ci­vil da Internet fo­ram ame­a­ça­dos com o blo­queio do What­sApp, prin­ci­pal­men­te no que tan­ge à neu­tra­li­da­de de re­de e inim­pu­ta­bi­li­da­de?

Não, o Mar­co Ci­vil da Internet foi ci­ta­do ade­qua­da­men­te na de­ci­são. O Mar­co Ci­vil da Internet pre­vê em seu ar­ti­go 3º e in­ci­sos a ga­ran­tia da li­ber­da­de de ex­pres­são, co­mu­ni­ca­ção e ma­ni­fes­ta­ção, as­sim como a es­ta­bi­li­da­de e fun­ci­o­na­li­da­de da re­de. Ao mes­mo tem­po que per­mi­te a vi­o­la­ção do si­gi­lo das co­mu­ni­ca­ções dos usuá­ri­os por ordem ju­di­ci­al, no ar­ti­go 7º, (in­ci­so) II. Tam­bém, o ar­ti­go 11 de­ter­mi­na que os pro­ve­do­res de apli­ca­ção cum­pram e res­pei­tem a le­gis­la­ção bra­si­lei­ra. Des­ta forma, não hou­ve uma ame­a­ça ao Mar­co Ci­vil da Internet, e sim a apli­ca­bi­li­da­de da le­gis­la­ção de uma ma­nei­ra des­pro­por­ci­o­nal.

Na sua ava­li­a­ção, a juí­za Da­ni­e­la As­sump­ção de­ve­ria ter so­li­ci­ta­do algum lau­do téc­ni­co que de­mons­tras­se se o que ela es­ta­va co­bran­do era viá­vel em ter­mos tec­no­ló­gi­cos? Pois, apa­ren­te­men­te,ela par­tiu da pre­mis­sa de que a me­di­da se­ria se­me­lhan­te a um gram­po te­lefô­ni­co e ao sus­pen­der o serviço afe­tou mi­lhões de pes­so­as...

Is­so po­de­ria ter acon­te­ci­do tan­to por par­te do Po­der Ju­di­ciá­rio, como pe­la pró­pria em­pre­sa que se viu obri­ga­da a pres­tar as in­for­ma­ções so­li­ci­ta­das e po­de­ria ter apre­sen­ta­do um lau­do pa­ra explicar as ques­tões téc­ni­cas de sua pos­si­bi­li­da­de ou im­pos­si­bi­li­da­de.

Exis­te um meio ter­mo pa­ra es­sa que­da de bra­ço en­tre a se­gu­ran­ça pú­bli­ca,que re­quer pro­vas ele­trô­ni­cas em uma in­ves­ti­ga­ção,e a ne­ces­si­da­de de pri­va­ci­da­de dos usuá­ri­os doWhatsApp?

Sim, de­ve exis­tir um diá­lo­go en­tre as par­tes pa­ra explicar ao Mi­nis­té­rio Público e ao Po­der Ju­di­ciá­rio as ques­tões téc­ni­cas e como a em­pre­sa pri­va­da po­de con­tri­buir com a Jus­ti­ça bra­si­lei­ra. Po­de ser re­a­li­za­do um ter­mo de ajus­ta­men­to de con­du­ta de mo­do a es­cla­re­cer como as em­pre­sas pri­va­das e o Estado po­dem atu­ar em ca­sos se­me­lhan­tes.

Qual a sua aná­li­se so­bre o com­por­ta­men­to das em­pre­sas pri­va­das como o Fa­ce­bo­ok, res­pon­sá­vel pe­lo What­sApp, no que diz res­pei­to à par­ti­ci­pa­ção na cons­tru­ção de um mo­de­lo que res­pei­te a le­gis­la­ção bra­si­lei­ra, vi­san­do pres­tar su­por­te e co­la­bo­rar com as au­to­ri­da­des em pro­ces­sos de in­ves­ti­ga­ção?

Po­de­mos ob­ser­var que o Fa­ce­bo­ok não con­tri­buiu ou jus­ti­fi­cou ade­qua­da­men­te sua im­pos­si­bi­li­da­de à Jus­ti­ça bra­si­lei­ra, por is­so a ne­ces­si­da­de de se im­ple­men­tar um ter­mo de ajus­ta­men­to de con­du­ta pa­ra uni­for- mi­zar os en­ten­di­men­tos. Ca­so is­so não ocor­ra, os blo­quei­os não vão pa­rar e ca­da vez mais ire­mos ge­rar com­por­ta­men­tos des­pro­por­ci­o­nais.

É pro­ce­den­te es­sa de­fe­sa em prol da re­gu­la­men­ta­ção doWhatsApp? De que forma is­so po­de acon­te­cer e pa­ra aten­der quais ob­je­ti­vos?

