Gê­ne­ro e Ide­o­lo­gia de Gê­ne­ro: es­pi­nho­sa re­la­ção

Folha de Londrina Domingo - - OPINIÃO - Mary Nei­de Da­mi­co Fi­guei­ró

No ano pas­sa­do, acom­pa­nha­mos os im­pas­ses em tor­no dos ter­mos: Gê­ne­ro e Ide­o­lo­gia de Gê­ne­ro, quan­do hou­ve dis­cus­sões pa­ras e man­ter, ou não, apa­la­vra“gê­ne­ro” nos pla­nos nacionais, es­ta­du­ais e mu­ni­ci­pais de Edu­ca­ção. De on­de vem es­ta re­la­ção es­pi­nho­sa en­tre os dois ter­mos? É im­por­tan­te es­cla­re­cer os fun­da­men­tos de am­bos.

Gê­ne­ro diz res­pei­toà mas­cu­li­ni­da­de eà fe­mi­ni­li­da­de, ao jei­to de ser ho­mem e de ser mu­lher, de com­por­tar-se e de ves­tir-se de acor­do com as re­gras que ca­da cul­tu­ra vai de­ter­mi­nan­do. Por is­so, diz-se que gê­ne­ro é uma cons­tru­ção so­ci­al e his­tó­ri­ca, por­que vai mu­dan­do ao lon­go dos tem­pos. An­tes, fa­la­va-se em: pa­péis se­xu­ais, mas es­ta ex­pres­são foi aban­do­na­da por­que da­va a ideia de um alis­ta fi­xa­do pa­pel do ho­mem e da mu­lher. Ser ho­mem, nos di­as de ho­je, é bas­tan­te diferente do que ser ho­mem há vá­ri­as dé­ca­das atrás. Idem pa­ra a mu­lher. Ser ho­mem ou mu­lher num país ca­tó­li­co é diferente de o ser num país mu­çul­ma­no. Mu­dan­ças po­si­ti­vas no com­por­ta­men­to do ho­mem im­pli­cam em mu­dan­ças no com­por­ta­men­to da mu­lher e vi­ce-ver­sa, e am­bos sa­em ga­nhan­do.

Tra­ba­lhar gê­ne­ro nas es­co­las sig­ni­fi­ca re­fle­tir so­bre: as de­si­gual­da­des en­tre ho­mens e mulheres e as im­pli­ca­ções ne­ga­ti­vas des­sas de­si­gual­da­des, pa­ra am­bos; o al­to ín­di­ce de dis­cri­mi­na­ção e vi­o­lên­cia contra a mu­lher e contra as mi­no­ri­as ra­ci­ais, re­li­gi­o­sas e se­xu­ais; e o abu­so se­xu­al contra cri­an­ças e ado­les­cen­tes. Sig­ni­fi­ca tam­bém cons­ci­en­ti­za­ra res­pei­to dos di­rei­tos hu­ma­nos, dos di­rei­tos se­xu­ais e di­rei­tos re­pro­du­ti­vos e dos di­ver­sos ti­pos de fa­mí­lia. Tra­ba­lhar gê­ne­ro nas es­co­la sé aju­da­ra com­pre­en­de­ra opres­são exer­ci­da so­bre os ho­mens (ho­mem não cho­ra, etc.),ée­duc ar­pa­ra ores pei­toà di­ver­si­da­de, de mo­doa eli­mi­nar to­do ti po­de pre­con­cei­to e dis­cri­mi­na­ção, se­ja ra­ci­al, se­xu­al ou de re­li­gião, en­tre ou­tros, eée­duc ar­pa­ra su­pe­rar o machismo e os exis­mo( a di­vi­são: is­toéd eh om em,is toé de mu­lher ).

