‘É pre­ci­so aco­lher a dor dos jo­vens’

Psi­co­te­ra­peu­ta Ivan Ca­pe­lat­to ad­ver­te que a vi­o­lên­cia não é cau­sa­da por fal­ta de di­nhei­ro, mas prin­ci­pal­men­te pe­la au­sên­cia de afe­to

Folha de Londrina Domingo - - REPORTAGEM - Ca­ro­li­na Avan­si­ni Re­por­ta­gem Lo­cal

Avi­o­lên­cia está pre­sen­te no dia a dia dos ado­les­cen­tes bra­si­lei­ros. En­ga­nam-se, po­rém, aque­les que pen­sam que ela in­ci­de ape­nas nas pe­ri­fe­ri­as. O psi­có­lo­go clí­ni­co e psi­co­te­ra­peu­ta de cri­an­ças, ado­les­cen­tes e fa­mí­li­as Ivan Ca­pe­lat­to avi­sa que a vi­o­lên­cia contra es­ta fai­xa etá­ria per­pas­sa to­das as clas­ses so­ci­ais. “Ela não é pro­vo­ca­da por fal­ta de di­nhei­ro, mas por au­sên­cia do afe­to, do aco­lhi­men­to e da pa­ci­ên­cia”, re­su­me.

Não à toa, se­gun­do ele, o Bra­sil é o ter­cei­ro país em vi­o­lên­cia no mun­do e o pri­mei­ro em sui­cí­dio de jo­vens. “Is­so ocor­re por­que en­tra­mos na so­ci­e­da­de con­tem­po­râ­nea com ge­ra­ções que já vi­nham sen­do com­pro­me­ti­das pe­la des­cren­ça na vi­da e pe­la ne­ces­si­da­de de ter pra­zer ime­di­a­to”, ana­li­sa, re­me­ten­do ao iní­cio do atu­al mi­lê­nio, quan­do pas­sa a fi­car ca­da vez mais co­mum cri­an­ças e ado­les­cen­tes en­vol­vi­dos no cri­me ou con­su­min­do ál­co­ol e dro­gas. “As fes­ti­nhas de condomínio co­me­ça­ram a ter be­bi­das, o se­xo apa­re­ce como forma de pra­zer ime­di­a­to e vi­mos a ins­ta­la­ção dos bai­les funks e da ‘adul­ti­za­ção’ das cri­an­ças”, cri­ti­ca.

Por ou­tro la­do, a so­ci­e­da­de pas­sou a as­sis­tir a fa­lên­cia do desejo, o que Ca­pe­lat­to con­si­de­ra ex­tre­ma­men­te pe­ri­go­so pa­ra a vi­da hu­ma­na. “De­se­jar é ter me­ta, ter so­nhos que de­man­dam sa­cri­fí­ci­os pa­ra se­rem atingidos. É o que cha­ma­mos de pul­são de vi­da”, diz ele, que ca­da vez mais ob­ser­va o desejo ser subs­ti­tuí­do por um “sim­ples que­rer” que vi­sa aten­der o pra­zer ime­di­a­to, como por exem­plo ga­nha­rum­vi­de­o­ga­me.“Ocor­re que é o desejo que man­tém a gen­te li­ga­do à vi­da.”

Ele exem­pli­fi­ca lem­bran­do que as cri­an­ças atu­ais não es­pe­ram mais a Pás­coa pa­ra ga­nhar ovos de cho­co­la­te, visto que es­tes pro­du­tos es­tão disponíveis nas gôn­do­las dos su­per­mer­ca­dos des­de o Car­na­val. “É ne­ces­sá­rio mu­dar a ma­nei­ra de en­ten­der a vi­da, te­mos que voltar a fa­zer com que cri­an­ças de­se­jem que che­gue o Na­tal pa­ra ga­nhar uma cal­ça no­va. Su­por­tar a frus­tra­ção é o que traz saúde men­tal”, en­si­na.