Na ver­da­de, não se­ria uma re­gu­la­men­ta­ção do What­sApp, pois o Mar­co Ci­vil da Internet já dis­põe so­bre os pro­ve­do­res de apli­ca­ções. Se­ria um ter­mo de ajus­ta­men­to de con­du­ta em que fos­se es­cla­re­ci­da a forma, em quais si­tu­a­ções e como os da­dos devem ser so­li­ci­ta­dos pe­lo Po­der Ju­di­ciá­rio/ Mi­nis­té­rio Público e apre­sen­ta­dos pe­las em­pre­sas pri­va­das à Jus­ti­ça bra­si­lei­ra. Não po­de­mos mais fe­char os olhos pa­ra as ques­tões tec­no­ló­gi­cas que es­tão sur­gin­do na so­ci­e­da­de e im­pac­tan­do o di­rei­to. Elas pre­ci­sam ser ana­li­sa­das, de­ba­ti­das e tra­ta­das da melhor ma­nei­ra pos­sí­vel pa­ra a so­ci­e­da­de como um to­do e den­tro da le­ga­li­da­de.

Não hou­ve uma ame­a­ça ao Mar­co Ci­vil da Internet,e sim a apli­ca­bi­li­da­de da le­gis­la­ção de uma ma­nei­ra des­pro­por­ci­o­nal”

In­te­res­ses de gru­pos e em­pre­sas con­trá­ri­os ao apli­ca­ti­vo, que é gra­tui­to, po­dem es­tar exer­cen­do alguma in­fluên­cia?

Não é a gra­tui­da­de que está in­flu­en­ci­an­do, e sim a quan­ti­da­de de usuá­ri­os. Como o What­sApp é o apli­ca­ti­vo de co­mu­ni­ca­ção mais uti­li­za­do pe­la so­ci­e­da­de, ele aca­ba sen­do a fer­ra­men­ta co­mum pa­ra troca de men­sa­gens, in­clu­si­ve pa­ra tra­ta­ti­vas que en­vol­vem cri­mes e ilí­ci­tos civis. Gran­de par­te dos de­mais apli­ca­ti­vos de co­mu­ni­ca­ção tam­bém é gra­tui­ta, mas o What­sApp está in­se­ri­do de uma ma­nei­ra mais ma­ci­ça na so­ci­e­da­de.

Nes­se sen­ti­do, a de­ci­são da juí­za de sus­pen­der o serviço que aten­de mi­lhões de pes­so­as pa­ra in­ves­ti­gar um ca­so foi ar­bi­trá­ria ou des­pro­por­ci­o­nal ao even­tu­al be­ne­fí­cio que a elu­ci­da­ção do ca­so tra­ria pa­ra a so­ci­e­da­de?

Como a ques­tão está sen­do tra­ta­da em se­gre­do de Jus­ti­ça e ain­da in­ves­ti­ga­da pe­los ór­gãos pú­bli­cos, não sa­be­mos o ob­je­to e a am­pli­tu­de do seu resultado pa­ra a so­ci­e­da­de, des­ta forma, não te­mos como ana­li­sar se hou­ve ou não a des­pro­por­ci­o­na­li­da­de en­tre o be­ne­fí­cio do resultado da in­ves­ti­ga­ção pa­ra a so­ci­e­da­de e o uso do serviço. No en­tan­to, a fim de evi­tar que a de­ci­são afe­tas­se di­ver­sos usuá­ri­os, po­de­ri­am ter si­do so­li­ci­ta­dos o blo­queio das con­tas e a pri­são pre­ven­ti­va do exe­cu­ti­vo da em­pre­sa pri­va­da por de­sa­ca­to ou des­cum­pri­men­to de ordem ju­di­ci­al.

Na sua opi­nião, a res­pos­ta em in­glês da­da pe­lo Fa­ce­bo­ok à juí­za Da­ni­e­la As­sump­ção po­de ser con­si­de­ra­da uma afron­ta?

A res­pos­ta de­ve­ria ter ocor­ri­do em por­tu­guês, con­for­me o ar­ti­go 192 do Có­di­go de Pro­ces­so Ci­vil. No en­tan­to, a juí­za po­de­ria ter con­tra­ta­do um tra­du­tor ju­ra­men­ta­do pa­ra tra­du­zi-la. Mas, ob­vi­a­men­te, a res­pos­ta em in­glês não foi bem acei­ta pe­lo Po­der Ju­di­ciá­rio.

Divulgação

Ca­ro­li­ne Teó­fi­lo da Sil­va, ad­vo­ga­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.