Re­a­li­da­des di­fe­ren­tes, pre­o­cu­pa­ção igual

Folha de Londrina Domingo - - REPORTAGEM -

Lais­la tem 13 anos e mo­ra em um bair­ro de clas­se mé­dia na zo­na les­te de Lon­dri­na. Cris­tlly, aos 15, vi­ve em um bair­ro pe­ri­fé­ri­co na mes­ma re­gião da ci­da­de. En­quan­to a mãe de Lais­la faz ques­tão de acom­pa­nhar to­dos os pas­sos da fi­lha por me­do, prin­ci­pal­men­te, que ela so­fra algum tipo de vi­o­lên­cia se­xu­al, o pa­dras­to de Cris­tlly te­me que a en­te­a­da, cri­a­da des­de mui­to pe­que­na como fi­lha, aca­be in­flu­en­ci­a­da pe­los ris­cos do trá­fi­co de dro­gas que ron­da a re­gião on­de vi­vem. Os me­dos são di­fe­ren­tes, mas o ta­ma­nho da pre­o­cu­pa­ção diá­ria é a mes­ma. Mui­ta con­ver­sa e pre­sen­ça na vi­da dos fi­lhos são os ca­mi­nhos en­con­tra­dos por es­tas du­as fa­mí­li­as pa­ra ten­tar evi­tar que os ado­les­cen­tes se­jam ex­pos­tos a ris­cos.

“Qu­e­ro pro­te­ger mi­nha fi­lha de al­gu­mas si­tu­a­ções que con­si­de­ro ar­ris­ca­das”, afir­ma a pro­pri­e­tá­ria de uma es­co­la de dan­ça Le­an­dra Ca­bral, mãe de Lais­la. Ela ain­da não dei­xa a fi­lha per­cor­rer pe­que­nos per­cur­sos so­zi­nha por acre­di­tar que o mun­do está ca­da vez mais pe­ri­go­so. “A vio- lên­cia está ba­na­li­za­da e os va­lo­res es­tão in­ver­ti­dos. Mi­nha mai­or pre­o­cu­pa­ção é que Lais­la se­ja pro­te­gi­da”, con­ta ela.

O gran­de me­do da mãe é o risco de vi­o­lên­cia se­xu­al. Por is­so, con­ver­sa bas­tan­te com a fi­lha so­bre o as­sun­to e a ori­en­ta a re­co­nhe­cer si­tu­a­ções pe­ri­go­sas.“Sem­pre di­go pa­ra ela ob­ser­var o en­tor­no, ver se não está sen­do se­gui­da”, con­ta. A ado­les­cen­te, por sua vez, com­par­ti­lha do te­mor da mãe e, quan­do está sem a fa­mí­lia, bus­ca es­tar sem­pre acom­pa­nha­da de ami­gos pa­ra mi­ni­mi­zar os ris­cos.

Ela cri­ou re­cen­te­men­te uma con­ta no Fa­ce­bo­ok e já apren­deu que não po­de adi­ci­o­nar des­co­nhe­ci­dos. “Converso mui­to so­bre os ris­cos das re­des so­ci­ais com a mi­nha mãe e pro­cu­ro não me ex­por”, con­ta Lais­la, que tam­bém não for­ne­ce da­dos pes­so­ais na internet.

Ape­sar de con­fi­ar bas­tan­te na fi­lha, Le­an­dra per­ce­be que a ado­les­cen­te ain­da gu­ar­da a ino­cên­cia da in­fân­cia e, por is­so, não des­cui­da. “Às ve­zes ela ques­ti­o­na a fal­ta de li­ber­da­de pa­ra an­dar so­zi­nha, mas ain­da acho que está ce­do. A se­gu­ran­ça de­la é mais im­por­tan­te”, acre­di­ta.

O ex­ces­so de pro­te­ção tam­bém é o ca­mi­nho en­con­tra­do pe­lo ven­de­dor e cai­xa An­der­son Eu­frá­sio pa­ra mi­ni­mi­zar os ris­cos a que está ex­pos­ta a en­te­a­da Cris­tlly. “Se a gen­te não cui­da, per­de o fi­lho pa­ra o mun­do”, acre­di­ta ele, que se pre­o­cu­pa prin­ci­pal­men­te com a in­fluên­cia de ami­gos e o trá­fi­co de dro­gas pra­ti­ca­do por ado­les­cen­tes da mes­ma ida­de no bair­ro on­de vi­vem.

Ele te­me, in­clu­si­ve, pe­lo am­bi­en­te da es­co­la, on­de ob­ser­va a pre­sen­ça de mui­tos alu­nos com pa­ren­tes en­vol­vi­dos com dro­gas. “Te­nho me­do por­que é uma ‘mo­di­nha’ as me­ni­nas se re­la­ci­o­na­rem com tra­fi­can­tes, elas acham que vão fi­car po­pu­la­res”, apon­ta ele, que pe­la ri­gi­dez no com­por­ta­men­to aca­ba sen­do qu­es­ti­o­na­do pe­la en­te­a­da. “Pro­cu­ro con­ver­sar bas­tan­te pa­ra ver se ela en­ten­de mi­nha pre­o­cu­pa­ção. To­dos os di­as, no ca­mi­nho do tra­ba­lho pa­ra ca­sa, al­guém me ofe­re­ce dro­gas ou me pe­de di­nhei­ro pa­ra com­prar dro­gas. É um me­do re­al”, ex­pli­ca. (C.A.)

Gi­na Mar­do­nes

Vi­o­lên­cia se­xu­al éo mai­or me­do de Le­an­dra Ca­bral em re­la­ção à fi­lha Lais­la, de 13 anos: pro­te­ção aci­ma de tu­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.