O pro­ble­ma de uma“so­ci­e­da­de sem desejo” é o au­men­to da in­to­le­rân­cia, o que fi­ca per­cep­tí­vel “no com­por­ta­men­to áci­do e bé­li­co en­tre as pes­so­as”.“Quan­to mais há fa­lên­cia do desejo, mais há pre­con­cei­to, agres­si­vi­da­de, bullying e vi­o­lên­cia como um to­do”, ava­lia, des­ta­can­do que o ce­ná­rio se con­cre­ti­za, por exem­plo, na­que­las his­tó­ri­as em que um me­ni­no não acei­ta o tér­mi­no de um na­mo­ro e aca­ba ma­tan­do a na­mo­ra­da ou a si pró­prio.

Pa­ra o psi­co­te­ra­peu­ta, es­sas si­tu­a­ções mos­tram que os ado­les­cen­tes não es­tão con­se­guin­do cho­rar, não co­lo­cam pa­ra fo­ra as pró­pri­as an­gús­ti­as e não são aco­lhi­dos pe­los adul­tos. “A es­co­la não dei­xa e a fa­mí­lia não li­ga. Mui­tas cri­an­ças es­tão em so­fri­men­to e não têm com quem fa­lar, o que aca­ba re­sul­tan­do em vi­o­lên­cia”, lamenta.

Os pais des­tes ado­les­cen­tes, por ou­tro la­do, tam­bém são “bus­ca­do­res de pra­zer” e in­cu­tem es­sa cul­tu­ra na ca­be­ça dos fi­lhos, ao in­vés de in­cen­ti­va­rem o desejo.

“Opai­que­tam­bém­quer­ter pra­zer ime­di­a­to não pa­ra de ver o fu­te­bol quan­do vê o fi­lho che­gar da es­co­la cho­ran­do. Ele man­da o fi­lho se vi­rar, não tem pa­ci­ên­cia e to­le­rân­cia com o so­fri­men­to”, ana­li­sa.

SUPERPROTEÇÃO Ca­pe­lat­to não acre­di­ta que a superproteção se­ja ca­paz de im­pe­dir o con­ta­to com a vi­o­lên­cia. “Não adi­an­ta ter mu­ro no condomínio ou ma­tri­cu­lar o fi­lho em uma es­co­la par­ti­cu­lar ca­ra, por­que a vi­o­lên­cia está lá den­tro. Os fi­lhos dos ou­tros são cri­a­dos de forma diferente e pro­vo­car a di­fe­ren­ça po­de ser mui­to vi­o­len­to pa­ra as cri­an­ças”, afir­ma.

A mu­dan­ça, se­gun­do ele, de­pen­de de cons­ci­en­ti­za­ção da es­co­la, que ain­da edu­ca “pa­ra o vestibular” mas não aco­lhe o alu­no que está em di­fi­cul­da­des. “O pro­fes­sor chama os pais pa­ra se quei­xar e a fa­mí­lia ter­cei­ri­za o pro­ble­ma pa­ra psi­co­pe­da­go­gos e ou­tros pro­fis­si­o­nais, mas o pro­ble­ma não é es­se. O prin­ci­pal é que al­guém aco­lha aque­le ado­les­cen­te que está so­fren­do”, en­si­na.

O con­se­lho de Ca­pe­lat­to pa­ra man­ter os fi­lhos sau­dá­veis e pro­te­gi­dos não é novo, mas aca­ba sem­pre es­que­ci­do. “Os pais pre­ci­sam es­tar pre­sen­tes pa­ra es­cu­tar o ado­les­cen­te fa­lar do que vê ao re­dor, se­ja so­bre se­xu­a­li­da­de ou da be­bi­da que co­me­ça a apa­re­cer nas fes­ti­nhas. É pre­ci­so ter pro­te­ção e cui­da­do, mas tam­bém pre­sen­ça, es­cu­ta e aco­lhi­men­to da dor”, pe­de.

Quan­to mais há fa­lên­cia do desejo,mais há pre­con­cei­to, agres­si­vi­da­de,bullying e vi­o­lên­cia”

Shut­ters­tock

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.