Ide­o­lo­gia de Gê­ne­ro é um ter­mo que não faz par­te dos estudos ci­en­tí­fi­cos so­bre gê­ne­ro. Ele foi cri­a­do eé usa­do por pes­so­as não pro­gres­sis­tas, que de­fen­dem pa­péis ri­gi­da­men­te es­ta­be­le­ci­dos pa­ra o ho­mem e pa­ra a mu­lher, de­ven­do es­ta fi­car em con­di­ção sub­ser­vi­en­te e in­fe­ri­or. Pa­ra es­sas pes­so­as, a di­fe­ren­ça en­tre ho­mem e mu­lher é fun­da­da n abi­o­lo­gia e,por­tan­to,é na­tu­ral, sen­do in­con­ce­bí­vel a ideia de luta pe­la igual­da­de e, tam­bém, a ideia de que as pes­so­as mu­dam sua forma de agir, de­se com­por­tar e de se re­la­ci­o­nar com o se­xo opos­to. Es­se gru­po acre­di­ta que fa­lar so­bre gê­ne­ro nas es­co­las é fa­vo­re­cer que as cri­an­ças mu­dem de se­xo ou se tor­nem ho­mos­se­xu­ais, por exem­plo. Pa­ra eles, a acei­ta­ção da pos­si­bi­li­da­de de fa­mí­lia com­pos­ta por pais ou mães ho­mos­se­xu­ais vai con­du­zir à mor­te da fa­mí­lia tra­di­ci­o­nal, cu­ja es­sên­cia está na pro­cri­a­ção. Além dis­so, con­de­nam como pe­ca­mi­no­sa a ho­mos­se­xu­a­li­da­de.

Quan­do foi cri­a­do o ter­mo Ide­o­lo­gia de Gê­ne­ro? Nos anos de 2014 e 2015, quan­do se dis­cu­tiu, no Bra­sil, os pla­nos de Edu­ca­ção? Não. Já no ano de 1998, o li­vro “Ide­o­lo­gia de gê­ne­ro: o ne­o­to­ta­li­ta­ris­mo e a mor­te da fa­mí­lia”, de Jor­ge Sca­la, ad­vo­ga­do ar­gen­ti­no, apre­sen­ta“a te­o­ria” da Ide­o­lo­gia de Gê­ne­ro e pre­ga contra to­do tra­ba­lho edu­ca­ti­vo so­bre gê­ne­ro. Es­ta e ou­tras pu­bli­ca­ções se­me­lhan­tes cir­cu­lam pe­lo Bra­sil e em mui­tos ou­tros países.Vá­ri­os re­li­gi­o­sos e po­lí­ti­cos cris­tãos e fun­da­men­ta­lis­tas vêm cau­san­do pâ­ni­co mo­ral com­ba­se nes­sa ide­o­lo­gia. Quan­to des­ser­vi­ço à edu­ca­ção e às re­la­ções hu­ma­nas!Ve­ja­mos afa­la­da psi­có­lo­ga Ma­ri­sa Lo­bo, per­ten­cen­te a es­se gru­po:“A vi­tó­ria da Ide­o­lo­gia de Gê­ne­ro sig­ni­fi­ca­ria a per­mis­são de to­da per­ver­são se­xu­al (in­cluin­do o in­ces­to e a pe­do­fi­lia) [...], a per­da do con­tro­le dos pais so­bre a edu­ca­ção dos fi­lhos, a ex­tin­ção da fa­mí­lia [...]”. Em 17/08/2015, por­me io­da No­ta Téc­ni­ca 24/2015, o“Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção rei­te­ra a im­por­tân­cia dos con­cei­tos de gê­ne­ro e ori­en­ta­ção se­xu­al pa­ra as po­lí­ti­cas edu­ca­ci­o­nais e pa­ra o pró­prio pro­ces­so pe­da­gó­gi­co. É co­nhe­ci­men­to ci­en­ti­fi­ca­men­te pro­du­zi­do que não po­de ser ex­cluí­do do cur­rí­cu­lo.” A ONU apoia a in­clu­são do te­ma gê­ne­ro na Edu­ca­ção. MAR Y NEI­DE DA MICO F IGUEI RÓép­si­cól oga e dou­to­ra em Edu­ca­ção em Cam­bé

Tra­ba­lhar gê­ne­ro nas es­co­las sig­ni­fi­ca re­fle­tir so­bre: as de­si­gual­da­des en­tre ho­mens e mulheres e as im­pli­ca­ções ne­ga­ti­vas des­sas de­si­gual­da­des

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.